Conselho aprova o cultivo de tilápia no Tocantins

O Conselho Estadual do Meio Ambiente do Tocantins (Coema-TO) discutiu por dois dias consecutivos e aprovou no dia 29 de junho, por 19 votos contra 2, o cultivo da tilápia no estado, conforme noticiou o portal Piscishow&Avisuleite, do jornalista Antônio Oliveira.

Não é de hoje que esse tema vem gerando polêmica no Tocantins, onde aquicultores há muito articulavam para que a legalidade da introdução desse peixe acontecesse. A aprovação contou com a ajuda da Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR), que expôs ao governador do Tocantins, Marcelo Miranda, projetos de criação de tilápia e produção de alevinos, que a princípio poderiam ser implantados no Lago da Usina do Lajeado.

Para a votação foram apresentados aos 21 participantes da Comissão Técnica do Coema dois posicionamentos: um a favor da manutenção da Resolução 27, que proíbe a criação de espécies exóticas nas bacias tocantinenses que compõem a Bacia Amazônica e, outro, pela permissão de acordo com os condicionamentos ambientais que deverão ser detalhados e apresentados em até 120 dias após a aprovação.

O atual Secretário de Desenvolvimento Rural de Palmas, Roberto Sahium, é totalmente contrário a introdução da tilápia no Tocantins, e classifica o peixe como extremamente predador, capaz de colocar em risco os peixes nativos. Em declaração ao portal, Sahium afirmou que os produtores de tilápia não têm compromisso com o meio ambiente, em especial com a Amazônia, e disse que vai recorrer da decisão do Coema junto aos ministérios públicos estadual, federal, e até no Supremo Federal.

O Ibama e o Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins) atestam que a tilápia já está presente nos rios Tocantins e Araguaia há muitos anos, oriunda de outros estados banhados por estes rios como Goiás e Mato Grosso, que cultivam a tilápia comercialmente. Ainda segundo o portal, para o presidente da Naturatins, Herbert Buti, a proibição da tilápia é incoerente, bastando ver o exemplo do lago da Usina do Estreito, na divisa do Tocantins com o Maranhão. Do lado do Maranhão a espécie é permitida, e do lado do Tocantins, proibida. São as mesmas águas, disse Buti.

Na opinião do chefe-geral da Embrapa Pesca e Aquicultura, Carlos Magno, a decisão do Coema favorável ao cultivo da tilápia é de extrema importância para a piscicultura tocantinense, e pode gerar mais renda ao piscicultor do estado. Além disso, uma piscicultura forte desperta o interesse das fábricas de ração, frigoríficos e de plantas processadoras. E esses investimentos trazem mais conhecimento técnico. “Enfim, todos ganham”, disse ao portal o Carlos Magno. Para produtores e pesquisadores, o Tocantins tem águas de qualidade e temperatura adequada e em melhores condições para a tilapicultura, que estados como Paraná, Mato Grosso e São Paulo, que atualmente são os maiores produtores de tilápia.