Encontro Brasileiro de Patologistas de organismos aquáticos

Doenças emergentes e avanços biotecnológicos na sanidade são discutidos no XIV Enbrapoa


Por:
Ricardo Massato Takemoto 
[email protected]
Universidade Estadual de Maringá
Presidente da Associação Brasileira
de Patologia de Organismos Aquáticos

Entre 22 e 25 de agosto de 2016, a cidade de Florianópolis, SC, foi palco de inúmeras discussões científicas durante o XIV Enbrapoa (Encontro Brasileiro de Patologistas de Organismos Aquáticos). Nesta edição o evento teve como tema central os “Avanços biotecnológicos na sanidade de organismos aquáticos”. Foram abordados os diversos aspectos das enfermidades que acometem os animais aquáticos, principalmente as doenças emergentes, o uso e implementação de medidas profiláticas e terapêuticas, assim como a forma de transmissão das doenças.
Dentro do tema do evento, também foram discutidos os principais avanços no diagnóstico molecular e no melhoramento genético de espécies aquáticas, com a conferência “Aplicação de estudos genômicos e transcriptômicos em sanidade aquícola” proferida pela pesquisadora Evelyne Bachère do IFREMER (Institut Français de Recherche pour l’Exploitation de la Mer, Montpellier, França)

Temas como Cultivo de camarões em bioflocos: implicações na sanidade e imunoestimulação; Estado atual da sanidade nos cultivos de camarões; Enfermidades em bivalves; Diversidade de parasitos de água doce na América do Sul; Doenças emergentes na aquicultura e a pós-graduação no Brasil; Ferramentas biotecnológicas e transgenia de animais aquáticos; Ecotoxicologia e sanidade aquícola; Vibriose AHPND na carcinicultura mundial; Conservação, saúde e biodiversidade de mamíferos marinhos; Panorama das doenças emergentes de anfíbios no Brasil; Biodiversidade, conservação, ecologia e patologia de organismos aquáticos, além do tema Rede Nacional de Laboratórios de Pesca e Aquicultura, do MAPA, foram abordados por diversos pesquisadores de renome nacional e internacional. As publicações na área da sanidade em aquicultura também foram discutidas.

Outro destaque do XIV Enbrapoa foram as visitas técnicas vinculadas aos minicursos, onde os congressistas receberam uma formação teórica sobre o tema escolhido e também tiveram a oportunidade de realizar atividades práticas. Três visitas técnicas permitiram aos participantes conhecer as instalações do Laboratório de Camarões Marinhos (LCM), Laboratório de Imunologia Aplicada à Aquicultura (LIAA) e Laboratório de Biologia e Cultivo de Peixes de Água Doce (LAPAD), todos pertencentes à UFSC.

Participaram desta edição do encontro, pesquisadores e alunos de graduação e pós-graduação de todas as regiões do Brasil e de países como Chile, Peru, Noruega, França e Uruguai. Inúmeros trabalhos foram apresentados na forma oral e painel, e os mais destacados foram premiados.

Evelyne Bachère, pesquisadora sênior do IFREMER (Montpellier, França) 
Evelyne Bachère, pesquisadora sênior do IFREMER (Montpellier, França)

Na ocasião, o XIV Enbrapoa prestou uma homenagem ao Biólogo Alexandre Alter Wainberg, pioneiro no cultivo orgânico de organismos aquáticos no Brasil. A homenagem foi recebida por sua esposa Marcia Kafensztok, sendo organizada pela professora Margherita Anna Barracco, da UFSC, e os biólogos Ana Carolina Guerrelhas da Genearch Aquacultura e Jomar Carvalho Filho, editor da revista Panorama da AQÜICULTURA.

Durante o evento, a ABRAPOA realizou sua assembleia, onde Ricardo Massato Takemoto foi reeleito para presidir a associação no biênio 2017-2018, tendo como vice-presidente Henrique César Pereira Figueiredo. Na assembleia também ficou decidido que a próxima edição em 2018, o XV Enbrapoa será realizado na cidade do Rio de Janeiro (RJ).
Por fim, destacamos que nesta edição do evento, houve uma significativa elevação do nível científico e tecnológico dos trabalhos apresentados, comprovando a evolução que está ocorrendo nos estudos sobre a sanidade e patologia de organismos aquáticos.