Informe Publicitário

Recolast e Castangnolli se unem e lançam Fábrica de Peixes


Nas duas últimas décadas, o uso de diferentes sistemas intensivos de produção têm sido responsáveis pela grande transformação pela qual a aqüicultura vem passando. Exemplo disso é a produção de carpa comum, que cultivada em sistema tradicional, dobrou entre 1984 e 1993, e a produção de salmão, que cultivado em sistema intensivo no mesmo período, foi multiplicada por 11,3 vezes, segundo dados da FAO, 1994. É mais do que sabido que a aqüicultura é a atividade produtora de alimentos que mais cresce no mundo, proporcionalmente à preocupação mundial com a manutenção da qualidade das águas. Esse extraordinário crescimento da atividade, traz consigo a preocupação com a sua sustentabilidade, fundamentada na fragilidade do ecossistema global, considerando-se as limitações de disponibilidade de água de boa qualidade para manter as altas cifras de produção. Além disso, tendo em vista o grande consumo de rações necessário a este crescimento da produção mundial, acredita-se que o meio ambiente deverá receber anualmente cerca 40 a 50 milhões de toneladas de resíduos orgânicos considerando-se que, em média, quase 0,5 kg de resíduos sólidos (fezes) são produzidos por cada quilo de ração ingerida pelos peixes.


A criação de peixes pode ser praticada de diversas maneiras: em tanques-rede, onde é grande a eutrofização do ambiente onde estão instalados (mares ou grandes reservatórios), sistemas com intenso fluxo, quando se dispõe de água abundante e, em viveiros tradicionais. Porém, o sistema que tende a se desenvolver mais em todo mundo por garantir maior sustentabilidade com economia e manter a boa qualidade da água e do ecossistema é o de recirculação e filtragem da água, acoplado a processos de eliminação de amônia, principal resíduo do catabolismo protéico dos peixes.

Esses sistemas intensivos permitem a montagem de unidades de produção em locais próximos aos grandes centros de consumo, uma vez que as áreas requeridas são significativamente menores além de permitirem que a água seja reaproveitada após a biofiltração em um sistema fechado. Desta forma, verdadeiras linhas de montagem de peixes podem ser implantadas em regiões mais próximas aos centros urbanos com a vantagem de se poder diminuir os custos relativos de produção ao eliminar as despesas e o tempo gasto com transporte, viabilizando e difundindo o consumo de peixes em diferentes camadas sociais e econômicas da população.

Fábrica de peixes

Foi pensando numa alternativa, especialmente para as regiões metropolitanas e seu entorno, que a Recolast Aqüicultura e a Castagnolli Aqüicultura, decidiram juntar esforços criando soluções para o cultivo de peixes onde a água e o solo são recursos escassos. Juntas, as empresas oferecem ao mercado a “Fábrica e Peixes”, um sistema completo para criação intensiva de peixes, projetado para funcionar em local reduzido, com baixo consumo de água, energia e mão de obra.

A “Fábrica de Peixes” cuja estrutura modular e dimensionamento poderá ser adequada a cada condição em particular pode ser instalada de forma a proporcionar altas produtividades de pescado de boa qualidade, sem poluir o ambiente, uma vez que os resíduos dessa produção poderão ainda ser aproveitados como fertilizantes orgânicos para a produção de frutas, legumes e flores.

A Recolast (11-6950-9003) e a Castagnolli (16-322-1361) acreditam que o sistema poderá significar a viabilidade econômica de inúmeras pequenas propriedades acompanhando o início da era da industrialização da aqüicultura brasileira. Entre as principais vantagens enumeradas pelos fabricantes, além da garantia de uma maior produção, destacam-se a dispensa de qualquer construção ou fundação e o fato de ser totalmente remontável, além disso, permite o fácil controle e prevenção de doenças, além de não necessitar de estar próximo a mananciais e não poluir o meio ambiente.

As empresas oferecem no mercado ainda, o produto “Fábrica de Rã”, própria para cultivo intensivo de rãs em tanque de fácil higienação e de total controle da temperatura da água, com capacidade de produção de 200 quilos de rãs por mês/módulo. Segundo a Recolast, a “Fábrica de Rã” é de custo três vezes inferior ao de alvenaria e possui longa vida útil além de ser, como a Fábrica de Peixes, um sistema 100% financiável (Finame e Proagro). Os produtos vêm acompanhados de manual para montagem e fita de vídeo demonstrativa.