Editorial – Edição 100

EditorialJomar

Quero compartilhar com você, leitor, a alegria de chegar a esta edição 100. Esse, no entanto, é o resultado de um esforço coletivo, e essa conquista quero dividir com toda a redação. Obrigado a todos da Panorama da AQÜICULTURA pela dedicação e amor com que fazem o seu trabalho.

Quero agradecer também a todos os nossos grandes colaboradores, que contribuem com seus conhecimentos que, tenho certeza, repercutem muito positivamente no dia-a-dia dos que se dedicam à aqüicultura, seja no campo ou nas universidades. Agradeço também o reconhecimento das empresas patrocinadoras, que compartilham do nosso esforço de transformar em revista as nossas idéias e ideais.

A Panorama da AQÜICULTURA surgiu em 1989, impressa em apenas duas folhas, com o objetivo de ser o veículo comunicador do setor, aglutinando as principais informações da aqüicultura brasileira, que naquele momento ainda procurava formas de se organizar, criando associações e promovendo simpósios e congressos, que precisavam ser divulgados para que atraíssem o maior número possível de interessados em debater os rumos da atividade.
Fazendo uma breve retrospectiva desses anos, vejo que naquela época não sabíamos bem até onde iríamos, mas sabíamos que éramos necessários. Hoje, no momento em que escrevo esse editorial, me dou conta de que além de muito trabalho, tive muitos privilégios como o de publicar muitas importantes manchetes que hoje retratam o crescimento da aqüicultura no Brasil. Cem edições, afinal, já contam uma história.

A Panorama da AQÜICULTURA reportou as grandes transformações dos últimos anos. Nossas páginas acompanharam, por exemplo, o nascimento e o crescimento da indústria brasileira da tilápia cultivada, e inda tivemos o prazer de realizar junto a American Tilapia Association, o 5º ISTA – Simpósio Internacional da Tilápia, que reuniu no Rio de Janeiro os principais especialistas nacionais e internacionais – um verdadeiro marco da atividade no Brasil.

Mais do que simplesmente relatar os fatos mais relevantes como a discussão e divulgação da legislação aqüícola brasileira; os aspectos da introdução e a importância das espécies exóticas na aqüicultura nacional; a cobertura dos caminhos trilhados pela indústria processadora de pescados cultivados; a implantação e o uso dos tanques-rede de pequeno volume; a ocupação pela aqüicultura, das águas públicas da União; a consolidação da malacocultura; a criação da Seap; ou, a trajetória da carcinicultura, a Revista Panorama da AQÜICULTURA procurou antecipar-se a eles, tratando-os com profundidade para poder oferecer sempre informações de qualidade e, sobretudo, idéias para reflexão.

Hoje, se fôssemos enumerar, veríamos que temos muito mais do que 100 motivos para comemorar, sendo o principal deles a credibilidade conquistada.

Pra você, nosso leitor, em suas mãos, a nossa edição 100 e toda a nossa alegria. Esse ganho é de todos nós. A Panorama da AQÜICULTURA nasceu de um sonho e vive de um ideal. Tintim!
Boa leitura,

Jomar Carvalho Filho
Biólogo e Editor