Saiu os números da aquicultura brasileira em 2019

O IBGE divulgou em outubro o perfil da produção aquícola de 2019. Os resultados são extraídos da Pesquisa Pecuária Municipal (PPM) que o órgão realiza anualmente. A produção de peixes, de 529,6 mil toneladas, teve um aumento de 1,74% em relação ao ano anterior, e foi avaliada em R$ 3,45 bilhões. A produção de camarão cresceu 18,7% e totalizou 54,3 mil toneladas, avaliadas em R$ 1,18 bilhão, um valor 7,3% superior ao gerado em 2018. A criação de moluscos somou 15,2 mil toneladas avaliadas em R$ 69, milhões, registrando um aumento de 7,14% no volume e 16,2% no valor da produção. 

Ao todo, em 2019, a aquicultura brasileira produziu 599 mil toneladas de pescado, avaliadas em R$ 4,7 bilhões, um aumento de 2,6% em volume e 5% em valor, se comparado ao ano de 2018 (Tabela 1).

Os números encontrados pelo IBGE para a produção de peixes em 2019 divergem de forma significativa dos números divulgados pela PEIXE BR no início do ano. Segundo essa associação, em 2019 o país produziu 758 mil toneladas de peixes, um valor 43,2% maior que as 529 mil toneladas apuradas pelo IBGE. Da mesma forma, os números da produção de camarão apurados pelo IBGE (54,3 mil toneladas) são bem menores que os divulgados pela ABCC (90 mil toneladas). 

Por:
Jomar Carvalho Filho
Revista Panorama da AQÜICULTURA
[email protected]


Alevinos, Pós-larvas e Sementes

As instalações que produzem as formas jovens, ou seja, os alevinos de peixes, pós-larvas de camarão e as sementes de moluscos, movimentaram 450 milhões de reais em 2019, um valor 6,76% maior do que foi apurado em 2018 (Tabela 2).

Tabela 1. Produção aquícola brasileira em 2019 - piscicultura, carcinicultura e malacocultura, e a variação do crescimento em relação a 2018
Tabela 1. Produção aquícola brasileira em 2019 – piscicultura, carcinicultura
e malacocultura, e a variação do crescimento em relação a 2018
Tabela 2. Produção de pós-larvas de camarão, alevinos e sementes de moluscos em 2019 e a variação (%) do crescimento em relação a 2018
Tabela 2. Produção de pós-larvas de camarão, alevinos e sementes de moluscos em 2019 e a variação (%) do crescimento em relação a 2018

Segundo o IBGE, em 2019 foram produzidas 11,9 bilhões de pós-larvas do camarão vannamei, uma redução de 0,98% em relação a 2018, que foram avaliadas em R$ 151,5 milhões, um aumento de 8%. 

A produção de alevinos para dar suporte a piscicultura de peixes de água doce foi de 1,34 bilhões de unidades, superando em 6,88% a marca de 2018, e movimentou R$ 297 milhões, um aumento de  6,19%.

No que se refere a produção de sementes de moluscos – ostra, mexilhão e vieira -, em 2019 foram produzidas 46,1 milhões de unidades, 0,44% a mais que em 2018, movimentando R$ 1,5 milhões, uma queda de 1,8%. 

A produção de peixes em 2019

Segundo o IBGE, a produção total de peixes para consumo em 2019 foi de 529 mil toneladas (Tabela 3), um volume 1,74% superior ao apurado em 2018. Neste cenário a tilápia se manteve como a espécie mais cultivada, tendo sido despescadas 323,7 mil toneladas, um aumento de 3,47%. No total, a produção de tilápia representou 61,12% da produção nacional de peixes. 

Tabela 3. Produção dos principais peixes em 2019 e a variação do crescimento em relação a 2018
Tabela 3. Produção dos principais peixes em 2019 e
a variação do crescimento em relação a 2018

O tambaqui se manteve como a segunda espécie de peixe mais cultivada no país. Em 2019, 101 mil toneladas desse peixe foram abatidas, um volume que, mesmo 1,44% menor que o apurado em 2018 (102,5 mil toneladas), representou 19,09% da produção nacional. 

A soma da produção dos peixes redondos, representado pelo tambaqui, pacu, pirapitinga e seus híbridos, foi de 154  mil toneladas, uma redução de 1,5% na produção de redondos, em relação ao ano anterior.

Além do tambaqui, outros peixes também tiveram seus volumes de produção reduzidos em relação a 2019. São eles: tambacu e a tambatinga (-2,10%), pacu e patinga (-0,26%), pintado, cachara e híbridos (-5,1%), jatuarana, piabanha e piracanjuba (-2,34%), e piau, piapara, piauçu e piava (-0,78%).

Além da tilápia, as espécies cuja produção tiveram crescimento que chamaram a atenção foram:  lambari (10,91%), traíra e trairão (19,53%) e tucunaré (39,39%) .  

Entre os estados, o Paraná liderou a produção de peixes ao despescar 126,6 mil toneladas, um crescimento de 4,39% (Tabela 4). Em 2019, a parcela de participação da piscicultura paranaense no cenário nacional foi de 23,1%. Apesar de ter produzido 1,37% a menos que no ano anterior, São Paulo, também impulsionado pela tilápia, ocupa a segunda posição no ranking nacional com 50,8 mil toneladas de peixes. O Estado de Rondônia, mesmo com uma produção 2,82% menor que a do ano anterior, manteve a terceira colocação no ranking dos estados, ao despescar 48,7 mil toneladas em 2019. Minas Gerais, cuja produção cresceu 2,27%, ocupou a quarta posição com 36,2 mil toneladas. Mato Grosso, mesmo com crescimento estagnado com relação a 2018 (0,04%), ocupou a quinta posição com 33,9 mil toneladas.

Tabela 4. Produção de pescado por Estado em 2019 e a variação da produção em relação ao ano de 2018
Tabela 4. Produção de pescado por Estado em 2019 e
a variação da produção em relação ao ano de 2018

No cenário dos estados, chama a atenção as quedas de 47,24% na produção de peixes no Ceará, estado que já ocupou a liderança nacional, explorando a tilapicultura no açude do Castanhão.

Tilapicultura 

Em 2019 o cultivo da tilápia esteve presente em 2.489 (44,7%) dos 5.570 municípios brasileiros Com a exceção do Amazonas, Roraima e Rondônia, a tilapicultura foi apurada em todos os demais estados e Distrito Federal, de onde foram despescadas 323,7 mil toneladas desse peixe. O Paraná, com sua expressiva produção de 120,5 mil toneladas, é responsável por 37,2% da produção nacional de tilápia, e 22,7% do total da piscicultura nacional. O Paraná lidera o ranking dos estados produtores, seguido de São Paulo (45.5 mil t), Minas gerais (34 mil t), Santa Catarina (25,1 mil t) e Pernambuco (19,8 mil t) (Tabela 5)

Tabela 5. Ranking dos dez municípios que
mais produziram tilápias em 2019

Entre os dez municípios que mais produziram a tilápia em 2019, cinco se encontram no Estado do Paraná e, como no ano anterior, o município de Nova Aurora (PR) foi o recordista da produção, seguido de Morada Nova de Minas (MG).

Tambaqui

Com 101 mil toneladas produzidas em 2019, o tambaqui segue sendo a segunda espécie de peixe mais cultivada no Brasil, porém com um volume 1,44% menor que o produzido em 2018. O Estado de Rondônia lidera o ranking com 40,1 mil toneladas. (Tabela 6)

Tabela 6. Ranking dos dez estados que mais produziram tambaqui em 2019
Tabela 6. Ranking dos dez estados que mais produziram tambaqui em 2019

Carcinicultura 

A carcinicultura está presente em 169 municípios brasileiros. Segundo o IBGE, a produção de camarão em 2019 foi de 54,3 mil toneladas, um crescimento de 18,77%. A liderança da produção se manteve com o Estado do Rio Grande do Norte, cuja produção (20,7 mil toneladas) aumentou 5,15%. O Ceará, mesmo registrando um crescimento expressivo de  28,1%, se manteve como o segundo maior produtor, com 16,7 mil toneladas. O ranking dos estados pode ser observado na  Tabela 7 e o ranking dos 10 municípios que mais produziram camarão estão na Tabela 8. 

Tabela 7.  Produção de camarão em todos os estados que produziram em 2019 e crescimento (%) em relação a 2018
Tabela 7. Produção de camarão em todos os estados que
produziram em 2019 e crescimento (%) em relação a 2018
 Tabela 8. Ranking dos dez municípios brasileiros que mais produziram camarão em 2019
Tabela 8. Ranking dos dez municípios brasileiros
que mais produziram camarão em 2019

Mexilhões, Ostras e Vieiras 

Em 2019, a criação de moluscos (malacocultura) foi praticada em dez estados litorâneos brasileiros. O volume produzido alcançou as 15,2 mil toneladas, avaliadas em R$ 69,3 milhões, um aumento de 7,14% no volume e 16,2% no valor. Ainda assim os produtores se mantêm distantes das 21 mil toneladas, valor médio do volume que produziam entre 2013 e 2017. O Estado de Santa Catarina é, de longe, o principal polo produtor. As 14,8 mil toneladas que o estado produziu em 2019, representam 97,3% do total produzido no país. (Tabela 9).

Tabela 9. Ranking dos estados produtores de moluscos em 2019 e crescimento (%) em relação a 2018
Tabela 9. Ranking dos estados produtores de moluscos em 2019
e crescimento (%) em relação a 2018

A atividade ocorre em 44 municípios litorâneos. O município catarinense de Palhoça foi responsável pela produção de 8,8 mil toneladas, representando sozinho 57,8% da produção nacional. O ranking com os dez municípios que mais produziram pode ser visto na Tabela 10.

Tabela 10. Ranking dos dez municípios brasileiros que mais produziram moluscos em 2019
Tabela 10. Ranking dos dez municípios brasileiros
que mais produziram moluscos em 2019