Lançamentos Editoriais – Edição 122

Casos de sucesso da aquicultura no Brasil

livro

“Casos de sucesso da aquicultura no Brasil”, editado pelo Ministério da Pesca e Aquicultura, relata diferentes fatos e conquistas da aquicultura nacional, apresentando nove casos de sucesso que demonstram a importância da aquicultura brasileira. O capítulo 1, que trata do sucesso do “Cultivo comunitário de Camarão no Rio Grande do Norte” traz a experiência de pequenos agricultores dos municípios de Senador Georgino Avelino e Arês, que mesmo enfrentando adversidades climáticas e financeiras conseguiram se manter graças ao trabalho e a dedicação. Atualmente, a renda da produção aquícola é suficiente para garantir o conforto e o sustento das famílias. O capítulo 2, com o sucesso do “Cultivo de peixe continental em São Paulo”, relata a história da família Colpani, de Mococa, interior do estado, e sua longa experiência na piscicultura, hoje totalmente verticalizada, desde a produção de alevinos até a comercialização dos produtos processados no frigorífico da empresa familiar. O capítulo 3, com o sucesso do “Cultivo do Tambaqui em Rondônia” conta a história do Projeto Peixamento, que nasceu com o objetivo de gerar ocupação e renda por meio da piscicultura para os produtores rurais do Assentamento Eli Moreira, no município de Pimenta Bueno, em Rondônia. Outro capítulo traz o sucesso do “Cultivo de ostras e mexilhões em Santa Catarina” contando a história da Fazenda Marinha, de Luiz Carlos Costa, que se confunde com a história da produção comercial de ostras em Santa Catarina. Outro capítulo conta o sucesso do “Policultivo de peixes em Santa Catarina” através do relato da consolidação do Modelo Alto Vale do Itajaí de Piscicultura Integrada (MAVIPI), onde o cultivo de diversas espécies de peixes está associado ao cultivo de suínos, trazendo muitas vantagens como a facilidade na hora do licenciamento ambiental, baixo custo de produção e diversidade de espécies de peixes oferecida ao consumidor. Já no capítulo sobre o sucesso do “Cultivo comunitário de tilápia em Pernambuco” o leitor conhecerá a fabulosa história dos pequenos produtores do município de Jatobá e do perseverante parceiro, Padre Antonio Miglio, que queria provar que mesmo pessoas pobres e do interior têm condições de evoluir e desenvolver uma atividade, desde que se dediquem ao trabalho coletivo. O leitor também conhecerá o sucesso da “Aquicultura orgânica no Rio Grande do Norte” com o relato do pioneirismo da empresa Primar, que desenvolveu o Sistema Primar de Aquicultura Orgânica, tendo sido a primeira empresa a produzir camarões orgânicos no Brasil, e agora a ostra de mangue Crassostrea brasiliana. O camarão é povoado para ocupar o piso do viveiro e se alimentar do fito e zoobentos e as ostras são cultivadas em lanternas, consumindo o fitoplâncton. O sucesso do “Cultivo de tilápia em assentamentos de reforma agrária no Rio Grande do Norte” é um capítulo que se dedica ao Programa Pólo de Tilápia do Mato Grande, implantado com recursos do Pronaf, iniciado com a implantação de 18 viveiros. O sucesso do “Cultivo de tilápia em parques aquícolas no Ceará” mostra a transformação dos produtores de diversos municípios que circundam o açude do Castanhão, especialmente Jaguaribara, e a importância desses empreendimentos para a sensibilização da população no envolvimento com a atividade. Os interessados em ler a obra completa, publicada pelo MPA, podem baixar o arquivo no site: http://www.mpa.gov.br/#publicidade/publicacoes


Espécies nativas para piscicultura no Brasil

livro
O professor Bernardo Baldisserotto, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e o professor Levy C. Gomes, do Centro Universitário Vila Velha (UVV), estão lançando a segunda edição do livro “Espécies Nativas para Piscicultura do Brasil”, pela Editora UFSM. A primeira edição foi lançada no final de 2005 e vendeu, em apenas dois anos, os 1000 exemplares produzidos. Esta segunda edição apresenta informações atualizadas e completas sobre a criação de várias espécies nativas de peixes brasileiros. Cada capítulo fornece ao leitor informações sobre a biologia, reprodução, larvicultura, engorda, efeitos da qualidade da água, nutrição, doenças e transporte dessas espécies, sendo leitura obrigatória para pesquisadores, piscicultores, estudantes e entusiastas pelo assunto. Cinco novas espécies foram incluídas nesta edição. Dados sobre a criação de espécies brasileiras de peixes geralmente estão difusos em revistas científicas ou em anais de congressos, sendo difícil para piscicultores e os próprios cientistas obterem informações completas e atualizadas. Portanto, na segunda edição deste livro foram reunidos capítulos com informações atualizadas sobre o cultivo de várias espécies, cada um escrito por pesquisadores especialistas na espécie em questão, de modo que os piscicultores tenham uma fonte valiosa para melhor decidirem que espécie criar ou o rumo que darão à sua criação. As espécies abordadas são: pirarucu (Arapaima gigas); curimatã (Prochilodus spp); piapara, piauçu, piava e piau (Leporinus spp); lambari do rabo amarelo (Astyanax altiparanae), piracanjuba (Brycon orbignyanus); matrinxã (Brycon amazonicus); tambaqui (Colossoma macropomum); pacu (Piaractus mesopotamicus); dourado (Salminus spp); traira (Hoplias spp); jundiá (Rhamdia sp); pintado e híbridos (Pseudoplatystoma sp); bagres (Staindachneridon sp); peixe rei marinho e de água doce (Odontesthes spp); cavalo marinho (Hippocampus reidi); apaiari (Astronotus ocellatus); tucunaré (Cichla sp); acará bandeira (Pterophyllum scalare); robalo peva (Centropomus parallelus); bijupurá (Rachycentron canadum); tainha (Mugil spp); linguado (Paralichthys orbignyanus) e, um capítulo especial sobre hibridação. O livro tem 606 páginas, custa R$ 93,75 e para adquiri-lo os interessados devem entrar em contato com os organizadores da publicação nos e-mails: [email protected] e [email protected], ou diretamente com a editora da UFSM através do site: http://www.ufsm.br/editora


Manual de boas práticas de produção e cultivo do pirarucu em cativeiro
Manual de boas práticas de reprodução e cultivo do pirarucu em cativeiro

Manual de boas práticas de produção e cultivo do pirarucu em cativeiro Manual de boas práticas de reprodução e cultivo do pirarucu em cativeiroManual de boas práticas de produção e cultivo do pirarucu em cativeiro Manual de boas práticas de reprodução e cultivo do pirarucu em cativeiro

Piscicultores interessados em criar o pirarucu em cativeiro contam agora com dois manuais preparados pelo Sebrae. São eles: “Manual de boas práticas de produção e cultivo do pirarucu em cativeiro” e o “Manual de boas práticas de reprodução e cultivo do pirarucu em cativeiro”.

As informações contidas nos manuais são provenientes dos trabalhos de observação dos pesquisadores e piscicultores participantes do Projeto Estruturante do Pirarucu da Amazônia, que há três anos foi criado pelo Sebrae com a intenção de encontrar soluções sustentáveis de cultivo, que diminuam o impacto ambiental, gerando mais renda para a comunidade.

O pirarucu, um dos símbolos da Bacia Amazônica, é o maior peixe de escama de água doce do mundo, e também fonte de renda de famílias ribeirinhas da Região Norte do Brasil. No entanto, a pesca extrativista vem reduzindo fortemente os estoques naturais desse peixe, razão pela qual o Sebrae optou por trabalhar com essa espécie. Durante o estudo foram implantadas unidades de criação do peixe em propriedades particulares, localizadas em seis estados do Norte do País: Acre, Amazonas, Amapá, Rondônia, Roraima e Tocantins.

Os piscicultores permitiram que fossem instaladas unidades de observação em suas propriedades e em contrapartida receberam do Sebrae consultoria e capacitação técnica. Os consultores eram responsáveis por ir a campo e acompanhar e coletar informações sobre a evolução do animal. O material, inédito, traz o passo a passo, desde o povoamento até a comercialização do pirarucu. Cada um dos dois manuais possui pouco mais de 40 páginas. O que trata da reprodução traz fotos e informações sobre o histórico da reprodução do pirarucu em cativeiro, resultado de pesquisa, manejo de reprodutores, identificação de sexo e condições climáticas e físicas necessárias. Já o que trata da engorda, apresenta o resumo dos resultados obtidos nas engordas do peixe nos


Investimento com implantação e custo de produção em pisciculturas no Estado de Mato Grosso

Investimento com implantação e custo de produção em pisciculturas no Estado de Mato Grosso

A obra foi escrita com base na tese de doutorado de Adriana Fernandes de Barros, da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). O livro, que contou com o financiamento da Secretaria de Desenvolvimento Rural de Mato Grosso (Seder), tem como co-autoras as professoras Janessa Sampaio de Abreu, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT); Maria Inez Espagnoli Martins, do Centro de Aquicultura da Universidade Estadual Paulista (Caunesp) e Cristiane Amaral, da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). A publicação traz importantes dados econômicos e zootécnicos de implantação e gerenciamento de pisciculturas de portes variados, localizadas no Estado. Durante um período de dois anos o grupo levantou informações através de entrevistas realizadas diretamente com piscicultores que atuam ativamente na microrregião da Baixada Cuiabana. Vale ressaltar que 62,5% desses piscicultores têm a piscicultura como atividade principal, evidenciando a importância social e econômica da atividade. Por meio de acompanhamento mensal da produção, a autora traçou um panorama geral da piscicultura em Mato Grosso. Segundo as autoras, foram levadas em conta a utilização exclusiva de ração extrusada na alimentação, sistema de viveiros (tanques escavados) e criação de peixes redondos (espécies do gênero Colossoma e Piaractus e seus híbridos). O livro sugere simulações para as diferentes escalas de produção, caso ocorram variações nos índices zootécnicos obtidos. Com uma linguagem clara e objetiva o trabalho possibilita proximidade com a realidade ao gerar informações importantes para as tomadas de decisões na busca da sustentabilidade do empreendimento, seja em curto ou longo prazo, servindo como uma espécie de manual para aqueles que desejam se dedicar à piscicultura. Para os profissionais da área que tenham interesse, os exemplares estão sendo distribuídos gratuitamente, enquanto houver exemplares disponíveis, devendo ser solicitado pelo seguinte e-mail: [email protected]