Aquabio dá posse a nova diretoria e planeja melhores condições para o desenvolvimento da aqüicultura no País

Da esquerda para direita: Ronaldo Cavalli, Philip C. Scott, João Donato Scorvo Filho, Célia Frasca-Scorvo, Elizabeth Urbinati, Dalton Carneiro, Tereza Cristina Koberstein, Julio Leonhardt, Débora Fracalossi, Eudes de Souza Correia e João Batista Kochenborge Fernandes

Por: João Donato Scorvo Filho
e-mail: [email protected]


Fundada em outubro de 2002, a Aquabio – Sociedade Brasileira de Aqüicultura e Biologia Aquática (www.aquabio.com.br), agrega pesquisadores, professores universitários, pós-graduados e pós-graduandos que atuem na aqüicultura e biologia aquática. Em encontro realizado em Jaboticabal (SP) em 15 de maio último, tomou a posse a Diretoria para o biênio 2007/2009, com o objetivo prioritário de consolidar uma política para o setor científico e acadêmico da aqüicultura e da biologia aquática, que fortaleça a busca de novos conhecimentos e tecnologias que dêem ao Brasil melhores condições para explorar seu enorme potencial no setor. Além disso, a atual diretoria pretende ampliar a participação da Aquabio em comitês, conselhos e câmaras que tratem de assuntos ligados à aqüicultura e biologia aquática, aumentando, assim, a participação e a discussão de temas de importância para a atividade científica e acadêmica.

A aqüicultura brasileira, após apresentar crescimento vertiginoso nos anos 80 e 90, vem mostrando, nos últimos sete anos, uma queda em seu crescimento devido a diversos fatores técnico-econômicos, legais e até mesmo político. Podemos citar algumas razões que levaram à estagnação: o encarecimento dos insumos, principalmente a ração que, em alguns casos, inviabilizou a manutenção de ciclos produtivos, e o surgimento de doenças, associado a problemas comerciais, no caso da carcinicultura, fazendo com que a atividade fosse abalada a partir de 2004. Outro grande fator de estagnação está na questão ambiental. Hoje está quase impossível para algumas classes de produtores a obtenção das obrigatórias licenças ambientais.

Ao analisarmos a fundo estas questões, notaremos que em todas elas a falta do conhecimento técnico-científico e em alguns casos, a falta de divulgação cientifica, têm sido fatores limitantes para resoluções destes problemas. No caso de rações mais eficientes e, quem sabe, mais baratas, os resultados de pesquisas que já estão sendo desenvolvidas pelas universidades e centros de pesquisa pouco estão sendo utilizados pelas indústrias e mesmo por produtores. Com relação às doenças, o rápido diagnóstico e o tratamento de novas doenças poderiam ser adotados já utilizando resultados de pesquisas realizadas pelas instituições de pesquisa e ensino. Muitos conhecimentos já existem, mas há dificuldades para que sejam utilizados. Mesmo as questões de licenciamento têm sido emperradas por falta de conhecimento das causas e efeitos da atividade de criação de organismos aquáticos. Assim, o crescimento da aqüicultura passa pela priorização de ações de pesquisa, desenvolvimento e divulgação de resultados obtidos pelo setor acadêmico-cientifico.

A Diretoria eleita assume o compromisso de priorizar as seguintes ações:

Fortalecer a Sociedade:

• Com o intuito de aumentar o número de sócios e conseqüentemente sua representatividade, além de intensificar sua representação, será implantado um programa de divulgação da Sociedade e de suas ações, realizações e potencial. Este Programa deverá ser implantado de imediato para gerar resultados ainda em 2007.

• Participar e articular através de seus representantes regionais e/ou estaduais em Conselhos, Comitês e Grupos de Trabalho no âmbito federal, regional e estadual: Atualmente, a Aquabio tem assento no Conselho Nacional de Aqüicultura e Pesca – Conape, instituído no âmbito da Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca – Seap/PR, fazendo parte, junto com a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC, da representação científica e acadêmica do referido Conselho. A articulação com as diversas Instituições que possuem Conselhos, Comissões e Comitês, levará a Aquabio a representar a comunidade acadêmica e científica da área de aqüicultura e biologia aquática em Conselhos Nacionais: de Meio Ambiente (Conama), Recursos Hídricos (CNRH), Biodervisidade (CNBio), todos instituídos pelo Ministério do Meio Ambiente e também, na Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), no âmbito do Ministério de Ciência e Tecnologia.

Intensificar a publicação de textos e material científico da Sociedade:

• A Diretoria pretende nestes próximos dois anos publicar os trabalhos referentes ao Aquaciência 2006 e outras publicações técnicas sobre a aqüicultura e a biologia aquática.

Firmar Convênios e articular a formação de uma rede com outras entidades de caráter representativo:

• As discussões sobre a criação de uma rede de entidades representativas do setor de aqüicultura e de biologia aquática iniciada pela Diretoria anterior, terão continuidade, sendo mantidos os trabalhos para sua implantação, na mesma intensidade.

• A Diretoria pretende dar continuidade às negociações com outras sociedades e associações, trazendo aos sócios da Aquabio, as vantagens dadas aos sócios das entidades conveniadas.

• A Aquabio irá assinar, durante o Encontro Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia – SBZ em Jaboticabal em julho, um convênio com a SBZ, dando aos sócios de ambas as Sociedades, alguns direitos e vantagens.

• Durante a solenidade de posse na Diretoria, em 15 de maio de 2007, foi anunciado pelo representante da Sociedade Mundial de Aqüicultura (WAS), Prof. Dr. Wagner Cotroni Valente, o desejo de disponibilizar para a Aquabio, além da coordenação de uma seção sobre a aqüicultura na América Latina, um espaço na Revista de Divulgação da Sociedade (WAS Magazine). É interesse da Diretoria aproveitar estas facilidades para divulgar, ainda mais a aqüicultura nacional.

Promover a modernização e adequação do Estatuto da Sociedade:

• A Diretoria pretende, de forma dinâmica, estar sempre discutindo a modernização, a adequação e a ampliação de seu Estatuto. Esta discussão, sempre que possível, será feita de forma virtual e na Assembléia Geral realizada durante o Aquaciência 2008.


Membros da Diretoria Biênio 2007/2009

Presidente: Dr. João Donato Scorvo Filho – Pesquisador da Agência Paulista de Tecnologia do Agronegócio – APTA do Estado de São Paulo.

Vice-Presidente: Prof. Dr. Ronaldo Cavalli – Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Conselho Consultivo Fiscal:
Profª Drª Débora Machado Fracalossi – Universidade Federal de Santa Catarina.
Prof. Dr. Eudes de Souza Correia – Universidade Federal Rural de Pernambuco.
Prof. Dr. Philip Conrad Scott – Universidade Santa Ursula.
Prof. Dr. Luis André Sampaio – Fundação Universidade Federal do Rio Grande.
Prof. Dr. Julio Hermann Leonhardt – Universidade
Estadual de Londrina.

Secretaria Executiva: Dra Tereza Cristina Ribeiro Dias Koberstein (CAUNESP).

Tesoureiro: Dr. João Batista Kochenborge Fernandes (CAUNESP).

Secretaria: MSc. Célia M.D. Frasca-Scorvo (APTA- Apta Regional).