CATFISH

Os Estados Unidos importam rotineiramente os “catfishes” – bagres – do Brasil, variando mensalmente as quantidades.

De grande aceitação no mercado americano, essa espécie é muito cultivada em cativeiro nesse país e só em abril último foram produzidas 64 mil toneladas pelos piscicultores.

Apesar desse volume, no mês de abril o mercado americano importou 190 toneladas de bagres, 90% das quais provenientes do nosso país. Enquanto nos Estados Unidos a produção de bagres é obtidá pelas criações em cativeiro, aqui continuamos pescando piramutabas e similares na região amazônica ou bagres de água salgada na região Sul.

Como já estão praticamente dominadas as técnicas de cultivo do bagre de água doce -“Channel catfish” -com mais de 20 anos de pesquisas nas universidades norte’ americanas, e como se observa um crescente aumento da demanda dessa espécie principalmente como alimento “fast-food”, já é hora de pensarmos em desenvolver a piscicultura da espécie com fins econômicos.

Em Tempo:

Segundo informações da Sudepe (agora IBAMA), de Belém, a produção comercializada nos mercados interno e externo na forma de filés, postas, inteiro, e congelado de piramutaba, no ano de 1987, foi de 8.516 t para o mercado interno e 3.205 t para o mercado externo. O valor exportado em 1987 alcançou US$4.807.500