NOTÍCIAS & NEGÓCIOS – Edição 139

QUALIS I – A Capes – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior é uma agência governamental, vinculada ao Ministério da Educação e Cultura (MEC), que tem como objetivo promover a expansão e consolidação dos cursos de pós-graduação stricto sensu, ou seja, dos cursos de mestrado e doutorado em todo o país. Sua função é autorizar a abertura de novos cursos de pós-graduação e avaliar periodicamente os cursos em funcionamento. A Capes criou o Qualis, um conjunto de procedimentos utilizados para estratificação da qualidade da produção intelectual dos programas de pós-graduação, que foi concebido para atender as necessidades específicas do sistema de avaliação. Como resultado, disponibiliza uma lista com a classificação dos veículos utilizados pelos programas de pós-graduação para a divulgação da sua produção. A estratificação da qualidade dessa produção é realizada de forma indireta. Dessa forma, o Qualis afere a qualidade dos artigos e de outros tipos de produção, a partir da análise da qualidade dos veículos de divulgação, ou seja, periódicos científicos. A classificação de periódicos é realizada pelas áreas de avaliação e passa por processo anual de atualização. Esses veículos são enquadrados em estratos indicativos da qualidade – A1, o mais elevado, A2, B1, B2, B3, B4, B5 e C.

QUALIS II – A revista Panorama da AQÜICULTURA (ISSN 1519-1141) não é um periódico científico. Entretanto, também recebe a avaliação do Qualis. Na área Biodiversidade, por exemplo, a Panorama da AQÜICULTURA atualmente recebe o conceito B4. Uma comparação com outros periódicos conhecidos, também voltados para a aquicultura, pode ajudar a entender a dimensão do que isso significa. Na mesma área (Biodiversidade), a World Aquaculture Magazine (ISSN 1041-5602), o International Journal of Fisheries and Aquaculture (ISSN 2006-9839) e a GAA Magazine (ISSN 1540-8906), receberam o conceito B5, enquanto o Aquaculture International (ISSN 0967-6120) e o Journal of the World Aquaculture Society (ISSN 0893-8849) receberam o conceito B1.

QUALIS III – Muitas pesquisas científicas de qualidade, que merecem ser conhecidas, foram e estão sendo realizadas no Brasil. Nosso enorme país possui um número grande de cursos que recebem, a cada semestre, muitos talentos, que produzem estudos que não devem ficar engavetados. A revista Panorama da AQÜICULTURA está sempre aberta para receber artigos e contribuições com temas pertinentes. Aos interessados em publicar em nossas páginas, pedimos que encaminhem seus textos inéditos para o e-mail do editor Jomar Carvalho Filho ([email protected]).

COOPERAÇÃO – A partir do próximo ano Moçambique vai introduzir um curso superior de Produção Pesqueira, com o grau de licenciatura. A iniciativa envolve o Ministério das Pescas e as Universidades Eduardo Mondlane (UEM) de Moçambique e a Universidade Federal do Amazonas (UFAM). A cooperação técnico-científica e cultural entre estas instituições foi assinada em março e será implementada num período de cinco anos. O curso será lecionado no Instituto Superior de Desenvolvimento Rural de Vilanculos, na província meridional de Inhambane e vai abarcar as áreas de aquicultura e tecnologia pesqueira. O ministro moçambicano das Pescas, Victor Borges, disse que a partir deste curso o país usará melhores tecnologias, tanto para a produção pesqueira quanto para a aquicultura. Além dessa, há outra iniciativa junto a Universidade Federal da Santa Catarina, que estará ligada ao Instituto Superior Politécnico de Gaza, para o curso de Engenharia da Aquicultura, previsto para que se inicie também no próximo ano.

BRASILEIROS NO SEAFOOD EXPO GLOBAL 2014 – Empresas interessadas em expor seus produtos na Seafood Expo Global 2014 devem procurar o MPA, que abriu no dia 1 de novembro, o processo seletivo que definirá os expositores do Pavilhão Brasileiro. A Seafood Expo Global é a maior feira internacional de promoção e comercialização de produtos da pesca e aquicultura e será realizada entre os dias 06 e 08 de maio de 2014, em Bruxelas, na Bélgica. Os interessados precisam preencher o formulário no site do MPA até o dia 31 de dezembro e posteriormente os selecionados receberão um e-mail de confirmação.

NOVO ENDEREÇO – A Associação Brasileira de Criadores de Camarão está com sede nova em Natal, no Rio Grande do Norte. Anote o endereço da ABCC: Rua Valdir Targino, 3626, Bairro Candelária, Natal, RN, CEP 59.064-670. Telefones: (84) 3231-6291 / 3231-9786.

LÂMINA D’ÁGUA – De acordo com o Instituto de Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins), a mais nova Unidade da Federação conta com uma lâmina d’água de 206 mil hectares que poderão produzir anualmente um volume de mais de 300 toneladas de pescado. Somente o lago de Palmas pode produzir 144 mil toneladas ao ano. Os futuros piscicultores devem assinar um contrato junto ao Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) para iniciar a demarcação das áreas e efetivar a produção.

PRÉ-SAL DA PRODUÇÃO – O ministro Crivella classificou o potencial para a aquicultura no país como o pré-sal da produção de alimentos, ao falar para empresários do setor durante o Seminário Aquicultura: um investimento sustentável, em Brasília, onde foi discutida a criação de um fundo de investimento a ser financiado pelo BNDES, com recursos de R$ 100 milhões. A iniciativa pretende reunir empresas e fundos de pensão para participar de dez projetos para desenvolver a aquicultura no país. Comparar a aquicultura brasileira com o pré-sal e oferecer recursos de R$ 100 milhões que dormem, e provavelmente continuarão dormindo, nos cofres do BNDES é tarefa muito fácil. São palavras bonitas que voam. O que todos esperam é que o ministro recoloque os seus pés no chão, e se esforce para resolver os problemas do dia a dia de quem está na atividade. E não são poucos. A insatisfação é geral.

FÁBRICA DE PEIXES & ALGAS – A Recolast está lançando a sua “Fábrica de Peixes & Algas”. Segundo a empresa, o equipamento utiliza a mais nova tecnologia em sistema super-intensivo de recirculação, com troca de água praticamente zero, repondo apenas as perdas por evaporação. A Fábrica de Peixes & Algas da Recolast trata o efluente no Biodigestor Tubular, que recebe o lodo decantando-o no Filtro Ciclone. O lodo permanece ali por 30 dias em tratamento anaeróbico, quando retorna ao sistema onde maximizará a produção de algas que, segundo a Recolast, representam 30% da ração para os peixes. A temperatura é garantida pela estrutura tubular com filme especial verde, hermeticamente fechado, garantindo um crescimento uniforme durante todo o ano. Quem quiser conhecer a Fábrica de Peixes & Algas, ela estará funcionando no Dia de Campo da Recolast, que acontecerá no dia 6 de dezembro, em Mairiporã-SP. Saiba mais sobre o produto em www.recolast.com.br

OPORTUNIDADE DE EMPREGO – A D’Anzicourt Advogados Associados está recrutando profissionais para trabalhar em empreendimentos de Aquicultura na Região Norte do Brasil. O período mínimo sugerido para o contrato é de dois anos, podendo ser prorrogado conforme o desempenho. Busca-se profissionais das áreas de aquicultura, agronomia, zootecnia, biologia, veterinária e afins e que já possuam experiência prática na atividade. Os interessados devem encaminhar CV Lattes (link e pdf) e pretensão salarial (valor bruto mensal) para o e-mail: [email protected]

DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA – O Senado aprovou no dia 30 de outubro o Projeto de Decreto Legislativo 787, de 2009, que obriga as distribuidoras de energia elétrica a instalar, sem custos aos produtores rurais, relógios de dupla tarifação de energia nas propriedades. A medida beneficia principalmente as atividades de irrigação e aquicultura, que já contam com descontos nas tarifas, mas irrigantes e aquicultores arcavam com os ônus destes aparelhos, cuja instalação é condição para que tenham tarifas diferenciadas. A relatora da matéria, a presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu, explicou que a proposta suspende este ônus aos produtores rurais. Os relógios de dupla tarifação têm por objetivo medir o consumo de energia elétrica em diferentes horários. Os equipamentos registram o consumo das 21h30 às 6h para que os produtores tenham direito aos descontos que podem chegar a 90%, dependendo da região.

SUSPENÇA A IMPORTAÇÃO – O Desembargador Federal Jirair Aram Meguerian acatou as argumentações da Associação Brasileira de Criadores de Camarão (ABCC), e suspendeu a autorização de importação de camarões da espécie Pleoticus muelleri, originários da pesca selvagem na Argentina. A importação havia sido concedida pelo Ministério da Pesca e da Agricultura por meio da IN 28/2012, e garantida pelo Juiz Federal da 8ª Vara do Distrito Federal. A atual suspenção da importação vale até que a sentença final seja prolatada. A decisão do Desembargador, datada de 16 de outubro de 2013, foi baseada no princípio da precaução, até que se conclua, ou não, pela existência dos riscos levantados na ação civil pública. Em tempo: a Argentina é o quarto país a exportar, em volume, para o Brasil, sendo responsável pela fatia de 13,60% do pescado que importamos. Ou seja, das 238 mil toneladas que o Brasil importou de janeiro a setembro deste ano, 24 mil toneladas vieram deste país.

OSTRAS DEPURADAS – A ostreicultura alagoana vai ganhar impulso com as ações do Comitê Institucional do Programa Ostras Depuradas de Alagoas, que está se organizando para formalizar uma Unidade de Beneficiamento de Ostras em Coruripe. O grupo, que se reúne mensalmente no auditório do Sebrae, é formado por representantes do Instituto Ambiental Brasil Sustentável (IABS), Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Secretaria de Estado da Pesca e Aquicultura (SEPAQ), Sebrae Alagoas, Associação Rio Mar de Passo do Camaragibe, Associação dos Ostreicultores das Barreiras de Coruripe (Aobarco), Associação dos Maricultores da Palatéia (Paraíso das Ostras) e Colônia de Pescadores de Porto de Pedras. No encontro de outubro foram apresentados aos parceiros do projeto os resultados da venda das ostras depuradas pelas associações, o que ocasionou o aumento da receita do fundo criado para os produtores e para a depuradora. Os esforços dos ostreicultores têm contribuído para a realização de oficinas e formação de novos grupos de produtores. Durante o último encontro foi apresentado também o experimento da professora Cristina Normande, do Laboratório de Nutrição da UFAL, que comprovou que a conservação da ostra no refrigerador não diminui a qualidade do produto.

LACQUA 13 – A hospitalidade colombiana foi o destaque no primeiro Congresso da América Latina e Caribe da Sociedade Mundial de Aquicultura, LACQUA 13, realizado em Villavicencio, Colômbia. Foram mais de 500 participantes de 23 países, e mais de 200 produtores. O presidente do Capítulo Latino Americano e Caribenho da Sociedade Mundial de Aquicultura (LACC – WAS), Antonio Garza de Yta, comemorou afirmando que foi o “mais importante congresso organizado em espanhol na história da aquicultura latinoamericana, região que tem o maior potencial de crescimento da aquicultura em todo o mundo”. O LACQUA 13 foi realizado em conjunto com a IV Conferência Latino-Americana de Cultivo de Peixes Nativos, a XIX Jornada de Aquicultura de Los Llanos e o VI Fórum Regional de Aquicultura, todos coordenados pela equipe dos doutores Pablo Emilio Cruz Casallas, Yohana Velasco Santamaria e Maurício Medina Robles, apoiados por estudantes da Universidade de Los Llanos. “O LACQUA 13 nos faz pensar grande e demonstra ao mundo que diversos países da América Latina e Caribe estão prontos para este tipo de evento. Este é o começo de uma longa tradição”, disse a brasileira Maria Célia Portella, ex-presidente do LACC -WAS e uma das coordenadoras do programa científico.

SEMANA SOBRE AQUICULTURA SUSTENTÁVEL – A Universidade Federal do Paraná (UFPR), na cidade de Palotina, realizou sua semana acadêmica sobre aquicultura sustentável. A programação contou com minicursos, palestras e debates sobre como assegurar a sustentabilidade na cadeia produtiva do pescado. O Grupo Guabi participou do evento com palestra do Gerente de Produtos para aquicultura, João Manoel Cordeiro Alves, sobre Ração para Organismos Aquáticos: diferenças técnicas entre os tipos de rações.

AUMENTO DO CONSUMO I – Segundo dados do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), a média de consumo de pescado por habitante/ ano no país alcançou 11,17 quilos em 2011. Com esses números é possível concluir que atualmente os brasileiros já devem consumir a média mínima recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), de 12 quilos de pescado por habitante/ano. O aumento de consumo de pescado se repete em outras partes do mundo, e pode ser explicado no Brasil por fatores, como a condição de vida dos brasileiros que melhorou e a procura por alimentos mais saudáveis.

AUMENTO DO CONSUMO II – A ausência de um censo ou mesmo de estratégias minimamente confiáveis de coleta de informações da produção tanto da pesca quanto da aquicultura, sugerem que o consumo per capita divulgado seja fruto da imaginação de técnicos e burocratas chapa branca. Cai por terra também a afirmação que a OMS determina que 12 quilos per capita é o mínimo recomendável para o consumo anual de pescado. Especialistas em discussão desse tema na Lista de Discussão Panorama-L não foram capazes de achar onde esta informação um dia teria sido publicada. Dizer que o consumo aumenta procede. O que não procede é estimar o consumo, muito menos com o requinte de duas casas decimais.

MESTRADO NA UFFS – A Universidade Federal da Fronteira Sul – UFFS está com inscrições abertas até 10 de dezembro para ingresso no Mestrado Acadêmico “Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável”, recentemente aprovado pela CAPES. O programa, que foi concebido em duas linhas de pesquisa: Agroecossistemas, Sustentabilidade e Agrobiodiversidade; e Dinâmicas Socioambientais, tem como objetivo a formação de profissionais de elevada qualificação científica e tecnológica, a partir dos fundamentos proporcionados pela Agroecologia como nova área de conhecimento, com abordagem interdisciplinar. É priorizada a formação acadêmica geradora de conhecimento que atenda às demandas da sociedade com relação aos padrões produtivos e de organização dos sistemas agroalimentares, que contribuam para a saúde das pessoas e do meio ambiente, proporcionando trabalho e renda. A aquicultura é uma área importante e está representada neste programa de pós-graduação pelas professoras Betina Muelbert e Maude R. de Borba, que orientarão alunos no desenvolvimento de pesquisas em aquicultura com enfoque agroecológico. Vale ressaltar que o campus Laranjeiras do Sul-PR da UFFS, onde é oferecido o curso de graduação em Engenharia de Aquicultura, será a sede do Mestrado em Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, favorecendo, assim, o fortalecimento da inter-relação com a graduação nesta área de conhecimento. Mais informações podem ser obtidas na página da universidade: www.uffs.edu.br e nos e-mails: [email protected] ou [email protected]