Lançamentos Editoriais

Manuais e cursos on-line reúnem informações de qualidade sobre as boas práticas de transporte, cultivo e abate

Professor da Escola de Ciências Agrárias, Inovação e Negócios (Esan) da Universidade de Passo Fundo (UPF), Leonardo Barcellos prestou consultoria ano passado em um projeto sobre bem-estar de peixes de cultivo realizado em parceria pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) com o Instituto Interamericano de Cooperación para la Agricultura (IICA). A boa notícia é que os frutos desse trabalho já estão ao alcance dos interessados: são três cursos on-line, de 10 horas cada, com acesso gratuito em https://elearning.iica.int/; e três manuais abordando os temas de cada curso. Seguem os resumos dos manuais, que podem ser baixados em https://rb.gy/fygrj


Manual de abate humanitário de peixes

Cada vez mais os consumidores conscientes querem saber se a carne que consomem foi produzida com ética e respeito aos animais de criação. Apesar de as normas vigentes no Brasil para o abate de animais para açougue não contemplarem os peixes, é consenso entre os cientistas que esses animais têm sensações e emoções associadas a prazer e sofrimento. Portanto, torna-se uma exigência ética garantir saúde e bem-estar a eles tanto no processo de cultivo quanto no abate. Em suas 54 páginas, o manual aborda os modos corretos de se conduzir esses animais ao abate e analisa cada um dos métodos habitualmente utilizados, mostrando quais impõem maior sofrimento – e deveriam ser evitados – e quais estão mais próximos do que reconhece como “abate humanitário”.

Leia também: Programas de vacinação na tilapicultura nacional: do zero à automação em uma década


Manual de boas práticas no transporte de peixes

Antes do abate, tem o transporte dos animais ainda vivos, o que envolve uma série de ações e movimentos que podem ser extremamente estressantes para os bichinhos. Quando as recomendações técnicas para esses procedimentos são corretamente aplicadas, consegue-se não somente promover o bem-estar dos peixes como também garantir que a qualidade final da carne será muito melhor – logo, ganham todos. São essas recomendações, envolvendo as etapas de despesca e transporte, que o professor Leonardo Barcellos expõe e detalha no segundo manual da série, com 69 páginas.

Leia também: Plano de produção e dimensionamentos essenciais de um SRA


Manual de boas práticas na criação de peixes de cultivo

O terceiro livro é o mais robusto deles – tem 170 páginas – e sua abordagem vai além da questão estrita do bem-estar, enveredando também por outros assuntos que acabam influindo nisso. Barcellos dedica capítulos à sanidade em peixes, fisiologia básica dos peixes aplicada à piscicultura, qualidade da água para as principais espécies cultivadas, instalações para piscicultura e nutrição e manejo alimentar. São ensinamentos fundamentais para uma aquicultura que quer conquistar o consumidor cada vez mais interessado na história dos alimentos que chegam em seu prato.

Leia também: Invasoras, Casuais ou Naturalizadas? Buscando uma classificação científica para as tilápias