NOTÍCIAS & NEGÓCIOS – edição 142

Pequenas notícias institucionais e/ou fotos de divulgação de produtos e empresas podem ser enviadas para publicação nessa seção, através do e-mail: [email protected]


BIOFLOCOS EM TESE PREMIADA – A tese de doutorado de Dariano Krummenauer, “Otimização do manejo para o cultivo do camarão branco Litopenaeus vannamei em sistemas de estufas com bioflocos” defendida em 2012, sob orientação do professor Wilson “Mano” Wasielesky do Programa de Pós-Graduação de Aquicultura da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), foi a primeira grande colocada do Prêmio Vale-Capes de Ciência e Sustentabilidade desse ano, na categoria Processos eficientes para redução do consumo de água e energia. A CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e a Vale S.A., premiaram Dariano Krummenauer com uma bolsa para realização de estágio pós-doutoral em instituição nacional de até três anos, podendo ser convertida em um ano para estágio pós-doutoral fora do país em uma instituição de notória excelência na sua área de conhecimento, além de um prêmio adicional dado pela Vale no valor de R$ 15 mil. Wilson “Mano” Wasielesky, seu orientador, também foi premiado pela Vale com uma participação em congresso internacional relacionado à temática da tese no valor de US$ 3 mil. A cerimônia de entrega dos prêmios ocorrerá em 5 de junho na cidade do Rio de Janeiro. Para quem desejar conhecer um pouco sobre as pesquisas com sistema de cultivo em meio à bioflocos realizadas pelo Programa de Pós-Graduação em Aquicultura da FURG, basta acessar a série de artigos publicados recentemente aqui na revista Panorama da AQÜICULTURA.

DE JAGUARIBARA PARA O MUNDO – Como noticiado na última edição, segue cada vez melhor e mais estruturado o programa de rádio “Quinta da Tilápia”, que vai ao ar todas as quintas-feiras às 12h, transmitido da cidade de Nova Jaguaribara pela rádio Jaguaribara FM, e que pode ser acessado de qualquer lugar pelo site www.jaguaribarafm.com.br. O cotidiano da cidade, às margens do Açude do Castanhão, é fortemente marcado pela piscicultura, atividade que segue crescendo e transformando de forma irreversível a economia local. Entrevistas, informes e um bom papo são a tônica do programa, que pode receber participações ao vivo pelo telefone (88) 9922-7727, ou perguntas e sugestões pelo e-mail [email protected]

FIPERJ AMPLIA AÇÕES NA REGIÃO SERRANA – O Governo do Estado do Rio de Janeiro inaugurou em Nova Friburgo, na Região Serrana, o último dos sete novos Escritórios Regionais da Fundação Instituto de Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Fiperj), órgão vinculado à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, Abastecimento e Pesca (Sedrap). A nova unidade vai ampliar as ações que vinham sendo realizadas em benefício do piscicultor e do produtor rural. Em Cachoeiras de Macacu foi assinado Termo de Cooperação Técnica da Fiperj com a prefeitura, no âmbito do programa Somando Forças Pesca e Aquicultura, para contribuir com a vocação piscícola da região e aproveitar seu manancial de águas, o maior do Estado. O município será contemplado com repasse de R$ 90 mil para aquisição de nove freezers, um caminhão baú isotérmico e uma pick-up.

MAIS UM MINISTRO NO MPA – Com a saída de Marcelo Crivella para uma possível candidatura ao governo do Rio de Janeiro, a pasta da Pesca e Aquicultura foi ocupada em 13 de março pelo senador Eduardo Benedito Lopes, 49 anos. Lopes assumiu o mandato no Senado em 2012, quando Crivella, de quem é suplente, se licenciou para assumir o MPA. Como o seu antecessor, Lopes também é pastor da Igreja Universal do Reino de Deus, já apresentou programas religiosos na TV, além de ter dirigido jornal e gráfica pertencentes à igreja. Desde que foi criado em 2003 pelo Presidente Lula, ainda como SEAP, o MPA já foi ocupado por seis ministros: José Fritch, Altmir Gregolin, Ideli Salvatti, Luiz Sérgio, Marcelo Crivella e agora Eduardo Lopes. Rumores circulam com informação de que, caso não se eleja como governador do Estado do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella reassumirá a pasta.

SORRISO GANHA SEGUNDO FRIGORÍFICO – Com investimento de R$ 22 milhões, foi inaugurado no distrito de Primavera do Norte, município de Sorriso, Mato Grosso, o frigorífico da empresa Delicious Fish com 4.800 m2 de área coberta, construído com o financiamento do BNDES. Durante a solenidade de inauguração, o diretor geral da Delicious Fish, João Pedro da Silva apresentou as instalações que irão beneficiar 40 toneladas de peixes a cada turno de oito horas, e onde serão produzidos 28 diferentes produtos que irão garantir o escoamento da produção dos piscicultores locais. A Delicious Fish possui também no Estado do Mato Grosso, fábrica de rações e um laboratório de melhoramento genético de peixes nativos. Foi nos viveiros da empresa que ficaram guardadas as famílias de tambaqui do programa Aquabrasil, da Embrapa. A cerimônia de inauguração do frigorífico contou com a presença dos ministros Eduardo Lopes do MPA, e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Neri Geller. Nos discursos a promessa de que Mato Grosso irá, em três anos, liderar a produção de pescado no país, quando estará produzindo 700 mil toneladas de peixes amazônicos, como cachara, pintado, tambaqui e pirarucu. Um fato curioso é que a Delicious Fish não é o primeiro frigorífico de grande porte instalado no município de Sorriso. Bem próximo já funciona a Native, que além da produção própria, tem que buscar peixes em municípios distantes, e eventualmente até fora do estado, para abastecer as suas instalações. A súbita demanda decorrente da entrada em operação no mesmo município de um frigorífico com o porte do que acaba de ser inaugurado, certamente vai mexer com o cenário local. A Câmara Municipal de Sorriso aprovou em março a Lei Municipal nº 2.321, que regulariza a situação da aquicultura no município. Já o Estado do Mato Grosso, desde o ano passado dispensou o licenciamento ambiental para projetos de piscicultura de pequeno porte.

SUPER PEIXES – No município de Ariquemes (RO), o “pirarucultor” Geraldo Cavalcante, conseguiu um pirarucu de 18 quilos. A despesca foi acompanhada pelo gerente do escritório local da Emater de Ariquemes, Robson Alves Rodrigues, que constatou o feito. Em apenas um ano o piscicultor retirou dos seis hectares de lâmina de água, peixes com peso médio de 15 quilos. O produtor acredita que o sucesso da sua criação está no apoio e nas orientações recebidas, que vão desde a construção dos tanques até a comercialização dos peixes.

AQUACIÊNCIA 2014 – Durante o período de 01 a 05 de setembro, ocorrerá em Foz do Iguaçu – PR, mais um Aquaciência, evento técnico científico que reúne os principais expoentes da aquicultura nacional, sendo que a cada edição tem conseguido atrair um número significativo de pesquisadores, estudantes, produtores e empresários do Brasil e do exterior. Dessa vez não será diferente, pois o congresso contará com palestrantes internacionais de renome em suas áreas de atuação, sendo eles: Prof. Dr. Shouqi Xie do Institute of Hydrobiology, the Chinese Academy of Science – China (sustentabilidade na aquicultura); Dr. Marc Vandeputte – Institut National de la Recherche Agronomique (INRA) – França (genética); Dr. Constantinos Mylonas do Institute of Marine Biology, Biotechnology and Aquaculture – Hellenic Center for Marine Research – Grécia (reprodução de peixes); e Dr. Carl Webster do National Aquaculture Research Center – EUA (redação científica). Além disso, o encontro contará com diversas mesas redondas que abordarão assuntos atuais da aquicultura nacional afim de discutir seus principais avanços, desafios, dificuldades e gargalos. Um dos destaques do Aquaciência é sua contribuição científica, pois acadêmicos de diferentes cursos de graduação e pós-gradução do país têm a oportunidade, através de apresentações orais ou na forma de painel, de demonstrar seus trabalhos de pesquisa e iniciar sua inserção de forma efetiva na comunidade científica. A data para envio de trabalhos expira-se em 06 de junho e as inscrições com desconto devem ser feitas até dia 26 de maio. O Aquaciência 2014 apresenta como realizadores o Grupo de Estudos de Manejo na Aquicultura (GEMAq) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – Unioeste, o Instituto Federal do Paraná (IFPR) – Foz do Iguaçu, a Itaipu Binacional e a Sociedade Brasileira de Aquicultura e Biologia Aquática (Aquabio). Para maiores informações entrar em contato através do número de telefone (43) 3025-5223 (FBEventos), e-mail: [email protected] ou site: www.aquaciencia.aquabio.com.br

BUROCRACIA DERRUBA CAMARÃO NA BAHIA – Nos últimos dez anos a produção de camarão na Bahia sofreu uma redução de 68%. A produção, que em 2004 era de 7.577 toneladas e em 2011, de 7.050 toneladas, em 2013 foi de apenas 2.300 toneladas, afirma a Associação Brasileira de Criadores de Camarão (ABCC). O último censo, de 2011, contabiliza 63 produtores e uma área de 2.096 hectares. Segundo a ABCC, a carcinicultura nacional fornece 75% do camarão consumido no país e a Bahia, hoje ocupa o 5º lugar na produção. Até 2011 o estado era o 3º maior produtor do país. Em 2002, um levantamento do governo baiano detectou o potencial de 1 milhão de hectares. O presidente da ABCC, Itamar Rocha, conta que o governo chegou a atrair investidores, mas, a burocracia para obter a  licença ambiental com o Instituto do Meio Ambiente  (Inema) faz com que muitos carcinicultores desistam da atividade. Os antigos e novos produtores são obrigados desde 2011 a realizar os estudos e relatórios de impacto ambiental (EIA/RIMA) dos seus empreendimentos, mas o Código Florestal exige os documentos apenas para novos cultivos com mais de 50 hectares. Uma liminar da 6ª Vara Federal, concedida a pedido do Ministério Público Federal, em 2007, determinava que novos projetos apresentassem o EIA/RIMA na solicitação de licenciamento ambiental, mas em 2011, a justiça determinou que essa exigência também valesse para os cultivos já existentes. O processo está em fase de recurso no Tribunal Regional Federal da 1ª Região e, segundo a ABCC, outros estados nordestinos, que sofreram ação parecida, recorreram, menos a Bahia.

PROJETO COOPERPESCA – Foi inaugurado em abril, em Uruaçu, município localizado ao norte do Estado de Goiás, o projeto Cooperpesca, que objetiva melhorar as condições do cultivo de tilápias em tanques-rede na região, e profissionalizar a produção de filés. O projeto é uma ação do Programa ReDes, uma iniciativa do Instituto Votorantim e Banco Nacional de Desenvolvimento – BNDES, com o apoio da Votorantim Metais. Com o Cooperpesca, os piscicultores de Uruaçu conseguirão atender escolas municipais, vender para mercados locais. A ideia é que o projeto permita estruturar a produção e a comercialização da tilápia, elevando a qualidade do produto e também do retorno financeiro dos aquicultores. O Cooperpesca recebeu investimento total de R$ 700 mil para beneficiar 30 famílias na região. Para 2014 há uma estimativa de receita bruta de R$ 98 mil e para 2015 o esperado é R$ 574 mil.

SANTA CATARINA I – A Advocacia-Geral da União (AGU) impediu a entrada de peixes importados da China no mercado catarinense, por falta de certificados adequados. Os peixes importados foram barrados pela fiscalização do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) ao chegarem ao porto de Navegantes, em Santa Catarina. As empresas importadoras alegam que não tiveram tempo hábil para se adequarem ao novo modelo de certificado sanitário exigido pelo MAPA desde 1º de janeiro desse ano, mas os advogados da União afirmam que o certificado é a única garantia de que os peixes não possuem adição de fosfatos prejudiciais à saúde humana e de que possuem realmente o peso líquido declarado na embalagem. De acordo com a AGU os pescados importados da China têm chegado ao Brasil com nomes de peixes nobres na embalagem, porém os conteúdos são produtos de baixo valor comercial. A justiça também acatou o pedido da AGU para impedir a entrada de pescado sem certificado em Pernambuco. Os carregamentos de peixes importados da China não obtiveram a autorização do MAPA quando chegaram ao porto do Recife, também por falta de certificados adequados e por oferecer risco à saúde do consumidor. Um juíz de primeiro grau havia deferido o pedido liberando os pescados mediante a apresentação de Certificado Sanitário no modelo anterior, mas a Procuradoria-Regional da União da 5ª Região (Recife) recorreu apontando diversos motivos pelos quais seria indevido autorizar a liberação. Os advogados da União alegam que a padronização do documento estabelece requisitos sanitários mínimos, baseados no Codex Alimentarius e reconhecidos internacionalmente pela Organização Mundial do Comércio, para que todos os países possam garantir de forma clara e transparente o cumprimento dos mesmos.

SANTA CATARINA II – A Polícia Federal de Itajaí, em parceria com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), deflagrou no dia 10 de abril, no estado catarinense, a Operação Poseidon, motivada pelas recorrentes fraudes por substituições de espécies de pescado nos produtos comercializados por empresas sob inspeção federal. O trabalho conjunto com a Delegacia de Polícia Federal no município coletou amostras de produtos, que foram encaminhados para análises de DNA no laboratório pericial em Brasília. A fraude se dá com a processadora do pescado, etiquetando seus produtos com uma falsa denominação. Dessa forma, os produtos que, na maioria das vezes, são de valor comercial inferior ou de procedência duvidosa são embalados como espécies nobres, como bacalhau, linguado ou congrio. Esse tipo de fraude vem sendo percebida mais intensamente após o grande volume de pescado que vem sendo importado a baixos custos de países como o Vietnã e China. Os resultados das análises em Brasília comprovaram ainda a venda de espécies ameaçadas de extinção, cuja captura e vendas são proibidas pelo MAPA. A Operação Poseidon conta com o apoio de fiscais federais agropecuários de vários estados brasileiros, sob a coordenação do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa). Dentre as empresas suspeitas de fraude que estão sendo autuadas pelo Mapa e a PF estão a Leardini Pescados, a Costa Sul e a Vitalmar, entre outras.

ZOOTECNISTAS NA AQUICULTURA – A aquicultura brasileira sempre contou com o importante apoio profissional dos zootecnistas. E a Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Zootecnia (SBZ) deste ano, que ocorrerá de 29 de julho a 01 de agosto, em Aracaju, reservou um importante espaço para o setor. A reunião será no Hotel Prodigy Beach Resort & Conventions, situado em Barra dos Coqueiros, na Região Metropolitana de Aracaju, Sergipe. Entre as muitas palestras voltadas para a aquicultura, destaca-se a do pesquisador da Universidade de New Brunswick, Thierry Chopin, que falará sobre sistemas multi-tróficos integrados em aquicultura (IMTA) voltados para o ambientes marinhos. Segundo o pesquisador a sua abordagem terá como foco a sua aplicação no litoral brasileiro. Emiko K. Resende, pesquisadora da Embrapa Pantanal, falará dos avanços tecnológicos da pesquisa em rede no Brasil. Emiko esteve à frente do Projeto Aquabrasil da Embrapa. Priscila Vieira Rosa, da Universidade Federal de Lavras, falará sobre alimentos funcionais em rações para peixes; Dalton José Carneiro, da Unesp de Jaboticabal abordará os desafios e perspectivas da nutrição de peixes no Brasil e Eduardo Sanches, do Instituto de Pesca, abordará a criação de espécies marinhas de grande valor comercial. Mais informações sobre o evento no site da SBZ: http://www.sbz.org.br/reuniao2014

25 ANOS NO MERCADO BRASILEIRO – A Poli-Nutri Alimentos S.A, companhia nacional e uma das líderes no setor de nutrição animal no Brasil, completou 25 anos em março e tem muitos motivos para comemorar. No mercado nacional de rações, que se retraiu 3% em 2012 e manteve-se estável em 2013, a Poli-Nutri encerrou o ano passado com receita operacional bruta de R$ 250,9 milhões, a maior de sua história, superando em 15,5% o resultado de 2012. O volume de vendas cresceu 14,4%, totalizando 87,4 mil toneladas de rações, premixes e núcleos para animais de produção (suínos, aves de corte e postura, peixes, camarões e bovinos de corte e de leite). Para 2014, a Diretoria projeta manter o desempenho histórico da companhia em todos os segmentos de atuação, alcançando receita de cerca de R$ 300 milhões, o que representará aumento de 19,5% em relação a 2013. Complementarmente, dois novos segmentos de nutrição animal passarão a ser atendidos a partir desse ano: animais de companhia (pet) e equinos.

PRECIOSIDADE – A histórica publicação “A propagação artificial de peixes de águas tropicais – Manual de Extensão” de Elec Woynarovich e L. Horvath, uma publicação da FAO de 1980, traduzida e publicada em 1983 pela CODEVASF, é uma pérola que pode ser garimpada na página de download da Codevasf, juntamente com publicações recentes, como o “Manual de Criação de peixes em Viveiros” de Regina Helena Sant’Ana de Faria, Marister Morais, Maria Regina Gonçalves de Souza Soranna e Willibaldo Brás Sallum; e o Manual de Criação de Peixes em Tanques-Rede. O endereço é http://www.codevasf.gov.br/principal/publicacoes/publicacoes-atuais
ÁREAS AQUÍCOLAS – O governo federal ofereceu 19 áreas aquícolas em reservatórios de usinas hidrelétricas e ambientes marinhos dos estados de Goiás, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo. Os aquicultores que concorreram ao uso das Águas da União destinadas ao cultivo de peixes tiveram suas propostas analisadas em sessão pública no dia 8 de maio. As áreas estão localizadas nos reservatórios das usinas de Serra da Mesa, São Simão e Itumbiara, em Goiás; Itaparica e na Praia do Forte, em Pernambuco; Capivara, Canoas I e Taquaruçu, no Paraná; na Enseada do Forno, no Rio de Janeiro; na Praia do Pulso e nas enseadas de Ubatumirim, do Mar Virado e de Águas Vermelha, em São Paulo. Os vencedores das licitações têm prazo de seis meses para iniciar o projeto de aquicultura. A autorização/cessão de uso das áreas vigora por 20 anos, podendo ser prorrogada por igual período.