Informe empresarial – edição 76

Um moderno instrumental genético no melhoramento e na rastreabilidade de tilápias nilóticas


Na última década, o Brasil deu um grande salto no cultivo de tilápias, especialmente as nilóticas de coloração cinza. Estima-se que, em somente 6 ou 7 anos, o impacto deste crescimento foi tão grande na aqüicultura brasileira, que a tilapicultura passou de 17% do total de organismos aquáticos cultivados para cerca de 40%. Grande parte deste fenômeno se deveu a introdução em 1996 de uma nova população desse peixe no Brasil, a tilápia Chitralada, também conhecida como Tailandesa. Agora existe uma grande possibilidade de estarmos próximos a outro grande salto, com a recente introdução em 2002 da população GST (GenoMar Supreme Tilapia), da empresa norueguesa GenoMar, que trabalha com seleção e melhoramento genético de peixes, sendo a principal empresa deste segmento no mundo, com filiais em diversos países onde também trabalha com salmões, linguados, bacalhau e tilápias.

A população GST é produto do maior, mais caro e mais longo programa de melhoramento genético de tilápias, o Genetic Improved Farmed Tilapia (GIFT), que foi executado nas Filipinas desde o final dos anos 80 até o final da década de 90, num consórcio das Nações Unidas, do Banco de Desenvolvimento Asiático, e diversas instituições de ensino e pesquisa do Sudoeste Asiático. Este programa milionário gerou a população de tilápias conhecida como GIFT. A cada geração de 9 meses produzida neste programa, o ganho em velocidade de peso varia entre 5 e 15% (média histórica de 10%). Até a quinta geração (G5) a população GIFT foi distribuída gratuitamente no Sudoeste Asiático e, comparações realizadas no AIT não demonstravam diferenças significativas entre as populações de Chitralada e GIFT. No final da década passada, com a finalização do programa, a GenoMar adquiriu todos os direitos de comercialização dos produtos gerados pelo programa, bem como de todo o material genético produzido (pós-G10). A partir deste momento, a população melhorada GIFT passou a se chamar mundialmente GenoMar Supreme Tilapia ou GST. Hoje já está sendo produzida pela GenoMar a G14, porém, testes realizados com as G11 e G12 contra a Chitralada Tailandesa e outras populações de nilóticas selecionadas, apresentaram ganhos de peso de 30 até 80% superiores em favor da GST, dependendo, é claro, das condições ambientais testadas. Foram realizados testes na China, Tailândia, Filipinas, Brasil, Equador e Coréia do Sul.

Estes excelentes resultados se devem às grandes inovações introduzidas pela GenoMar no antigo programa GIFT. Destaca-se, por exemplo, a marcação dos animais através do seu próprio DNA. Nesta técnica, as tilápias são identificadas pelo seu DNA para se saber quem são seus pais (também previamente identificados) e a que número de família ou linhagem pertencem, podendo, desta forma, serem cultivadas e selecionadas em ambiente comum, nadando livremente num mesmo viveiro. Isto elimina os erros mais comuns de seleção (efeitos ambientais). Para facilitar esta identificação, foi desenvolvido, em parceria com as gigantescas IBM e Motorola, um software e um chip que identificam imediatamente os animais a partir do DNA.

Da mesma forma que se identifica um reprodutor pelo DNA, se pode utilizar estes equipamentos para a fazer a rastreabilidade da tilápia ao longo da cadeia produtiva, desde ovo até o mercado (por exemplo, ou numa tábua de sachimi de um restaurante Japonês em Nova Iorque). É só usar o chip e o leitor ótico da Motorola para “ler” o DNA do pescado no restaurante, e a resposta será quase que imediata se aquele filé é de uma verdadeira GST, e, em caso positivo, se pode rastrear toda a cadeia produtiva desde a larvicultura (por exemplo, no Brasil), passando pelo produtor, processador, exportador, etc…

Além disso, a empresa recentemente finalizou o mapeamento dos genes de maior importância da GST, havendo já identificado as funções de diversos genes, o que acelerará ainda mais o processo de melhoramento. Estão sendo estudados os genes de resistência ao frio, salinidades elevadas, velocidade de crescimento, qualidade de carcaça (percentagem de filés), dentre vários outros de grande importância econômica. A seleção genética na maioria das linhagens é baseada principalmente em velocidade de crescimento e rendimento de carcaça. Espera-se que toda esta tecnologia ajude o Brasil, como nos demais países onde a GST já é um sucesso, a se tornar um dos principais produtores de tilápia do mundo.

No Brasil, a GenoMar trabalha com a Piscicultura Aquabel, que possui os direitos de explorar comercial e exclusivamente esta nova população. Para saber mais detalhes, visite os sites www.genomar.com, www.supremetilapia.com e www.aquabel.com.br (neste último, entre no link genética).