Lançamentos Editoriais – Edição 105

Contribuição ao conhecimento do Surubim

LivroSURUBIM

O escritor iguaçuense Ezídio Oro Junior, biólogo, professor e especialista em tratamento de água e efluentes, aborda as características do pintado P. corruscans e do cachara P. fasciatum com uma linguagem bastante acessível para leigos. Com o apoio cultural da Itaipu Binacional, o livro pretende contribuir para o conhecimento sobre essa espécie nativa que não se adaptou ao reservatório, mas que tem grande valor de mercado e que se adapta perfeitamente ao cultivo em tanques-redes, ação que a Itaipu vem desenvolvendo com os pequenos produtores. Em um dos capítulos, Ezídio trata sobre o programa da Usina Hidrelétrica de Itaipu Binacional, “Cultivando Água Boa”, que atende municípios que compõem a Bacia Hidrográfica do Rio Paraná, cuidando não só da qualidade da água, mas também da erosão ao longo do lago. Entre outros temas pertinentes, a publicação de 354 páginas, divididas em oito capítulos, trata superficialmente da biologia e da anatomia do surubim; dieta natural; doenças e nutrição; projetos de cultivos intensivos em tanques-rede e em tanques de fibra de vidro. Todo o livro é feito com mão-de-obra iguaçuense, desde a imagem da capa – uma foto do Porto União das Cataratas, hoje, Garganta do Diabo – até a impressão em papel reciclável. A Fundação Cultural de Foz do Iguaçu e a Prefeitura Municipal de Curitiba também são apoiadoras da publicação. Custa: R$ 32,00. Os interessados podem solicitar o livro através do e-mail: [email protected]


Manual de Procedimento para Implantação de Estabelecimento Industrial de Pescado

LivroManual

Este manual foi concebido com o objetivo de atender as necessidades dos setores produtivos, especialmente os voltados ao processamento industrial do pescado, que careciam de uma orientação pertinente às condições da infra-estrutura das unidades industriais, em termos de dependências, instalações e equipamentos, que garantissem a qualidade do produto a ser levado à mesa do consumidor. Assim sendo, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA e a Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca – SEAP, com base no termo de Cooperação Técnica, firmado em agosto de 2005, reuniram uma equipe de profissionais especializados, a fim de dar um passo significativo que servirá de orientação para a implantação de estabelecimentos industriais de pescado voltados ao beneficiamento de produtos frescos e congelados.

A publicação pretende auxiliar os interessados quanto a implantação de estabelecimentos dentro das exigências mínimas para atender plenamente a legislação vigente. Seu conteúdo vai orientar quanto a redução de perdas de matéria-prima e produtos, pela racionalidade do uso da infra-estrutura e dos equipamentos a serem utilizados. Servirá também para apontar os caminhos para a obtenção de maior lucratividade para o usuário, evitando-se a ociosidade, especialmente na operacionalidade do setor de frio industrial; esclarecerá quanto a uniformidade nos critérios exigidos pelos órgãos oficiais de inspeção, ou pelo setor privado, na conquista de uma maior competitividade nos mercados nacional e internacional.
Ao disponibilizar este manual, o MAPA e a SEAP cumprem o papel de agente orientador de uma atividade que, sem dúvida, tende a crescer cada vez mais, principalmente, quando se trata dos produtos de aqüicultura, em benefício do consumidor. A intenção final é possibilitar uma oferta de alimentos que tenham uma produtividade maior e que estejam com a sua qualidade assegurada, tendo em vista tratar-se de um pré-requisito básico para a implementação do Sistema de Análises de Perigos e Pontos Críticos de Controle – APPCC.


Aqüicultura no Brasil: o desafio é crescer

Livro_Sistemas

Pesquisadores de seis estados do Brasil participaram da publicação “Sistemas de cultivos aqüícolas na zona costeira do Brasil: recursos, tecnologias, aspectos ambientais e sócio-econômicos”, resultado final do programa Institutos do Milênio, que contou com o patrocínio do MCT/PADCT/CNPq. O Instituto do Milênio contemplou a formação de uma rede de pesquisadores dedicados ao estudo do Uso e Apropriação de Recursos Costeiros (RECOS). A maricultura constitui um exemplo claro de uso e apropriação de um recurso costeiro, portanto, um bem e serviço natural de domínio público. Visando o estudo da apropriação deste bem natural foi constituído, no âmbito do projeto RECOS, o Grupo Temático “Maricultura Sustentável”, o qual abordou diferentes aspectos que condicionam a sustentabilidade das práticas de cultivo marinho. Em suas 316 páginas, são apresentados os principais resultados deste Grupo Temático.

A obra, organizada pelos Profs. Gilberto F. Barroso (UFES), Luis H. Poersch (UERGS e FURG) e Ronaldo O. Cavalli (UFRPE), foi publicada no final de 2007 pelo Museu Nacional da UFRJ. A publicação pode ser baixada gratuitamente (o arquivo tem tamanho de 12,2 Mb) pela Internet no endereço: http://www.mileniodomar.org.br/documentos/maricultura_final.pdf