M. rosenbergii, à mesa como convém

A correta orientação para o preparo do M. rosenbergii é fundamental para que a clientela torne-se assídua, evitando o resultado indesejável de camarões excessivamente moles ou, ao contrário, duros demais.

Sugerimos aos criadores que escrevam ao Panorama sugerindo suas receitas. Afinal este é um dos pontos mais importantes para uma boa campanha de vendas deste crustáceo. A Fazenda Malásia, em Silva Jardim, sugere que os camarões frescos sejam bem lavados em água corrente e cozidos em água fervente, contendo sal, por 2 a 3 minutos. É bom deixá-los esfriar e, se for usá-los em seguida, basta limpá-los e temperar a gosto. Como já estão pré-cozidos basta refogá-los no molho de sua preferência por 1 minuto. Sugere também que se a intenção for de congelá-los é melhor que as cabeças sejam retiradas e antes de serem levados ao freezer devem ser cautelosamente escorridos.

Para descongelar, a turma da Fazenda Malásia orienta que seja de forma rápida e, para isso, dão a dica da lavagem em água corrente até que fiquem maleáveis, aferventanto a seguir em água com sal por 10 minutos. Deixe-os esfriar e use-os de acordo com sua preferência.

BAFO

Não é o da onça e nem é mentira, garante o pessoal da AGRIL, em Vila do Riacho – ES. Lá eles só querem saber de se deliciar no “Camarão ao Bafo”.

É simples: basta colocá-los frescos temperados à gosto, em panela quente e vazia (com tampa) por 5 minutos no máximo. O cosimento se dará na sua própria água. Garantem que simplicidade maior não há e o resultado… bem, o resultado é no mínimo fácil de imaginar. Aliás, é só provar.