Lançamentos Editoriais – Edição 89

 

LivroMacrofitas

Ecologia e Manejo de Macrófitas Aquáticas

Os estudos sobre macrófitas aquáticas aumentaram consideravelmente no Brasil a partir de 1980. Essa comunidade apresenta reconhecida importância ecológica, mas, em determinadas situações em que seu crescimento é acelerado, pode provocar sérios prejuízos aos usos múltiplos dos ecossistemas aquáticos. No presente livro, de autoria de Sidinei Magela Thomaz e Luis Mauricio Bini, são apresentadas as contribuições do I Workshop sobre Ecologia e Manejo de Macrófitas Aquáticas, realizado na Universidade Estadual de Maringá, em 2000. Os capítulos, escritos por alguns dos maiores especialistas no assunto, tratam de diversos aspectos desta comunidade, tais como sistemática, distribuição, ecologia e possibilidades de manejo. Em geral, as contribuições são compostas de revisões, sendo ilustradas com exemplos da vegetação tropical, com ênfase em trabalhos realizados em ecossistemas brasileiros. Este aspecto confere uma grande importância à obra, pois a maioria da literatura estrangeira sobre macrófitas aborda apenas superficialmente os trabalhos gerados em regiões tropicais. A diversidade de temas e o caráter sintético dos capítulos fazem com que este livro seja indicado para alunos de graduação, pós-graduação e pesquisadores interessados em macrófitas aquáticas, e para técnicos ambientais com interesse no manejo desta vegetação. Além de ser considerada uma obra de referência para aqueles que iniciam seus estudos sobre a vegetação aquática, o presente livro estimula o uso de novas abordagens e o avanço dos estudos sobre esta fascinante comunidade. Os interessados no livro devem entrar em contato pelo e-mail: [email protected]


LivropisciculturaSustentave

Piscicultura Sustentável na
Amazônia Perguntas e Respostas

A diminuição da qualidade e do tamanho do pescado em função da crescente pressão sobre os estoques pesqueiros naturais na Amazônia, favorece o aumento do preço dos peixes, o que incentiva o número de interessados na piscicultura como alternativa econômica para a produção de proteína de origem animal, despertando o interesse de produtores particulares, dos empresários e governo. Como a média de consumo na região amazônica é de 44 quilos per capita/ano, a piscicultura surge como alternativa para suprir esta demanda e atender as necessidades das comunidades. Assim sendo, o livro escrito por Raimundo Aderson Lobão de Souza, biólogo e professor adjunto da Universidade Federal Rural da Amazônia – UFRA, procura responder de forma simples e ilustrada, as dúvidas dos leitores e produtores interessados sobre as diversas abordagens sobre a piscicultura, uma atividade econômica emergente nessa região. De forma prática e aplicada, o livro aborda as múltiplas facetas que envolvem toda a cadeia produtiva na Amazônia, respondendo com embasamento teórico e prático, as principais questões referentes a todos os aspectos da criação de peixes. A linguagem bastante acessível, trata de temas diversos. Piscicultura Sustentável na Amazônia – Perguntas e Respostas é dirigido aos pequenos, médios e grandes produtores, e objetiva minimizar um dos entraves da piscicultura na Amazônia.


LivroTecnologiaProcessament

Tecnologia para processamento das peles de peixe

Para dar suporte a um projeto da Universidade Estadual de Maringá (UEM), que tem como objetivo aproveitar peles de peixes provenientes dos resíduos de filetagem dos pesque-pague e aqüicultores da região, a reitoria da universidade viabilizou junto à EDUEM – Editora da Universidade de Maringá, o manual “Tecnologia para processamento das peles de peixe”. De acordo com Maria Luiza Rodrigues de Souza, professora do Departamento de Zootecnia da Universidade Estadual de Maringá e autora desse manual, são poucos os trabalhos científicos a respeito da qualidade das peles. Dessa forma, o lançamento desse livro, que será utilizado como material didático, colaborará sobremaneira para a divulgação das tecnologias de aproveitamento de subprodutos de pescado, principalmente de peles de peixes, que, inclusive já vêm sendo repassadas para a comunidade, possibilitando uma renda extra ao setor. A UEM em conjunto com a UNESP de Jaboticabal e a Uniderp de Campo Grande (MS), já vem realizando trabalhos científicos na área de peles de peixes, que incluem testes de resistência dos couros de diversas espécies com potencial para a indústria coureira. O manual é divido em capítulos que abrangem técnicas de curtimento simples e ecológicas, bem como os equipamentos necessários para o curtimento das peles dos peixes. Os interessados no livro, que pode ser adquirido com algumas amostras de peles de peixes curtidas, devem entrar em contato pelo e-mail: [email protected]