Estiagem no sul do Brasil causa grandes prejuízos aos aqüicultores

Piscicultores do sudoeste do Paraná, oeste de Santa Catarina e noroeste do Rio Grande do Sul, sofreram muito com a grande estiagem dos últimos meses. A seca que foi considerada a pior dos últimos 40 anos, diminuiu os cursos d’água, comprometendo a sobrevivência dos peixes no sul do país. Só no Rio Grande do Sul, que produz aproximadamente 25 mil toneladas/ano de peixes cultivados, estima-se que 5 mil aqüicultores tenham sido afetados pela seca, o que provocará uma redução de 45% na produção. No Paraná, a região mais atingida foi a sudoeste, que concentra 51% da produção do estado, e que representa 16 mil toneladas/ano.

Para que pudessem evitar maiores prejuízos, os piscicultores tiveram que antecipar suas despescas. Também o povoamento dos viveiros e dos açudes foi suspenso, comprometendo a reprodução dos peixes. Diante do transtorno, produtores e entidades ligadas ao setor se reuniram para elaborar um relatório sobre a real situação dos piscicultores. O documento propõe medidas como maior oferta de crédito para piscicultores e pescadores, o parcelamento e a prorrogação de dívidas para a safra 2005/06 e, a criação de um fundo de amparo para quem não obteve crédito bancário. Sugere ainda a criação de um seguro para os pescadores artesanais e a criação de um grupo de trabalho que estude antecipadamente os impactos da estiagem na aqüicultura, e a modernização da cadeia produtiva da piscicultura. O relatório já foi entregue à Casa Civil e à comissão de Defesa Civil do Ministério da Integração Nacional.