CNPq

Cria Comitê Assessor de Aqüicultura para apoiar as pesquisas e cria diretrizes


Desde a organização do workshop Aqüicultura para o Ano 2000, realizado em novembro passado, que o CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico vem mostrando sua intenção de apoiar de fato o desenvolvimento da aqüicultura no Brasil através de apoio à pesquisa na área.

Subordinado a Superintendência de Ciências da Vida, foi criado o Comitê Assessor de Aqüicultura – CA/AQ que, além de outras atribuições, julgará todos os pedidos de auxílios à pesquisa e bolsas, indicará o corpo de assessores Ad Hoc e participará da elaboração, acompanhamento e avaliação dos programas de desenvolvimento científico e tecnológico. Fazem parte da primeira composição do CA/AQ os pesquisadores Wagner Cotroni Valente da CAUNESP, Carlos Rogério Poli da UFSC, José Arlindo Pereira da UFPE e José Roberto Borghetti do MAARA.

Diretrizes

Segundo Wagner Valente, o atual CA/AQ já traçou algumas diretrizes para a área, que devem ser levadas em consideração por aqueles que vierem a solicitar algum tipo de auxílio:

1 – Os projetos de pesquisa são priorizados considerando-se a originalidade e o grau de contribuição para o avanço do conhecimento científico e tecnológico;

2 – Deverão ser evitados trabalhos de simples constatação, sem aprofundamento teórico ou prático ou que repetem experimentos já realizados no Brasil e exterior; .

3 – Trabalhos básicos que forneçam subsídios para o desenvolvimento da aqüicultura e exploração de recursos pesqueiros no Brasil serão avaliados com a mesma prioridade dada aos trabalhos aplicados;

4 – Foram consideradas áreas relevantes para o desenvolvimento da aqüicultura e recurso pesqueiros no Brasil:
– a definição do ciclo de vida completo de espécies nativas de interesse econômico;
– a avaliação do impacto causado pela introdução de espécies exóticas ou translocação de espécies nativas entre bacias;
– estudos populacionais visando a avaliação de estoques;
– avaliação do impacto da pesca e métodos alternativos de captura;
– manejo pós-despesca;
– eliminação dos pontos de estrangulamento para o cultivo de espécies nativas ou exóticas já instaladas no Brasil;
– enfermidades de organismos aquáticos.

5 – Na avaliação da qualificação dos pesquisadores será considerado, principalmente, a qualidade da produção científica. Serão valorizadas publicações em revistas internacionais de prestígio e ampla circulação. Artigos publicados em revistas de baixa divulgação, revistas editadas pela mesma instituição de afiliação dos autores ou em anais de congressos terão um peso menor.