Editorial – Edição 148

Editorial_Jomar_124

Os empreendedores do setor aquícola, dos produtores aos processadores de pescado, passando pelos fornecedores de insumos, de uma forma ou de outra, já perceberam que o aproveitamento integral do pescado pode ser a chave para melhorar a remuneração da cadeia aquícola. Esse é um dos temas dessa edição que trouxemos diretamente do Io SIMBOA, um evento peculiar, realizado em Natal (RN), que deu gosto de estar presente, não só pela qualidade dos pesquisadores e dos trabalhos apresentados, mas também pela diversidade de informações que giraram ao redor das inúmeras moléculas bioativas – proteínas, enzimas, polissacarídeos, entre tantas outras que nem imaginamos, mas que estão presentes no nosso cotidiano. Essa riqueza de produtos tem uma enorme demanda por vários setores da indústria e pode ser extraída das aparas, nadadeiras, carcaças, escamas e peles dos peixes, bem como das cabeças e cascas dos camarões processados. Uma matéria prima que hoje as empresas processadoras pagam caro para que seja jogada no lixo. Enquanto do boi só não se aproveita o berro, do peixe só aproveitamos o filé, desprezando uma matéria prima cuja utilização pode ser determinante para equilibrar as contas do setor produtivo.

Outra boa surpresa desta edição é que será possível conhecer mais de perto o funcionamento do sistema imunológico dos peixes e camarões, em excelente artigo preparado especialmente para os leitores por Fernando Kubitza, sobre os efeitos deletérios das micotoxinas quando presentes em quantidades inadequadas nas rações.

Em nossa matéria de capa temos publicado o artigo de Jesper Heldbo, especialista dinamarquês em sistemas de recirculação para aquicultura (RAS na sigla em inglês). Tive o prazer de conhecê-lo pessoalmente em viagem recente à Dinamarca, e agora ele conta para os leitores da Panorama da AQÜICULTURA como os sistemas de recirculação se integraram ao conceito de Melhor Tecnologia Disponível e impulsionaram a aquicultura de diversos países, onde as dificuldades na obtenção de licenças impediam, nos últimos anos, a produção de pescado pelos métodos tradicionais que tanto conhecemos no Brasil. Em tempo: Jesper Heldbo estará no Brasil para participar do VIII Curso de Sanidade em Piscicultura, que será realizado em Jaboticabal – SP, de 15 a 17 de julho.

Nesta edição o leitor vai se deparar ainda com vários outros temas inovadores, como a vacinação de tilápias, a aquaponia, que retorna às nossas páginas, e muito mais…

A todos uma ótima leitura,

Jomar Carvalho Filho
Biólogo e Editor