EPAGRI + UFSC = desenvolvimento

Foto: Unidade de beneficiamento de Moluscos

Extensão Rural e Universidade respondem pelo sucesso da aqüicultura catarinense


Moluscos

Com recursos do MMA- Ministério do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Amazônia Legal, PNMA- Programa Nacional do Meio Ambiente e o PED – Projeto de Execução Descentralizada, foi inaugurada no dia 14/07/98 uma Unidade de Beneficiamento de Moluscos no Município de Bombinhas – SC para atender a uma cooperativa formada por 99 mitilicultores das duas associações locais.

A Unidade tem 320 m2 de área construída e capacidade para processar diariamente 5 toneladas de mexilhões cultivados. Numa primeira fase, ao chegar na Unidade de processamento, os mexilhões sofrem um pré cozimento antes de seguirem em esteiras para serem desconchados manualmente. A carne é então resfriada e embalada, pronta para o consumo. A planta da unidade foi elaborada com a ajuda de técnicos do Ministério da Agricultura e, para funcionar, já dispõe do certificado expedido pelo Serviço de Inspeção Federal – SIF.

Além da Unidade do Município de Bombinhas outras três instalações de beneficiamento estão praticamente prontas e prestes a serem inauguradas nos municípios de Penha, Governador Celso Ramos e Palhoça. O acompanhamento da construção das unidades está sob a responsabilidade da EPAGRI e seu custo unitário aproxima-se dos R$ 300 mil, financiados também pelo PED. As três nova Unidades serão inauguradas antes do final do ano e sua gestão e operacionalização serão também de responsabilidade das associações de maricultores, que já discutem a forma como desejam vê-las administradas, escolhendo entre o sistema de cooperativa, empresa privada ou através da própria associação. Com o funcionamento desses empreendimentos, os mexilhões produzidos na costa catarinense poderão atingir novos mercados, com produtos com origem conhecida e garantia de qualidade. Atualmente, a atividade no Estado de Santa Catarina conta com 799 produtores cadastrados, envolvendo aproximadamente 6.000 pessoas em todo o processo produtivo. A produção de mexilhões no ano de 1997 foi de 6.397.150 kg.

Camarões

Florianópolis inaugurou no último dia 26 de agosto uma Unidade de Formação e Manutenção de Reprodutores de Camarões Marinhos, anexo ao Laboratório de Cultivo de Camarões da UFSC, composta por nove viveiros de terra de 800 m2 e 12 tanques circulares de fibra, com 8,5 m de diâmetro, construídos com recursos do MMA/PNMA/PED numa parceria entre a UFSC, EPAGRI e Prefeitura Municipal de Laguna. O objetivo desse empreendimento é a manutenção de plantéis de reprodutores selecionados, diminuindo a dependência da captura na natureza, assim como a possibilidade de desenvolver pesquisas nas etapas de berçário e engorda.

A EPAGRI e a UFSC iniciaram também em setembro último o projeto “Uso Comercial do Camarão Penaeus vannamei em Pequenas Propriedades do Litoral Sul de Santa Catarina”. O projeto está sendo desenvolvido em três fazendas no município de Laguna, com o objetivo de testar a viabilidade do cultivo desse camarão no Estado. O primeiro povoamento está previsto para o dia 15 de novembro, com pós-larvas oriundas de náuplius provenientes de laboratórios da Venezuela e cultivados no laboratório da UFSC até o estágio PL 20. O mês de setembro foi dedicado ao treinamento dos produtores e dos extensionistas da EPAGRI sobre as técnicas de cultivo dessa espécie e a expectativa é de que se consiga obter 2.000 Kg/ha/ano em dois ciclos; produtividades bastante acima das alcançadas com as espécies nativas.

Está em fase final de implantação uma “Unidade de Gestão Comunitária” da Lagoa Buraco do Noca, município de Laguna. Essa Lagoa possui área de aproximadamente 44 ha, onde serão desenvolvidas ações de manejo dos recursos naturais e aqüicultura, sob a responsabilidade de uma associação de pescadores e da Prefeitura Municipal. A EPAGRI e a UFSC vem desenvolvendo ações de repovoamento de camarões nessa lagoa, onde foram obtidas taxas de recaptura superiores a 30%, motivando a criação dessa unidade, buscando a sustentabilidade de futuros repovoamentos e outra práticas de aquicultura (ostra nativa, cultivos em cercos).

Vieiras

No mês de agosto nove unidades experimentais de cultivo da vieira Nodipecten nodosus foram implantadas pela EPAGRI ao longo do litoral catarinense, com objetivo de verificar a viabilidade técnico-econômica do cultivo dessa espécie e o seu comportamento em diferentes condições ambientais. As sementes foram adquiridas junto ao IED-BIG em Angra dos Reis – RJ e as unidades serão monitoradas durante 12 meses, com a participação das associações de maricultores. Os recursos para execução dos experimentos são oriundos do programa Pronaf-Pesquisa. Para o mês de novembro está prevista também a implantação de cinco unidades experimentais de cultivo da ostra do mangue Crassostrea rhizophorae, numa parceria entre a EPAGRI e UFSC. O objetivo dessa pesquisa é verificar a viabilidade técnico-econômica do cultivo dessa espécie e o seu comportamento em diferentes condições ambientais (lagoas costeiras, baías, mar aberto). Os recursos para execução do projeto também são oriundos do programa Pronaf-Pesquisa.

Rizipiscicultura

Através de projeto desenvolvido com recursos do MMA/PNMA/PED, tendo a EPAGRI como executor técnico, foram adaptados cerca de 750 ha de arrozeiras para a prática da rizipiscicultura, em 46 municípios da região costeira de Santa Catarina. Com o objetivo de processar o pescado oriundo da rizipiscicultura foi inaugurado no dia 25/08/98 um entreposto de pescado no município de Turvo, com área de 746 m2 e capacidade para processar 5.000 ton/dia. O entreposto foi construído em parceria com a Coopersulca, que ficará responsável pela gestão e operacionalização do empreendimento.

A produção da piscicultura em Santa Catarina no ano de 1997 foi de 12.368.933 kg onde 476.400 kg são de peixes de águas frias (trutas) e 11.892.533,00 kg de peixes de águas mornas (principais espécies: carpas, tilápias e bagre africano).