Conhecimentos fazem a diferença – Editorial #189

Um produtor, para decidir acertadamente, deve estar bem informado e conhecer de perto os fundamentos que dão suporte a cada fase da sua criação.


Prezado leitor, em suas mãos mais uma edição repleta de novidades e conhecimentos, e junto dela a minha alegria em saber que todos os temas aqui apresentados foram abordados de forma brilhante pelos nossos colaboradores, a quem agradeço e parabenizo por compartilharem suas experiências e conhecimentos.

Mais uma vez o sistema de recirculação é destaque. E, pouco a pouco, deixa de ser uma caixa preta, na medida em que também passa a fazer parte de um número crescente de empreendimentos que o utilizam tanto para produção de formas jovens como para engorda e finalização de peixes e camarões. Mas conduzir um sistema RAS não é tarefa simples. Para o sucesso, é obrigatório que o responsável domine uma base sólida de conhecimentos sobre os processos físicos, químicos e biológicos que acontecem simultaneamente ao longo do cultivo, e é sobre essas interações que Fernando Kubitza vem falando ao longo da sua série de artigos dedicados a este tema. Ainda sobre o RAS, nesta edição, o professor da Esalq/USP Brunno Cerozi faz uma reflexão acerca da sua viabilidade econômica e nos mostra como os ganhos provenientes de uma aquaponia a ele acoplada podem contribuir para sustentar o empreendimento.

O foco na produtividade também levará o leitor ao artigo do experiente Luiz Henrique Peregrino, da AcquaQuantica, que nos mostra como intervenções pontuais num sistema tradicional de berçários podem elevar os ganhos de peso das pós-larvas em até 208%.

E como a saúde financeira de um empreendimento está diretamente ligada à saúde dos animais, o leitor ainda vai encontrar, no relato do professor do Laqua/UEMA e da Universidade do Arizona Thales Andrade, as atualizações sobre a descoberta do PvSV, o vírus que vem afetando economicamente a produção de camarão no país. E, ainda sobre sanidade, o professor Carlos Leal, da Escola de Veterinária da UFMG, aborda um dos temas que mais geram dúvidas e controvérsias entre produtores e técnicos da piscicultura. Em sua coluna nesta edição, Leal responde a uma questão recorrente: afinal, a notificação obrigatória de doenças é um entrave ou uma segurança para a aquicultura? 

E… não acabou! Você vai conhecer em detalhes, como de costume, os números da produção aquícola brasileira recentemente divulgados pelo IBGE, que apontaram para um crescimento de apenas 0,9% no ano passado, com valores mais uma vez bem diferentes daqueles reportados pelo Anuário da PeixeBR.

A todos, uma boa leitura.