NOTÍCIAS & NEGÓCIOS – edição 133

 

Capa_NutriaquaLANÇAMENTO EDITORIAL – O livro “Nutriaqua, Nutrição e alimentação de espécies de interesse para a aquicultura brasileira”, editado pelos professores Débora Machado Fracalossi (UFSC) e José Eurico Possebon Cyrino (ESALQ/USP) é resultado do esforço conjunto de 40 profissionais que atuam na nutrição de peixes. A obra traz os avanços recentes na área, padroniza técnicas sobre metodologia em estudos de nutrição de peixes e apresenta, entre outros temas, as exigências nutricionais e manejo alimentar do pacu, tambaqui, jundiá, tilápia-do-Nilo e beijupirá; os avanços na nutrição de peixes carnívoros de água doce; boas práticas de fabricação de rações incluindo detalhamento sobre processamento de rações e descrição dos principais ingredientes empregados, além de resumir a legislação brasileira que rege a produção de rações. Com a publicação os autores objetivam contribuir na preparação de técnicos, pesquisadores e estudantes para enfrentar os grandes desafios da aquicultura no Brasil. Dos 500 exemplares financiados pelo MPA, 100 serão distribuídos para instituições de pesquisa, ensino, extensão e o restante será doado pelo ministério, principalmente para bibliotecas de cursos de aquicultura e pesca.

Notneg_LOGO-FERRAZFERRAZ MONTA MAIS FÁBRICAS – A Ferraz Máquinas e Engenharia (www.ferrazmaquinas.com.br) foi responsável pela linha de montagem da fábrica da Evialis em Inhumas, Goiás. Segundo José Luiz Ferraz, a nova linha de produção de rações extrusadas da Evialis tem capacidade de 10 toneladas por hora e será utilizada para produção de rações para peixes. O grupo Evialis, de origem francesa, é um dos maiores fabricantes de ração animal do mundo, com nove fábricas no Brasil. A fábrica da Evialis em Inhumas atenderá principalmente os estados da Região Centro Oeste e Nordeste. A Ferraz foi a responsável também pela instalação da nova fábrica da Bigsal, em Rondônia, com capacidade de produção de seis toneladas de ração por hora. .

BIORIGIN NA EUROTIER 2012 – A Biorigin (www.biorigin.net) apresentou aos visitantes da Eurotier 2012, os benefícios e diferenciais do seu “Selemax”, fonte segura e eficaz para o atendimento das exigências nutricionais de selênio em todas as espécies animais. O produto recebeu uma opinião positiva do EFSA (Autoridade Européia de Segurança dos Alimentos) quanto à segurança e eficácia. “Estudos científicos, mostram que a suplementação com selênio orgânico, na forma de selenometionina, é capaz de aumentar a enzima glutationa peroxidase no sangue dos peixes, que é fundamental para combater os radicais livres e manter a saúde e resistência desses animais nos sistemas de produção intensiva. A alimentação com selênio orgânico contribui para o desempenho, aumentando o ganho de peso e melhorando a conversão alimentar”, diz o especialista técnico da empresa Felipe Horta, acrescentando que todos os ingredientes da Biorigin são 100% naturais e produzidos a partir de cepas especialmente selecionadas da levedura Saccharomyces cerevisiae. A Eurotier, realizada esse ano na Alemanha, é uma das mais importantes feiras do mundo dentre aquelas que se dedicam à criação de animais e bioenergia. O evento em sua edição anterior, em 2010, atraiu 140.000 visitantes.

notneg_acubaBRASILEIROS NO ACUACUBA 2012 – Os professores Gilberto Cezar Pavanelli da Universidade Estadual de Maringá (UEM) e Betina Muelbert da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) – Campus Laranjeiras do Sul, participaram do IV Simpósio Internacional de Aquicultura (Acuacuba 2012), realizado em Havana, Cuba, entre os dias 17 e 20 de setembro. O evento reuniu cerca de 80 pesquisadores de vários países da América Latina e Caribe. Durante o simpósio, o prof. Pavanelli proferiu a conferência “Atualização nos conhecimentos de parasitas de peixes de cultivo no Brasil, profilaxia e tratamentos” e profa Betina apresentou o trabalho “Crescimento do Jundiá Rhamdia quelen em viveiros de terra de agricultores familiares”. Ambos ressaltam que a participação no Acuacuba propiciou troca de experiências e contato com pesquisadores de outros países, fundamental para estreitamento das relações e proximidade das instituições latino-americanas do setor aquícola.

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO 2012 – O Instituto Gia – Grupo Integrado de Maricultura e Estudos Ambientais foi o vencedor do Prêmio FINEP de Inovação 2012 – Região Sul, na categoria Tecnologia Social, com o projeto Cultimar, realizado em Guaratuba. O resultado foi divulgado dia 31 de outubro em Porto Alegre (RS), durante a cerimônia de encerramento do 5° Congresso Internacional de Inovação. A Gia recebeu prêmio de R$ 200 mil e concorre à premiação de mesmo valor, agora na etapa nacional. O projeto Cultimar é desenvolvido desde 2005 e alia ações técnico-científicas a ações de valorização da cultura local, de conservação do meio ambiente, de educação ambiental, turismo, em capacitações técnicas e no aperfeiçoamento profissional da cadeia produtiva da ostra nativa de Guaratuba.

MAIS AQUICULTURA – Como o peixe é a principal fonte de proteínas para 17% da população mundial e o déficit alimentar afeta cerca de um quarto dos países de baixa renda, a FAO está estabelecendo parcerias que visam colaborar com comunidades que praticam a aquicultura na África, Ásia e América Latina. Para isso, a UE disponibilizará um financiamento de 1 milhão de euros para pesquisas que impulsionem a atividade. Diante das projeções de crescimento populacional no mundo a FAO prevê um aumento da procura de pescado e a estabilização da captura, fato que leva à necessidade de expansão da aquicultura.

CHAVES DO COFRE – Segundo a Secretaria do Desenvolvimento Ambiental do Estado de Rondônia, existem hoje 2.141 processos de licenciamento, que somam um total de 6.990 hectares de lâmina d´água, com uma produção esperada de 41,9 mil toneladas de peixes. Destes processos, 1.645 já possuem algum tipo de licença, sendo que 1.228 deles já possuem a licença de operação (LO). Na Superintendência Federal de Aquicultura e Pesca em Rondônia, o número de aquicultores cadastrados se aproxima de 600. Segundo o Superintendente do MPA no estado, Jenner T. Bezerra de Menezes, para o novo Plano Safra o Estado de Rondônia sai na frente com o acesso ao crédito, com muitos produtores tendo em suas mãos as “chaves de cofre”, que são as licenças ambientais. Em 2011 as estimativas (MPA, SEBRAE) indicam que foram comercializadas por volta de 31.000 toneladas de peixes no mercado amazonense (tambaqui in natura). As previsões de consumo na praça amazonense para 2013 são de 40 mil toneladas e para 2014, 58 mil toneladas. Além do mercado interno e do Estado do Amazonas, os produtores rondonenses comercializam peixes no Mato Grosso, e já prospectam mercados no Sudeste do país.

DIETAS DE TILÁPIA – Cientistas do Fisher College (Huazhong Agricultural University) e da Chinese Academy of Fishery Sciences, realizaram um experimento para avaliar a substituição da farinha de peixe pelo farelo de canola em dietas para tilápia GIFT. Foram preparadas seis dietas isoproteicas (30% de proteína crua) e isolipídicas (10%) com farinha de canola em seis níveis: 0 (controle), 11, 22, 33, 44 e 55%, substituindo 0, 15, 30, 45, 60 e 75% de farinha de peixe. A performace do crescimento e a utilização das dietas não apresentaram diferenças significativas entre os tratamentos. A ração com farelo de canola mostrou um efeito na composição hepática das tilápias, mas não na composição muscular. Os cientistas indicaram que 75% de farinha de peixe da ração podem ser substituídos por farinha de canola, sem afetar o crescimento da tilápia GIFT. O estudo indica ainda que a farinha de canola permitirá que a indústria de rações formule dietas mais baratas. Fonte: Journal of the World Aquaculture Society Volume 43, Issue 5, pages 670–678, Outubro 2012

BISCOITO DE PEIXE – Durante a Semana da Alimentação, tradicionalmente comemorada pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (SAA), foi feita a entrega do Prêmio Josué de Castro de Combate à Fome e à Desnutrição, promovido pelo Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional – CONSEA/SP (www.consea.sp.gov.br). Os trabalhos competiram em duas categorias: melhor pesquisa científica realizada por universidades ou instituições de pesquisa públicas ou privadas do Estado e melhor programa ou projeto de política pública, desenvolvido por órgãos públicos municipais ou estaduais de São Paulo. Na categoria “Pesquisa Científica”, o prêmio foi para o Instituto de Pesca da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (IP/APTA/SAA), com o trabalho “Desenvolvimento de biscoito à base de carne mecanicamente separada de peixes subutilizados”, apresentado pela Unidade Laboratorial de Referência em Tecnologia do Pescado, vinculada ao Centro do Pescado Marinho de Santos. Coordenado pela pesquisadora científica Cristiane Rodrigues Pinheiro Neiva, ([email protected]), o trabalho tem em sua equipe as pesquisadoras: Marildes Josefina L. Neto, Rúbia Yuri Tomita, Érika Fabiane Furlan e Thaís Moron Machado, do IP, além da pesquisadora Deborah Helena M. Bastos, da USP. O biscoito de pescado, também conhecido por “fish crackers, galletas de pescado ou keropok”, um tipo de petisco popular na Malásia e outros países da Ásia, não é conhecido no Brasil. O projeto, realizado em parceria com a Faculdade de Saúde Pública da USP, recebeu auxílio da FAPESP. Mais informações pelos telefones (13) 3261-2653 ou 3261-1712.

DESENVOLVIMENTO DO MARANHÃO – O MPA homologou, em outubro, a proposta da ABCC, como vencedora para conduzir a elaboração do Plano de Desenvolvimento Sustentável da Carcinicultura Marinha do Maranhão, que prevê a adoção de novos conceitos de cultivo e de eficiência no uso de recursos naturais no estado. O plano que determinará ainda a organização da cadeia produtiva do camarão de forma a gerar mais empregos, prevê também o georreferenciamento das áreas propícias à atividade e discussão e elaboração do Plano de Negócios preliminar da carcinicultura no Maranhão. A sustentabilidade da carcinicultura maranhense terá como garantia, além do plano estadual, a instalação do Centro Multidisciplinar de Pesquisa e Extensão em Aquicultura (CEMPEA), no Campus da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

CERAQUA SÃO FRANCISCO – A partir do dia 28 de novembro, o CERAQUA São Francisco da CODEVASF, localizado no município alagoano de Porto Real do Colégio vai reunir para treinamento, técnicos em aquicultura de todo o Brasil. O projeto de capacitação em análises bromatológicas e limnológicas pretende contribuir com a formação de mão de obra qualificada voltada para a melhoria da produtividade e da rentabilidade do pescado produzido na região do Baixo São Francisco. A capacitação poderá ser aplicada no Programa de Revitalização de Bacias Hidrográficas da CODEVASF, que executa ações nas bacias dos rios São Francisco e Parnaíba. Participarão do treinamento, técnicos de todas as superintendências regionais da CODEVASF, MPA, UFAL, EMBRAPA, Governo de Alagoas e Instituto Xingó.

PROAQUICULTURA – Na mesma solenidade de lançamento do Plano Safra das Águas, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou a criação do PROAQUICULTURA, programa de apoio ao desenvolvimento do setor aquícola com orçamento de R$ 500 milhões e prazo de vigência até 31 de dezembro de 2017. O PROAQUICULTURA é dividido em dois subprogramas, o PROAQUICULTURA-PRODUÇÃO e o PROAQUICULTURA-GIRO. Terão direito ao crédito as empresas produtoras e processadoras de pescados, além da indústria de ração para organismos aquáticos. O PROAQUICULTURA-PRODUÇÃO contempla o financiamento de obras civis, montagens, instalações, aquisição de móveis e utensílios e de máquinas e equipamentos, treinamento e capacitação tecnológica e gerencial, contratação de estudos, consultorias e assessorias técnicas, aquisição e aluguel de software nacional e capital de giro associado ao investimento. O BNDES poderá participar com até 80% dos itens financiados, percentual que pode subir para 90% em projetos localizados na área de abrangência da Política de Dinamização Regional (PDR). O valor mínimo para apoio nas operações diretas e indiretas não automáticas será de R$ 3 milhões, com prazo de financiamento de até 144 meses e carência de um a 36 meses. No PROAQUICULTURA-GIRO, o capital de giro das empresas aquícolas é apoiado de forma isolada, visando ao aumento da produção, do emprego e da massa salarial. O valor mínimo de financiamento é de R$ 10 milhões nas operações diretas, indiretas não automáticas e mistas. Já o valor máximo é de até 50% da receita operacional bruta anual do beneficiário, observado o limite de R$ 40 milhões a cada 12 meses. O prazo é de até 60 meses, com um a 24 meses de carência.

BOA APLICAÇÃO – Em 2011, o Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) aplicou R$ 140 milhões em irrigação no Estado do Ceará e obteve um valor bruto de produção de R$ 145 milhões. No mesmo período, foram aplicados também R$ 3,5 milhões em piscicultura nos açudes do DNOCS. O valor bruto produzido foi de R$ 120 milhões, equivalente a 30 mil toneladas de pescado vendido no mercado interno do Ceará ao preço médio de R$ 4.