Lançamentos Editoriais – Edição 140

Qualidade e processamento de pescado

Este livro, que atende ao público acadêmico e também aos profissionais da área da Engenharia de Alimentos foi elaborado pelas especialistas Juliana Antunes Galvão (Departamento de Agroindústria da USP) e Marília Oetterer (professora da ESALQ-USP) junto a colaboradores, com a intenção de mostrar ao produtor de pescado que é possível levar ao consumidor um produto saudável, de qualidade e com sabor incomparável. Na opinião dos autores agregar valor à produção pode ser a solução para o escoamento e comercialização dos produtos. Para isso é preciso apenas que haja um planejamento consciente da produção, onde o pescado é desenvolvido dentro de uma cadeia sustentável, que busca a adoção de posturas corretas tanto com o meio ambiente quanto com a sociedade. As informações contidas no livro são de grande importância na cadeia produtiva do pescado, como a qualidade da água e sua interferência no pescado como alimento. Em suas páginas são discutidos também o uso de equipamentos de qualidade em todas as etapas de produção do pescado, objetivando a elaboração de produto final diferenciado, com valor agregado, vida de prateleira estendida e de conveniência. Na visão dos autores, atualmente não basta produzir, é preciso produzir com ações sustentáveis e tecnologias desenvolvidas que visem também a minimização da geração de resíduos, bem como o desenvolvimento de coprodutos advindos deste material, que até pouco tempo era descartado. A obra conta com exercícios didáticos e extensa referência bibliográfica e tem 256 páginas divididas em sete capítulos: Sustentabilidade na produção do pescado: qualidade da água; Qualidade do pescado: sistemas para padronização; Rastreabilidade na cadeia produtiva do pescado; Sustentabilidade na cadeia produtiva do pescado: aproveitamento de resíduos; Qualidade do camarão: beneficiamento e industrialização; Mexilhão: controle de qualidade, beneficiamento e industrialização; Tilápia: controle de qualidade, beneficiamento e industrialização e, Tilápia: controle de qualidade, beneficiamento e industrialização. “Qualidade e Processamento de Pescado” pode ser adquirido através do site da Editora Elsevier: www.elsevier.com.br


Manual de boas práticas de produção do pirarucu em cativeiro & Manual de boas práticas de reprodução do pirarucu em cativeiro

  Os interessados em criar o pirarucu em cativeiro podem contar com duas importantes ferramentas. Trata-se de dois manuais desenvolvidos pelo Sebrae, um sobre a produção do pirarucu em cativeiro e outro sobre a reprodução desse peixe, tido como um dos símbolos da Bacia Amazônica e o maior peixe escamado de água doce do mundo, cujos estoques naturais vinham sendo reduzidos. Para diminuir o impacto ambiental causado pela pesca extrativista e gerar mais renda para as famílias ribeirinhas da Região Norte, foi criado em 2007 o Projeto Integrado de Desenvolvimento do Pirarucu da Amazônia, com o objetivo de descobrir melhores práticas de criação do pirarucu em cativeiro. O final do projeto se deu no fim de 2010. As informações apresentadas são provenientes dos trabalhos de observação realizados durante três anos, tanto pelos pesquisadores quanto pelos piscicultores participantes do projeto. Nesse período foram implantadas unidades de criação do peixe em propriedades particulares, localizadas em seis estados do Norte: Acre, Amazonas, Amapá, Rondônia, Roraima e Tocantins. Os dois manuais possuem pouco mais de 40 páginas e trazem fotos e informações sobre o histórico da reprodução do pirarucu em cativeiro, resultado de pesquisa referente à reprodução, estratégias de manejo de reprodutores, identificação de sexo e condições climáticas e físicas necessárias. O “Manual de boas práticas de produção do pirarucu em cativeiro” traz o resumo dos resultados obtidos nas engordas do peixe no Projeto Estruturante, nos diferentes sistemas de produção avaliados, incluindo os principais índices de desempenho zootécnico e econômico, além de informações sobre o manejo da qualidade da água, manejo nutricional e alimentar, viveiros escavados e açudes e abate para comercialização. O “Manual de boas práticas de reprodução do pirarucu em cativeiro” descreve todo o ciclo de reprodução do pirarucu, assim como os aspectos que os envolvem. Os conhecimentos técnicos descritos neste manual incluem a análise de fatores ambientais que influenciam na reprodução, estratégias empregadas, manejo e captura dos ovos, larvas e alevinos, despesca e transporte desses alevinos. Mais sobre as publicações, podem ser obtidas com o Sebrae: www.sebrae.com.br


Manual de como iniciar piscicultura com espécies regionais

Os pesquisadores Francisco Chagas de Medeiros e Adair José de Moraes, que são também técnicos, piscicultores e integrantes da Associação de Aquicultores de Mato Grosso (Aquamat) lançaram o livro “Manual de Como Iniciar Piscicultura com Espécies Regionais”, onde relataram suas experiências nas propriedades mato-grossenses. O estado é pioneiro na criação de espécies nativas. A partir de janeiro, o livro será transformado em revista eletrônica para ser disponibilizado no site www.mt.agenciasebrae.com.br do Sebrae, que é o financiador do trabalho. O acesso ao material será gratuito, uma vez que o objetivo dessa instituição é multiplicar a informação sobre a piscicultura nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, que possuem um ambiente favorável à criação de espécies nativas. Mais informações podem ser obtidas na Central de Relacionamento Sebrae em Mato Grosso (0800 570 0800). A publicação está disponível para download no endereço: www.mflip.com.br/pub/planomidia/?numero


Modelo de planejamento para a gestão territorial da carcinicultura

Pelo seu expressivo desempenho nos últimos anos, a aquicultura foi o setor de produção de alimentos que mais cresceu no mundo e, dentre as atividades aquícolas, o cultivo de camarões marinhos é um dos mais difundidos, sendo praticado em mais de 50 países. A carcinicultura é uma importante atividade econômica nas regiões costeiras e oferece inúmeras oportunidades para contribuir na redução dos níveis de pobreza, aumento de empregos, maior desenvolvimento da comunidade, redução da exploração de recursos naturais costeiros a níveis sustentáveis e produção de alimentos em regiões tropicais e subtropicais (WORLD BANK et al., 2002). Nesta conjuntura o planejamento da carcinicultura deve estar fundamentado na abordagem ecossistêmica e no manejo integrado de recursos costeiros. Quando planejada de forma racional e integrada à sociedade, utilizando-se ferramentas de capacidade de suporte, monitoramento ambiental e sistema de informações geográficas pode alcançar sua melhor sustentabilidade. O livro de autoria de Walter Quadros Seiffert aborda o planejamento integrado da carcinicultura indicando os passos necessários à elaboração e implantação de um projeto real de uma fazenda de cultivo de camarões marinhos no ambiente costeiro. “Modelo de planejamento para a gestão territorial da carcinicultura”, publicado em dezembro de 2013 possui 236 páginas. Para adquirir o livro, basta fazer na página da Amazon www.amazon.com, a busca pelo nome do autor.