Fazenda de Camarão Orgânico lança Consórcio de Exportação

Embora inicialmente focada no mercado brasileiro, a Primar, empresa pioneira na produção de camarões orgânicos no Brasil, deverá efetuar ainda este ano, a sua primeira exportação para Alemanha. A produção orgânica se caracteriza por gerar alimentos sem conservantes, produtos químicos, antibióticos ou transgênicos, padrão adotado nos viveiros de engorda de camarão da Primar, e que vem conquistando cada vez mais consumidores no Brasil. Segundo Alexandre Wainberg, proprietário da empresa, o adicional de preço alcançado pelo camarão orgânico em relação aos demais camarões tem sido de 100% para o mercado brasileiro e será de 60% para a Alemanha.

Os esforços comerciais para o lançamento do camarão orgânico da Primar tiveram início em junho deste ano, com foco para o mercado brasileiro. Atualmente, o produto já está presente nos mercados de São Paulo e Rio de Janeiro e em implantação em outros estados. Além do camarão, a fazenda também cultiva comercialmente ostras orgânicas em policultivo.

A demanda por frutos do mar orgânicos no mercado internacional é grande, e, para atender esse setor em franca expansão, ganhar escala e aumentar a competitividade, a Primar partiu para reunir produtores e prepará-los para que se iniciem nas práticas da produção orgânica. A idéia de Wainberg é criar um consórcio de exportação onde o consorciado possa exportar sua produção de forma transparente e lucrativa, com um padrão de qualidade e marca únicos.

Para Wainberg, o consórcio de exportação é uma saída viável para os pequenos e médios produtores atuarem diretamente na exportação, com a redução dos custos através de despesas compartilhadas. Entre as vantagens, o produtor enumera a ampliação da escala de produção, a absorção de novas e valiosas tecnologias de produção, a redução das flutuações sazonais nas vendas, o aprimoramento do processo de gestão e produção, e o aumento da competitividade perante os concorrentes. “Juntos, utilizando uma marca forte com tradição no setor, poderemos dispor de uma maior facilidade de acesso ao crédito para exportação e produção e, de um maior poder de negociação de preços e prazos junto aos fornecedores”, diz Wainberg. www.primarorganica.com.br/