Epagri oferece curso de capacitação em maricultura para pessoas em situação de rua

De 14 a 18 de outubro a Epagri vai capacitar 15 moradores de rua de Florianópolis em maricultura. O objetivo é gerar oportunidade de trabalho para pessoas que enfrentam dificuldades de se inserir no mercado. As aulas serão oferecidas na passarela Nego Quirido, onde funciona o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua, o Centro POP, e no Ribeirão da Ilha.

            Os participantes foram previamente selecionados pela prefeitura e vão estudar temas como conceito de maricultura, características do setor em Santa Catarina e anatomia, fisiologia e alimentação de moluscos bivalves. O grupo vai aprender também a parte técnica da atividade de produção, como montagem e manutenção dos artigos de captura dos moluscos.

            “Depois do curso, a probabilidade do morador de rua, então capacitado, ser contratado como freelancer é grande, pois existe falta de mão de obra qualificada na maricultura”, diz o coordenador do curso, extensionista da Epagri em Florianópolis, Philipe Medeiros da Costa. No último dia da capacitação, os moradores vão entregar seus currículos aos maricultores. 

            O curso será ministrado pelo extensionista Philipe e por maricultores da Associação de Maricultores do Sul da Ilha (Amasi). O projeto é parceria das duas entidades com a Superintendência de Pesca, Maricultura e Agricultura da prefeitura de Florianópolis. Os recursos para a capacitação são do Instituto de Geração de Oportunidades de Florianópolis (Igeof).

            Produção – Santa Catarina é responsável por quase toda a produção nacional de mexilhões, ostras e vieiras. De acordo com os dados do Centro de Desenvolvimento em Aquicultura e Pesca (Epagri/Cedap), em 2018 o Estado produziu mais de 14 mil toneladas desses moluscos. Florianópolis participa com uma produção de aproximadamente três toneladas.

Foto Aires Mariga Epagri
Fonte: Secretaria de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural