Elek Woynarovich (14/11/1915 – 02/10/2011)

A aquicultura mundial perdeu, no dia 2 de outubro de 2011, uma de suas personalidades mais proeminentes. Morreu na Hungria, aos 96 anos, o Dr. Elek Woynarovich.


Por mais de 70 anos, Elek Woynarovich participou intensamente do desenvolvimento da piscicultura ao redor do mundo, tendo contribuído com várias descobertas no campo da propagação artificial dos peixes e da fertilização dos viveiros. Suas pesquisas permitiram, inclusive, a reprodução segura em larga escala do tambaqui, da pirapitinga e do pacu, no Brasil, a partir de 1983. Formado em química e biologia, com doutorado em limnologia, em 1946 o professor Woynarovich já desenvolvia pesquisas científicas no Instituto de Fisiologia de Peixes na Hungria, seu país de origem. De 1956 até 1961 ocupou o cargo de diretor do Instituto Biológico Tihany, da Academia Húngara. Na Universidade de Debrecen foi professor, diretor do Departamento de Zoologia e também vice-reitor, ocasião em que criou, pela primeira vez na Hungria, o curso universitário de hidrobiologia.

Em 1968, quando se aposentou, se deu conta de que a sua trajetória profissional estava ainda muito longe de terminar. Ainda nesse ano, passou a trabalhar para a FAO como especialista em pesca e aquicultura. Viveu no Nepal por seis anos e na Venezuela por três anos e meio, quando retornou à Hungria para exercer o cargo de conselheiro científico até 1980. Como especialista da FAO trabalhou também em Madagascar, Irã, Malásia, Tailândia, Filipinas, Tanzânia, República Central Africana e Zâmbia, contribuindo para que muitos desses países reduzissem a fome e a pobreza através da piscicultura. Nessa mesma época foi também consultor na Grécia, Iraque, Egito e Nigéria pela companhia governamental húngara Agroinvest.

Com seu profundo conhecimento do ambiente aquático, propôs à Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Paraíba – CODEVASF um programa de propagação artificial dos peixes nativos e exóticos, bem como treinamento especializado para téncicos e piscicultores. Assim, com competência e entusiasmo, trabalhou em prol da aquicultura brasileira entre 1983 e 1989, como consultor chefe de um programa da CODEVASF que abrangeu os estados de Minas Gerais, Pernambuco, Sergipe e Alagoas.

Entre 1990 e 2005 a pedido de várias organizações internacionais prestou assessorias técnicas no Brasil, Bolívia e (14/11/1915 – 02/10/2011) Peru, onde trabalhou algumas vezes para FONDEPE (Fondo National de Desarollo Pesquero). Ao longo de sua vida escreveu cerca de 200 artigos acadêmicos e vários livros em húngaro, alemão e inglês. Publicou também em espanhol e português, línguas que já aprendeu adulto, com mais de 60 anos. Habilidoso, ele mesmo ilustrava as suas publicações. Woynarovich foi agraciado com inúmeros prêmios e homenagens, entre eles o de Membro Honorário de World Aquaculture Society (1990); Distinção em Inovação para o Desenvolvimento (IDEA, Estocolmo – 1990); Distinção na pesca húngara (2002); Prêmio Széchenyi (1993); Membro honorário de APISC (Associação de Piscicultores, Brasil -1993); Doutor Honorário nas Universidades de St. Stepan e Debrecen (2003 e 2005); Distinção da Academia de Ciência da Hungria (2005) e, Prêmio de Pesquisa da Universidade St. Stepan (2010).

O professor Woynarovich foi incansável e se manteve em atividade até quase o dia de sua morte. Em todos os lugares onde trabalhou contribuiu para a prosperidade dos piscicultores. Será lembrado eternamente por seus feitos, pela pessoa maravilhosa que foi, pois educou gerações de profissionais, não somente com seus inúmeros conhecimentos técnicos, mas também éticos e, acima de tudo, com seu exemplo de amor e perseverança na pratica da profissão. A piscicultura de água doce no Brasil certamente não seria a mesma sem os preciosos ensinamentos adquiridos com o convívio com esse mestre. A Panorama da AQÜICULTURA teve o privilégio de conviver e publicar alguns dos seus ensinamentos. A redação agradece a Andras Woynarovich (e-mail: [email protected]), um de seus seis filhos, por carinhosamente nos ajudar na elaboração dessa homenagem.

A aquicultura mundial perdeu, no dia 2 de outubro de 2011, uma de suas personalidades mais proeminentes. Morreu na Hungria, aos 96 anos, o Dr. Elek Woynarovich. Elek Woynarovich Os artigos do Dr. Elek Woynarovich publicados na Panorama da AQÜICULTURA podem ser lidos no endereço www.panoramadaaquicultura.com.br/

woynarovich.pdf