Notícias & Negócios – Edição 144

FEIRA NACIONAL DE PEIXES – Sebrae em Mato Grosso e parceiros realizarão a Feira Nacional de Peixes Nativos de Água Doce / Seminário Técnico de Peixes Nativos de Água Doce, no período de 16 a 18 de outubro, no Centro de Eventos do Pantanal em Cuiabá. O evento será um marco na piscicultura do país e do estado mato-grossense, primeiro no ranking brasileiro de produção de peixes nativos de água doce, tornando-se referência para este segmento da aquicultura nacional. Dez mil pessoas são aguardadas na feira, que contará com exposição de peixes ornamentais, máquinas e equipamentos, praça de alimentação, espaço para gastronomia, entre outros. Todos os elos da cadeia da piscicultura estarão presentes na Feira Nacional de Peixes Nativos de Água Doce – insumos, produção, distribuição e comercialização. Caravanas de outros estados virão ao evento. Paralelamente será realizado o Seminário Técnico de Peixes Nativos de Água Doce, que trará especialistas renomados à Cuiabá. Eles vão apresentar conteúdos inovadores e práticas exitosas no seminário, clínicas tecnológicas, palestras e oficinas. Fernando Kubitza será um dos palestrantes. Há poucos estandes à venda. Mais informações: (65) 3648.1282 ou via e-mail: [email protected]

CONBEP 2015 NO MARANHÃO – Entre 4 e 8 de outubro de 2015 será realizado o XIX Congresso Brasileiro de Engenharia de Pesca, em São Luís, tendo como tema central “A Engenharia de Pesca: transformando os recursos aquáticos em benefícios para a humanidade”. O CONBEP tem como objetivo discutir e divulgar para a sociedade, comunidade técnico-científica e setor produtivo os avanços em pesca e aquicultura. Compõe-se tradicionalmente de palestras, conferências, mesas redondas e minicursos, dos quais participam cientistas, autoridades públicas e privadas e técnicos renomados do Brasil e do exterior, com apresentações de trabalhos técnicos e científicos. O evento é realizado por iniciativa da Federação das Associações dos Engenheiros de Pesca do Brasil (FAEP-BR) e da Associação dos Engenheiros de Pesca do local onde o evento ocorre (neste caso a AEP-Maranhão), além da Associação Brasileira de Engenharia de Pesca (ABEP), como organizadora científica.

MEDIDOR MULTIPARÂMETROS – A Alfakit (www.alfakit.ind.br) indústria catarinense de base tecnológica localizada em Florianópolis, desenvolveu em parceria com o SENAI/SC, o 1º Medidor Multiparâmetros Nacional, para análise da pressão atmosférica, temperatura, condutividade, salinidade, (SDT) sólidos dissolvidos totais, oxigênio dissolvido, saturação, turbidez, pH e potencial redox (ORP). O equipamento lançado pela Alfakit permite que empresas de aquicultura e de monitoramento ambiental obtenham um diagnóstico rápido, seguro e preciso na qualidade da água. Segundo Léo de Oliveira, proprietário da Alfakit, por se tratar de um equipamento com alta tecnologia e complexidade, são poucas as empresas no mundo que o fabricam. Na foto, Léo Oliveira (Dir. Técnico da Alfakit) junto a Dimitri Bondarczuk (SENAI/SC), apresentando o novo equipamento na Mostra Inova SENAI, evento realizado em setembro, em Belo Horizonte (MG).

LARVI: EQUILÍBRIO CULTIVADO – Situada na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Ponta do Tubarão, em Barreiras, no município de Macau/RN, a Larvi Aquicultura & Projetos Ltda. produz pós-larvas fortes e saudáveis do camarão marinho Litopenaeus vannamei, obtidas através de cultivos em que são utilizados insumos de alto valor nutricional. Segundo Jaqueline de Medeiros, diretora da empresa, trata-se de um trabalho onde o amor e a dedicação também são ingredientes importantes, e os benefícios podem ser constatados não apenas junto aos carcinicultores, mas também junto às instituições que também utilizam as pós larvas nas suas pesquisas. Jaqueline afirma que o trabalho é realizado por uma equipe experiente e atualizada, que está sempre em busca do equilíbrio no cultivo. Projetos e parcerias com instituições nacionais e internacionais permitem que a Larvi Aquicultura desenvolva pesquisas, investindo no conhecimento e na capacitação de estudantes de nível médio, técnico e superior, oferecendo estágios em larvicultura. Além disso, a Larvi traz alternativas para a aquicultura continental, através da produção de pós-larvas de camarões de água doce de espécies já bastante apreciadas na culinária brasileira e internacional: Macrobrachium rosenbergii (gigante da Malásia) e M. carcinus (Pitu). Na década de 80 o Brasil chegou a ser o quarto maior produtor mundial do camarão M. rosenbergii e a espécie nativa Pitu encontra-se ameaçada de extinção e vem sendo utilizada, desde 2012 até a atualidade, em contínuos repovoamentos de açudes e barragens do RN.

BIOMIN NOMEIA NOVO GERENTE TÉCNICO A BIOMIN, multinacional austríaca e uma das líderes mundiais em aditivos e soluções naturais para nutrição animal, acaba de nomear Otavio Serino Castro para o cargo de gerente técnico comercial de aquicultura. Formado em zootecnia pela Universidade Federal do Paraná e com Mestrado na área de Nutrição Animal e Aquicultura pela Universidade Federal do Ceará, o executivo assumirá o desafio de iniciar o trabalho junto ao setor no país. “É uma grande responsabilidade visto que a empresa possui excelentes referências e resultados no mercado asiático e na indústria do salmão. As expectativas da BIOMIN são motivadoras pois acreditamos que iniciaremos trabalho em um momento propício, onde os aquicultores estão atingido um alto nível de tecnificação e as indústrias de alimentos buscando trazer inovação para seus produtos. Com o mercado aquícola em franca expansão novos desafios estão surgindo, e nós pretendemos trazer novas soluções em saúde intestinal e eficiência alimentar ao setor através do estabelecimento de parcerias sólidas, contando com o apoio da experiente equipe técnica internacional e do time de pesquisa e desenvolvimento ”, afirma Castro. O executivo entra para BIOMIN após cinco anos de atuação na indústria de alimentos balanceados para peixes e camarões no Brasil.

CASOS DE SUCESSO NA SEMAQUI 2014 – De 22 a 24 de outubro será realizada a XII SEMAQUI – Semana Acadêmica de Aquicultura da Universidade Federal de Santa Catarina. O evento será realizado em Florianópolis, na sede da Empresa de Pesquisa e Extensão Rural de Santa Catarina – EPAGRI. O Curso de Graduação de Engenharia de Aquicultura do Centro de Ciências Agrárias (CCA) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) é pioneiro no Brasil, tendo iniciado no primeiro semestre de 1999. O objetivo do Curso de Engenharia em Aquicultura é a formação de profissionais capazes de contribuir no desenvolvimento do cultivo de espécies aquáticas marinhas e de água doce nos âmbitos nacional e internacional, e este objetivo vem sendo atingido uma vez que, no ano em que completa seu décimo quarto aniversário, os egressos do curso da UFSC já se destacam na iniciativa privada e instituições públicas do Brasil e exterior. A SEMAQUI é um evento tradicional e consolidado, realizado anualmente pelos acadêmicos do curso de graduação de engenharia de aquicultura, com apoio dos alunos do Programa de Pós-Graduação em Aquicultura, da coordenação do Curso e do Departamento de Aquicultura do Centro de Ciências Agrárias da UFSC. Segundo Thiago Gil dos Santos, aluno de graduação e presidente da Comissão Organizadora da XII SEMAQUI, o evento deste ano está totalmente voltado para o universo produtivo, razão pela qual os responsáveis por diversos casos de sucesso na aquicultura brasileira farão apresentações durante o evento. Mais informações podem ser obtidas no site: www.semaqui.ufsc.br e na fanpage: www.facebook.com.br/SEMAQUI.UFSC.

VESTIBULAR ENGENHARIA DE AQUICULTURA – O grande desenvolvimento nacional do setor e a grande demanda da Região Centro-Oeste por profissionais qualificados na área de produção de pescado levou a Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD) a implantar o curso de Engenharia de Aquicultura, o primeiro da Região. A primeira turma já está em atividade e a cada ano serão disponibilizadas 60 vagas em turno integral com duração de cinco anos, conferindo o título de Bacharel em Engenharia de Aquicultura. As provas do vestibular 2015 da UFGD acontecerão no dia 23 de novembro de 2014, e serão aplicadas em 15 municípios de Mato Grosso do Sul: Amambai, Campo Grande, Cassilândia, Corumbá, Coxim, Dourados, Jardim, Mundo Novo, Naviraí, Nova Andradina, Paranaíba, Ponta Porã, Porto Murtinho, São Gabriel do Oeste ou Três Lagoas. As inscrições estão abertas até o dia 6 de outubro e devem ser feitas pelo link http://cs.ufgd.edu.br/vestibular/2015. Mais informações com as professoras Fabiana Cavichiolo e Daniele Albuquerque no telefone: (67) 3410-2417.

NUTRECO BRASIL COMEMORA OS BONS RESULTADOS – A Nutreco Brasil, empresa de nutrição animal que detém a marca Fri-Ribe para aquicultura promoveu nos dias 13 e 14 de agosto sua convenção anual focada em revendas. O evento, realizado em Ribeirão Preto (SP), sede da companhia no Brasil, reuniu cerca de 100 pessoas de todas as regiões do país. Segundo o diretor presidente da Nutreco Brasil, Luciano Roppa a companhia pretende se tornar nos próximos anos a empresa líder no mercado nacional de nutrição animal. “Nos sete primeiros meses de 2014 já vendemos 17% a mais do que 2013 inteiro”, informou Roppa aos participantes da Convenção. A Nutreco no Brasil conta com 720 funcionários, sete fábricas, 150 representantes comerciais, 13 mil clientes e 1.900 pontos de venda.

INTOXICAÇÃO POR MICROALGAS – No mês de agosto, a presença de algas produtoras da toxina diarreica (DSP) em áreas de cultivo de ostras e mexilhões no litoral catarinense provocou mais uma vez a interdição de áreas de produção. A notícia saiu na grande mídia local, o público foi informado, a comercialização parou, e nem por isso o mundo acabou. Nenhum alvoroço. Bastou aguardar a permissão para retomar a comercialização, e vida que segue. É assim no mundo todo, e aqui não está sendo diferente. Parabéns a todos os envolvidos, principalmente ao Laboratório de Estudos sobre Algas Nocivas e Ficotoxinas, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC), que faz as análises e garante a segurança da atividade.

SECA EM SÂO PAULO – Uma liminar da Justiça de São Paulo determinou em 20 de agosto último que a CESP e a ONS (Operadora Nacional do Sistema Elétrico) interrompam a produção de energia elétrica no reservatório de Ilha Solteira, cujas águas se encontram bem abaixo do nível mínimo, sob pena de multa de R$ 100 mil por dia de descumprimento. A ação conjunta foi movida pelo Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Sustentável de Piscicultura da Região de Santa Fé do Sul (CIMDESPI), a Associação de Piscicultores de Três Fronteiras e Região (APROPESC) e a Associação Brasileira da Indústria de Processamento da Tilápia (AB-Tilápia), com o apoio da  Câmara Setorial do Pescado do Estado de SP. Entretanto, nem com decisão da Justiça a sangria do reservatório foi estancada. Até o fechamento dessa edição a CESP não havia acatado a decisão, e seguia gerando energia, prejudicando toda a piscicultura da região. Emerson Esteves, presidente da Câmara Setorial do Pescado do Estado de São Paulo e outras lideranças locais convocaram piscicultores paulistas e mato-grossenses para um grande protesto marcado para iniciar na sexta-feira dia 12 de setembro. Os produtores prometeram paralisar por tempo indeterminado o tráfego de veículos e trem na ponte rodoferroviária em Santa Fé do Sul até que haja um diálogo com o Governador do Estado, CESP, ONS E MPA, para resolver as questões do nível do reservatório que não para de baixar. Esta é a primeira vez que vemos na piscicultura brasileira uma mobilização desse porte.

AQUICULTURA MARINHA MULTITRÓFICA – Uma parceria entre o Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), a Universidade de São Paulo (USP) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) deverá resultar na instalação de um laboratório marinho flutuante e no estabelecimento de um protocolo básico de manejo para cultivos integrados de diferentes espécies marinhas, a chamada Aquicultura Marinha Multitrófica. Estes são alguns dos desafios de dois projetos desenvolvidos pelo MPA, a USP e o CNPq, sob a coordenação do professor Daniel Lemos, do Laboratório de Aquicultura (LAM) do Instituto de Oceanografia da Universidade de São Paulo. O pesquisador explica que um dos estudos em desenvolvimento é o Projeto Aquamar, iniciado em 2012, que investiga a alimentação e nutrição no cultivo de peixes e camarões marinhos. A pesquisa, beneficiada pelo Projeto Ciência sem Fronteiras, é financiada diretamente pelo CNPq. A USP oferece contrapartida em pessoal e infraestrutura de pesquisa. O Aquamar também recebe apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e deverá ser concluído até julho de 2016. O segundo estudo é o Projeto de Aquicultura Multitrófica Integrada Marinha (AMTIM), desenvolvido no mar da região de Ubatuba (SP), e que prevê a criação de peixes, moluscos bivalves e algas. No cultivo multitrófico o desenvolvimento e crescimento de uma espécie pode beneficiar outras espécies. O AMTIM tem, entre outros desafios, a instalação legal de um laboratório flutuante e o estabelecimento de um protocolo básico de manejo multi-específico em criação, e conta com recursos financeiros do MPA e da USP e deverá ser finalizado até janeiro de 2015.

FERRAZ INAUGURA MAIS UMA FÁBRICA – Foi inaugurada no dia 29 de junho a “Peixes da Amazônia”, primeira fábrica de ração para peixes carnívoros do Acre. A fábrica equipada pela Ferraz Máquinas faz parte do Complexo de Piscicultura do Acre, localizado em Rio Branco/AC, às margens da BR 364. A “Peixes da Amazônia” receberá ao todo R$72 milhões em investimento, e promete revolucionar o setor de pescado da Amazônia. Somente para a fábrica de rações foram investidos R$20 milhões. A fábrica é uma das mais modernas do Brasil. Sua estrutura equivale a um prédio de sete andares, e sua capacidade anual de produção será de 40 mil toneladas, atendendo a demanda local e também de outros estados do país. O Complexo de Piscicultura do Acre englobará desde a fabricação da ração até a venda do peixe filetado. A expectativa é de que 3 mil piscicultores sejam beneficiados.

CURSO DE BIOFLOCOS – Para os interessados nas técnicas de cultivo em sistemas de bioflocos, a equipe do Projeto Camarão da Estação Marinha de Aquacultura, pertencente à Universidade Federal do Rio Grande (FURG), irá realizar de 9 a 11 de dezembro de 2014, a sexta edição do curso “Cultivo de Camarões em Sistemas de Bioflocos”. O curso tem duração de 25 horas, sendo distribuídas em aulas teóricas e práticas, todas realizadas nas instalações do Laboratório de Carcinocultura da FURG, localizado na Praia do Cassino, na cidade de Rio Grande, RS. A equipe da FURG conta com profissionais com experiência em diferentes áreas que englobam o sistema de bioflocos e o curso é voltado principalmente a produtores que já estejam trabalhando ou tenham interesse em conhecer um pouco mais sobre esse sistema. Estruturas de cultivo (raceways, viveiros), manejo da qualidade de água, manejo de fertilização e alimentação, biossegurança e aspectos econômicos são alguns dos tópicos que serão abordados, inclusive em aulas práticas. As vagas são limitadas e o valor do investimento é de R$ 1.200,00, que deve ser depositado e devidamente comprovado seu pagamento até o dia 10 de novembro de 2014. Após esse período e até dia 28 de novembro, o valor a ser investido é de R$ 1.500,00. Mais informações através do e-mail: [email protected] ou pelo fone (53) 3236-8042.

CAPTURA E TRANSPORTE DE MATRIZES – O ministro do MPA, Eduardo Lopes, assinou em 11 de agosto a Instrução Normativa Nº 16 que estabelece critérios e procedimentos para concessão de autorização de captura de exemplares selvagens de organismos aquáticos para constituição de plantel de reprodutores em empreendimentos de aquicultura. A cerimonia de assinatura aconteceu no Rio de Janeiro na presença de representantes da aquicultura ornamental, atividade que mais se beneficiará com a medida. A IN faculta ao produtor, devidamente inscrito no RGP na categoria Aquicultor, capturar espécimes para fins de formação de planteis mediante a obtenção da “Autorização de Coleta, Captura e Transporte de Organismos Aquáticos Vivos”, a ser pelo MPA. A solicitação deve ser encaminhada em formulário próprio disponível na Superintendência Federal da Pesca e Aquicultura, da Unidade da Federação na qual se localiza o empreendimento de aquicultura. A autorização terá prazo de validade de um ano e o MPA não autorizará a captura de organismos aquáticos vivos constantes de listas oficiais de espécies ameaçadas de extinção. Para espécies cujos indivíduos machos adultos não ultrapassam 10 cm de comprimento total, fica estabelecido que o número máximo de captura é de 400 indivíduos. Para espécies cujos machos adultos apresentem comprimento total superior a 10 cm e inferior a 30 cm, o número máximo será de 200 indivíduos; e, para espécies cujos indivíduos machos adultos apresentem comprimento total igual ou superior a 30 cm, fica estabelecido o número máximo de captura de 100 indivíduos. Apesar de ter sido criada para estimular os produtores de espécies ornamentais a formarem seus próprios planteis e assim estimular a produção de um número maior de espécies ornamentais, a IN também beneficia produtores de espécies para consumo que por ventura queiram capturar exemplares selvagens para reforço de plantel reprodutor.