NOTÍCIAS & NEGÓCIOS – edição 146

 

LABORATÓRIO DE CAMOCIM – Uma associação entre a Aquatec Ltda. e a Bomar Pescados Ltda. gerou o projeto de um laboratório cuja construção se inicia em janeiro de 2015, em Camocim (CE). A Bomar é uma empresa cearense, líder no mercado de camarão cultivado, produção de alevinos e engorda de tilápia, e que atua também na importação e exportação de pescado. Segundo Ana Guerrelhas, fundadora da Aquatec, a estrutura do futuro laboratório foi concebida para produzir 200 milhões de pós-larvas de camarão/mês, sendo que 25% desta produção atenderão a demanda dos viveiros da Bomar e o restante seguirá para o mercado compreendido entre o Ceará e o Maranhão. Ainda segundo Ana Carolina, a ideia é produzir uma pós-larva melhorada geneticamente para tolerar os desafios ambientais e ter um crescimento superior à média atual do mercado.

PEIXE BR – Em novembro foi criada oficialmente a Associação Brasileira da Piscicultura, que passa a ser conhecida como PEIXE BR, uma entidade de âmbito nacional nascida a partir da fusão da Associação Brasileira da Indústria de Processamento de Tilápia (ABTilápia) com a Associação Brasileira dos Produtores de Tilápia. A primeira Diretoria Executiva PEIXE BR reúne representantes de importantes empresas do setor produtivo nacional. A Presidência ficou a cargo de Eduardo Marchesi Amorim (Geneseas) e a vice-presidência de Mario Sergio Cutait (MCassab). Antonio Costa (Mar & Terra) ocupa a Diretoria Internacional; Mauro Tadashi Nakata (Cristalina) é o Diretor Tesoureiro; Valdemir Paulino dos Santos (Copacol) é o Diretor Secretário; Ricardo Neukirchner (Aquabel) assumiu a Diretoria de Relações Governamentais; enquanto João Felipe Matias, Secretário Executivo da Red de Acuicultura de las Américas (RAA/ FAO/ ONU) responde pela Diretoria Executiva. A PEIXE BR começa suas atividades com empresas e entidades regionais responsáveis por 30% da piscicultura no Brasil. “Temos parceiros em SP, PR, MS, CE, MG e MT, estados que respondem por mais de 80% do negócio de peixes cultivados no Brasil. E já iniciamos trabalho de atração de novas empresas para ampliar ainda mais a representatividade da PEIXE BR”, explica Mario Sergio Cutait, vice-presidente do Conselho de Administração e Vice-Presidente Executivo.

20 ANOS DE ATUAÇÂO – A Anpaqui – Associação Norte Paranaense de Aquicultores, comemorou com festa no final do ano, os seus 20 anos de fundação. Na ocasião foram homenageados todos os ex-presidentes com placas de reconhecimento pelos serviços prestados. Inicialmente denominada Araqui – Associação Rolandense de Aquicultores, e apenas com abrangência local, a associação assumiu o novo nome em 2007, quando dela passaram a fazer parte os aquicultores do norte do Paraná. Hoje possui 130 associados, e atua junto a órgãos municipais, estaduais, federais e iniciativa privada, por meio de parcerias, assessorias e convênios. Com o objetivo de orientar seus associados, a Anpaqui realiza mensalmente reuniões e palestras, além de cursos de capacitação aos interessados em conhecer ou investir na atividade. Na reunião comemorativa de dezembro Luiz Eduardo Sá Barreto, da Emater e a diretora da Anpaqui, Creusa Leonhardt, da Agropeixe, fizeram um relato das ações do ano que passou. A sede da Anpaqui (www.anpaqui.com.br) está localizada no interior do Parque de Exposições Ney Braga, em Londrina.

PROJETO AMBICIOSO 
– A Brazpeixes Participações deu partida ao seu objetivo de se consolidar no setor de pescado, através de aquisições de renomadas empresas. Em setembro a empresa adquiriu a Zippy Alimentos e pretende, em breve, fazer mais aquisições e fortes investimentos na construção de um marca de produtos industrializados à base de pescado, como nuggets e hambúrgueres. A Brazpeixes já conta com uma unidade de processamento em Indaiatuba – SP, uma herança da Brazcarnes, que controla as redes de churrascarias Porcão e Vento Aragano, onde a companhia será capaz de processar seus próprios peixes, além de peixes comprados de terceiros. Com sede no município paulista de Santa Clara D’Oeste, na divisa com o Estado do Mato Grosso do Sul, a recém negociada Zippy é uma empresa de ciclo completo, que possui laboratório para a produção de alevinos e a outorga de uma área de engorda de tilápias na represa de Ilha Solteira. Atualmente, processa 350 toneladas de tilápia por mês, que geram um volume de 100 toneladas de filé, que é integralmente exportado aos EUA. A Brazpeixes é controlada pelo empresário gaúcho Lucas Zanchetta e seu sócio Gualtiero Picoli. Nos planos da empresa está também a construção da segunda fábrica de industrializados, em 2016, no interior do Rio de Janeiro.

PRESUNTO DE TILÁPIA – Um presunto defumado de tilápia, criado no Oeste catarinense, foi destaque no 17º Congresso Internacional de Ciência e Tecnologia de Alimentos, realizado em agosto, na cidade canadense de Montreal. A especialista Riveli Vieira Brigido apresentou os resultados da pesquisa que identificou a boa aceitabilidade do produto pelo mercado consumidor. O presunto foi desenvolvido pelo Instituto SENAI de Tecnologia em Alimentos e Bebidas, de Chapecó, para a cooperativa Pescados Pinhal, que reúne produtores de peixe de Concórdia. O SENAI/SC é uma das entidades que integram a Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC). Os testes foram realizados com 59 provadores não treinados e que desconheciam a origem do produto. No estudo denominado Escala de Atitude, que mede o grau de aceitação, o produto recebeu 73,4% de aprovação. Na Escala Afetiva, que avalia atributos sensoriais (aroma, cor, sabor e textura), o índice de aprovação foi de 80%.

SOFTWARE DE GESTÃO PARA PISCICULTORES – O Sebrae lançou software que promete agilizar a gestão de pequenas e médias pisciculturas de peixe. O software, o primeiro de uma série voltada ao setor, foi escolhido em vez de um aplicativo, de forma que os piscicultores não dependam da internet. O software é fácil de ser usado e abrange temas como gestão comercial, gerenciamento produtivo, manejo de lotes, elaboração da biometria, monitoramento da ração por lote, etc. O software é gratuito, mas para ter acesso à ferramenta, o piscicultor terá que passar por um treinamento do Sebrae. A ferramenta será disponibilizada a partir de fevereiro em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí, Rio Grande do Norte e Paraíba.

RIO LANÇA PROJETO PARA CENTRO DE PESQUISAS – O governo do Estado do Rio de Janeiro, através da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca (Sedrap), lançou projeto do Centro de Estudos e Pesquisas em Aquicultura, Pesca e Ambientes Aquáticos (Cepapa), a ser instalado em Piratininga, na Região Oceânica de Niterói. O projeto concebido pela Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj) é uma parceria entre o governo do Rio e o Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), e tem o custo estimado em cerca de R$ 6 milhões. O Cepapa, a ser construído em terreno de 2,8 mil m2, abrigará laboratórios, biblioteca especializada, auditório e salas de aula. Contará também com espaço para pesquisas científicas aplicáveis aos setores de aquicultura e pesca. A unidade auxiliará inclusive no monitoramento da Lagoa de Piratininga, onde uma série de atividades será lançada, como políticas públicas na área ambiental e cultivo de organismos aquáticos. A Fiperj prevê que o centro funcione em sistema de gestão pública compartilhada com instituições como o Instituto Estadual do Ambiente (Inea), universidades públicas, MPA e secretarias de Meio Ambiente, Urbanismo e Planejamento.

BRASIL NO CENTRO DAS DISCUSSÕES – A Política Brasileira de Parques Aquícolas foi um dos principais temas da 31ª Reunião do Comitê de Pesca (COFI) da FAO, realizada este ano, em Roma/Itália. O desempenho do governo brasileiro na condução da política nacional de aquicultura foi reconhecido internacionalmente e, como resultado, o Brasil foi escolhido para sediar a próxima reunião da COFI, em 2015.

POLO DE PISCICULTURA ORNAMENTAL – Um Projeto de Lei para criar o Polo de Excelência em Piscicultura Ornamental na Região da Zona da Mata, recebeu parecer favorável na Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO) da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, e está pronto para ser apreciado em 1º turno no Plenário da Casa. A Zona da Mata mineira é reconhecidamente o maior polo produtor de peixe ornamental do país, sendo Muriaé o município que mais se destaca. Segundo dados fornecidos pela Associação de Aquicultores de Patrocínio de Muriaé (Aaquipam), são mais de 350 produtores, prevalecendo pequenos produtores com 2 a 3 hectares, em média. Nesta região 4,5 mil tanques produzem anualmente cerca de 950 mil unidades.

FERRAZ É CONTRATADA PARA CONSTRUIR NOVA UNIDADE INDUSTRIAL – Com sede em Londrina e com 55 unidades de recebimento e de comercialização espalhadas pelo Estado do Paraná, a Cooperativa Integrada é uma das principais do país. Suas atividades incluem comercialização de grãos de milho, soja e trigo, fabricação de derivados de milho, fios de algodão, sementes, suco de laranja e rações animais. Cliente da Ferraz Máquinas desde o ano de 2002 quando implantou uma unidade de produção de rações extrusadas em Londrina, a Cooperativa mais uma vez firmou a parceria ao escolher a Ferraz Máquinas para construir com o que existe de mais avançado no setor a sua nova unidade industrial para produzir rações extrusadas para peixes e animais de estimação. A Ferraz Máquinas fornecerá 100% dos equipamentos que irão fazer parte da linha de produção. Também ficará por conta da empresa de Ribeirão Preto, todo o processo de automação das diversas fases de produção. A nova unidade ocupará uma área construída de 4.000 m², no complexo industrial de Londrina, e contará com três linhas de produção de produtos extrusados além de rações fareladas.

50 ANOS DE ATIVIDADE – A Estação Experimental de Salmonicultura de Campos do Jordão comemorou 50 anos de atividade. Fundada em 1964, vinculada à Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, e localizada no Parque Estadual de Campos do Jordão, na Serra da Mantiqueira, a Estação Experimental de Salmonicultura representa o principal polo de tecnologia em cultivo de truta no Brasil. Segundo a pesquisadora científica Yara Aiko Tabata ([email protected]), a Estação atua na geração e na difusão de tecnologias que resultam na melhoria da qualidade e do desempenho, bem como na diversificação de produtos da truta com agregação de valor. “Esses trabalhos contribuem para a sustentabilidade econômica das truticulturas, especialmente, das pequenas unidades produtoras que são a maioria no Brasil”, diz Yara. A Estação executa anualmente uma programação técnica-científica, que consiste na reprodução artificial das trutas para reposição de reprodutores e manutenção das linhagens, além de possibilitar o treinamento de estudantes e de piscicultores. Esta atividade gera produtos diferenciados tais como ovos embrionados 100% fêmeas e triploides, que são disponibilizados para a realização de pesquisas e para venda aos truticultores, afirma a pesquisadora. Ao completar seu cinquentenário, a Estação inicia um novo ciclo de pesquisas com a implantação de um projeto do Programa Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes, da Fapesp. Este projeto trará benefícios não apenas às atividades já em desenvolvimento, com a incorporação de novas tecnologias como a caracterização genética das linhagens de salmonídeos da Estação e a triagem de fêmeas masculinizadas a serem empregadas na produção de lotes 100% fêmeas usando a técnica molecular sdY (gene determinante do sexo), mas, também trará novas perspectivas com o desenvolvimento de técnicas de transplante de células germinativas, conhecidas como barriga de aluguel, que permitem a geração de gametas em um hospedeiro de outra espécie. Estas técnicas possibilitam uma série de aplicações, tanto em espécies ameaçadas de extinção como em espécies que apresentam dificuldade de geração de gametas em cativeiro ou com maturação relativamente tardia, completa Yara Tabata. Em comemoração à data, foi recém-publicada uma revista que apresenta as atividades de pesquisa, treinamento e extensão realizadas na Estação de Campos do Jordão. A versão online da revista pode ser baixada em pdf de: http://impulsahost.com.br/downloads/apta/pdf/PREVIEW_revista_apta_campos_do_jordao.pdf

ALEVINO DE TILÁPIA MONITORADO – O Diário Oficial da União publicou em 14 de novembro passado, a Portaria MPA nº 411, que coloca em Consulta Pública o projeto de Instrução Normativa que instituirá o Programa Nacional de Monitoramento Sanitário de Alevinos de Tilápias – “Alevino de Tilápia Monitorado”. O Programa faz parte do Plano Nacional de Certificação de Formas Jovens de Animais Aquáticos e tem por finalidade garantir alevinos de melhor qualidade sanitária. O controle sanitário na alevinagem é uma condição fundamental para o sucesso da cadeia produtiva, uma vez que o monitoramento de micro-organismos prevê patogênicos relevantes para a saúde animal, que causam prejuízos ao aquicultor. A norma visa assegurar a prevenção, o controle e a erradicação de doenças impactantes na tilapicultura nacional para aumento da produtividade do setor. A Rede Nacional de Laboratórios do Ministério da Pesca e Aquicultura (Renaqua) dará o suporte laboratorial necessário para o diagnóstico oficial e o MPA, em conjunto com a Rede de Colaboração em Epidemiologia Veterinária (AquaEpi), definirá as estratégias de certificação sanitária das larviculturas de tilápia.