Municípios do oeste reúnem-se e preparam 1º Seminário de Aquicultura e Pesca do Oeste da Bahia

Municípios do oeste reúnem-se e preparam 1º Seminário de Aquicultura e Pesca do Oeste da Bahia
Fotos- Claudio Foleto Ascom Umob
23/8/2013

Nesta quinta-feira, 22, a União dos Municípios do Oeste da Bahia (Umob) realizou um encontro preparatório com prefeitos e secretários de agricultura para tratar do 1º Seminário de Aquicultura e Pesca do Oeste da Bahia, que será realizado nos dias 25 e 26 de setembro nas cidades de Luís Eduardo Magalhães e Barreiras. O Seminário é uma realização conjunta da Umob, Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura (Seagri) e a Bahia Pesca.

O deputado federal João Leão, responsável pela articulação do seminário junto à Seagri e Bahia Pesca afirmou que já estão disponíveis R$ 30 milhões para realização de projetos de piscicultura na região oeste. A reunião aconteceu no auditório da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba) e Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) com a presença dos prefeitos  Humberto Santa Cruz de Luís Eduardo Magalhães, Antônio Henrique de Barreiras, Marcelo Mariani de Cotegipe, Hamilton Santana de Riachão das Neves, José Conceição de Wanderley, Antonio Pereira de Cristópolis, Anderson Cleyton de Baianópolis, Gerson Bonfantti vice-prefeito de Formosa do Rio Preto, Iremar Barbosa vice-prefeito de Mansidão.

Representando seus gestores municipais Luis Aurélio secretário de governo de Barra, Simone Leal assessora do prefeito Leopoldo de Oliveira de Angical, Pedro Augusto técnico da Seagri de Santa Rita de Cássia e José Marques secretário de Agricultura de São Desidério. Os prefeitos estavam acompanhados pelos Secretários de Agricultura.

O Assessor de projetos Institucionais da Bahia Pesca, Eduardo Rodrigues, conduziu um debate, onde os prefeitos e secretários de Agricultura opinaram e deram ideias de como o Seminário poderá se desenvolver. “A Bahia Pesca irá fomentar a atividades de Aquicultura e Pesca na região. Reconhecemos que o oeste do estado estava esquecido com projetos desta natureza. Neste momento os municípios devem criar suas demandas para que a partir do 1º Seminário de Aquicultura e Pesca do Oeste da Bahia, possamos implantar com segurança a atividade na região”, disse Eduardo Rodrigues.

O Seminário será uma teia de ideias, que resultará em ações no campo. Em conjunto com governos, associações e grupos classistas a Bahia Pesca dará o ponto de partida para iniciar projetos no oeste, executados com pequenos produtores até mesmo grande corporações. É um trabalho que envolve uma cadeia de serviços, englobando produção e comercialização, que difundirá os sistemas integrados de produção.

Os municípios se mostraram interessados em receber o apoio da Bahia Pesca. De acordo com o vice-prefeito de Barreiras Carlos Augusto Paê, a cadeia pesqueira da região está oculta por muitos anos, porém sem incentivo do estado, os municípios ficam limitados a desenvolverem os projetos. A afirmação de Paê corrobora com a ideia do prefeito de Cotegipe Marcelo Mariane, de que os aquicultores e criadores de peixes não conseguem ingressar no mercado com a escoação da produção de forma adequada.

O presidente da Umob, Humberto Santa Cruz salientou que, quando trabalhado em conjunto o resultado final é positivo. “A realidade do oeste é diferente, é importante investir, mas com segurança. Luis Eduardo Magalhães já está trabalhando com Pisicultura através recursos do Governo Federal em uma obra de 8 milhões”. Humberto destacou também a importância dos prefeitos em priorizar nesse momento, principalmente através da Umob, as diferentes formas de captar recursos do Ministério da Pesca com projetos concretos, dentro da realidade local de cada município.

Bahia Pesca – Uma questão levantada pelo prefeito de Cristópolis, Antonio Pereira foi como os municípios que não possuem recursos hídricos abundantes entrarão nesse processo. Eduardo Rodrigues da Bahia Pesca comentou que pode ser trabalhado com tanques e até mesmo estimular o associativismo e cooperativismo para a etapa final de escoamento dessa produção. “Teremos dois escritórios regionais com uma equipe capacitada, para dar assistência para os municípios” informou Eduardo.

Para o prefeito de Wanderley, José Conceição, a Umob está oferecendo suporte aos municípios, por isso, é preciso aproveitar e assim movimenta a economia de toda região, “Wanderley tem potencial para piscicultura porém é carente de projetos e recursos”, exemplificou. Já Hamilton Santana, prefeito de Riachão das Neves vê o Seminário de Aquicultura e Pesca do Oeste da Bahia como um apoio para as seis colônias de pescadores que o município possui ao longo da beira do Rio Grande. “Já estamos incentivando essa economia, porém queremos avançar nos projetos”, comentou.

Fonte: Joranal Nova Fronteira

http://www.jornalnovafronteira.com.br/?p=MConteudo&i=9358