NOTÍCIAS & NEGÓCIOS_edição 150

BIORIGIN NA FENACAM – Pelo quarto ano consecutivo, a Biorigin participará como expositora da FENACAM, evento que acontecerá em Fortaleza – CE, de 16 a 19 de novembro. A Biorigin estará representada por suas equipes técnica e comercial e ficará a disposição dos visitantes para apresentar soluções em ingredientes naturais indicados para indústrias e produtores que buscam melhor saúde, desempenho e lucratividade.

A fim de reforçar a posição de produto líder no segmento de aquicultura, o destaque mais uma vez será para o MacroGard, aditivo modulador inteligente do sistema imune, que atua de acordo com a condição imune de cada animal. O vasto dossiê técnico-científico do produto comprova que camarões e peixes tropicais suplementados com MacroGard tiveram uma maior resistência a bactérias, vírus e parasitas, tendo menores taxas de morbidade e mortalidade.

A Biorigin ainda apresentará outras soluções em ingredientes 100% naturais, focadas na melhora da saúde intestinal, na melhora do desempenho e no controle de micotoxinas, além de soluções nutricionais, fontes de proteína. Segundo o Gerente Global de Negócios Feed, Roberto Vituzzo, estar pela quarta vez consecutiva presente na FENACAM, demonstra a importância do evento para o setor e para a Biorigin. “Investimos continuamente na aquicultura, especificamente na carcinicultura, com foco no desenvolvimento de soluções naturais que garantem melhores ganhos na produtividade.

Acreditamos que desta forma manteremos a liderança global no segmento de beta-glucanos com nosso produto MacroGard”, conclui Roberto. Fundada em 2003, a empresa mobiliza conhecimento e tecnologia para, a partir de processos biotecnológicos, desenvolver soluções inovadoras em ingredientes 100% naturais para saúde e bem-estar dos animais e das pessoas.

Seu portfólio é composto por ingredientes 100% seguros, garantidos pela rastreabilidade total do processo de produção, desde a matéria-prima até o consumidor final, além da qualidade assegurada pelas certificações ISO 9001:2008, ISO 22000:2005, Kosher, Halal, GMP+B2 e HACCP. Para mais informações: www.biorigin.net

INTERCÂMBIO DE TECNOLOGIA – Segue de vento em popa a parceria firmada entre a empresa Larvi Aquicultura & Projetos Ltda., de Macau, RN, e a Universidade Juarez Autonoma de Tabasco (UJAT), de Villahermosa, México. No início de setembro o especialista da Larvi Aquicultura, engenheiro de pesca Pedro Custódio Braga, embarcou para a sua segunda temporada de trabalho nos laboratórios da UJAT, para dar continuação ao projeto iniciado no primeiro semestre deste ano, que resultou na restruturação das instalações da universidade e nas primeiras pós-larvas de Macrobrachium carcinus, produzidas naquele país.

A parceria da Larvi Aquicultura com a UJAT foi iniciada em 2013, quando Jaqueline Medeiros Gastelú, sócia-diretora da empresa, foi convidada pelo reitor da UJAT para conhecer e trocar tecnologia de larvicultura do M. carcinus com pesquisadores da instituição, liderados pela professora Jeane Rimberindy, chefe do laboratório de produção de pós-larvas da UJAT. Conhecido no Brasil como pitú, o M. carcinus é bastante apreciado pelo povo mexicano, onde é conhecido como “pigua”.

Lá, como aqui, o pigua sofre dos mesmos problemas – sobrepesca, poluição, entre outros, que fez com que quase desaparecesse dos rios mexicanos. A primeira visita de Pedro Braga resultou na produção de 13 mil pós-larvas, um resultado inédito para a UJAT, com repercussão nacional. O cultivo foi realizado com larvas obtidas de quatro fêmeas, e a larvicultura foi conduzida com densidade de 40 a 55 larvas/litro.

As larvas foram alimentadas com dieta seca e úmida (artesanal), usando o manejo similar ao que a Larvi faz no seu laboratório aqui no Brasil. O aparecimento das primeiras pós-larvas deu-se com 38 dias e a duração total do cultivo foi de 55 dias. Parte das pós-larvas lá produzidas foram liberadas no rio Usumacinta, na cidade de Tenosique-Tabasco, em um grande evento comandado pelo reitor Jose Manuel Pina Guterrez, com a presença de autoridades do governo federal e da UJAT. A Larvi Aquicultura estava representada por Pedro Custódio Braga.

Foram também povoados viveiros de piscicultura localizados no município de Jalapa, e nas proximidades de Villahermosa. Esta realização trouxe esperança para a preservação e produção do pitu/pigua no México, marcando um trabalho pioneiro no país, resultado da parceria universidade/empresa.

MAIS UMA VEZ CINCO ESTRELAS – O Curso de Engenharia de Pesca da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) foi novamente contemplado com pontuação máxima pelo Guia do Estudante da Editora Abril, que concedeu cinco estrelas à graduação. “Essa conquista acontece pela nona vez consecutiva desde 2007, o que nos enche de muitas alegrias, pois implica num reconhecimento da dedicação de todos que fazem e fizeram esse curso”, disse a professora do DEPAq/UFRPE Maria do Carmo (Carminha) F. Soares.

O curso, que se destaca também pelo seu pioneirismo, foi implantado no Estado de Pernambuco nos anos de 1970 pelo então reitor Adierson de Azevedo. O empenho e a total dedicação dos professores japoneses Johei Koike e Yoshito Motohashi, contribuíram para alavancar o curso em seu período inicial. O Curso de Engenharia de Pesca da UFRPE também recebeu nota máxima na avaliação do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade-2008), do Ministério da Educação, cuja qualidade dos cursos é medida por uma escala que vai de 1 a 5, sendo 5 a nota mais alta.

OUTORGA EM TEMPO RECORDE – O anúncio feito pelo Ministro Helder Barbalho de que a Regal Springs está sendo outorgada para produzir 100 mil toneladas/ano em Jupiá deixou muitos produtores preocupados. Segundo Emerson Esteves, presidente da Câmara Setorial do Pescado do Estado de São Paulo, não é justo que, diante de tantos problemas de outorgas no Brasil, uma empresa que chega por último seja beneficiada com uma outorga em tempo recorde, apenas pelo fato de ser grande, deixando para trás todos aqueles que há anos buscam esse objetivo. Esteves já solicitou uma audiência ao MPA para tratar desse e de outros assuntos que preocupam e trazem incertezas aos produtores.

XIX CONBEP – O XIX Congresso Brasileiro de Engenharia de Pesca se realizará no período de 4 a 8 de outubro, na cidade de São Luís (MA), tendo como tema principal “Engenharia de Pesca: transformando os recursos aquáticos em benefícios para a humanidade”.

De acordo com Elizeu de Brito, presidente da Federação Nacional dos Engenheiros de Pesca (FAEP-BR), atualmente o Brasil conta com aproximadamente cinco mil engenheiros de pesca. Paralelamente ao congresso será realizado o I Workshop de Avaliação de Estoques e Estatística Pesqueira; o II Workshop sobre Assistência e Extensão Pesqueira; o I Seminário de Desenvolvimento Tecnológico e Manejo do Caranguejo Uçá no Maranhão; o Encontro Nacional dos Diretores/Coordenadores dos Cursos de Engenharia de Pesca e a Expo CONBEP: Feira da Pesca e Aquicultura, que irá reunir as principais empresas e instituições envolvidas com o setor pesqueiro e aquícola do país, onde irão expor seus produtos e serviços.

O XIX CONBEP contará com a participação da Federação Nacional dos Engenheiros de Pesca do Brasil FAEP-BR, das Associações Estaduais dos Engenheiros de Pesca AEP’S e da Associação Brasileira de Engenharia de Pesca – ABEP. A programação técnico-científica do evento será composta por 18 conferências, 13 mesas-redondas e 11 minicursos. A organização espera para a segunda-feira (5/10) a presença do ministro do MPA Helder Barbalho, para proferir a primeira conferência do dia, seguido pelo Engenheiro de Pesca Prof. Dr. Fábio Hissa Hazin – Secretário de Planejamento e Ordenamento da Pesca do MPA e Presidente do Comitê de Pesca da FAO, que apresentará a palestra “A Pesca e a Aquicultura no mundo sob a perspectiva do COFI / FAO”.

Para falar sobre Licenciamento ambiental da aquicultura foram convidados os palestrantes João Crescêncio Aragão Marinho, diretor do Departamento de Planejamento e Ordenamento da Aquicultura em Estabelecimentos Rurais e Áreas Urbanas do MPA e Enox de Paiva Maia, representante da ABCC, além de representantes de Órgãos Ambientais Estaduais e do IBAMA. Além desses temas serão debatidos ainda a Piscicultura Familiar; Recirculação na Aquicultura; Produção de Branchonetas para Alimentação de Camarão Marinho em Água Doce; Potencialidades para Produção na Malacocultura, dentre outros. As informações sobre os diversos tipos de inscrição podem ser visualizadas no endereço: http://xix-conbep.webnode.com/incricoes/

INCENTIVOS FISCAIS PARA O SETOR AQUÍCOLA – O governador do Pará Simão Jatene publicou no início de setembro um decreto que dá benefícios fiscais para o setor de aquicultura no estado, e que torna o Pará o primeiro estado brasileiro a possuir um capítulo específico para a atividade aquícola dentro do seu Regulamento de ICMS (RICMS-PA).

Entre seus principais pontos está a concessão de diferimento de alíquota para compras interestaduais de máquinas e equipamentos para estabelecimentos de reprodução, alevinagem, recria, engorda, beneficiamento e industrialização do pescado da aquicultura, assim como para a importação de máquinas e equipamentos sem similares na indústria nacional.

O decreto concede ainda isenção de ICMS para as saídas internas e interestaduais de pirarucu, tambaqui, pintado e jatuarana criados em cativeiro. No caso do pirarucu, a isenção alcança também o capturado em reservas ambientais autossustentáveis mantidas com autorização do IBAMA. Também passam a ser isentas de ICMS as operações internas e interestaduais de pós-larva de camarão e de reprodutores de camarão marinho produzidos no Brasil, assim como as de importação de pós-larvas e de reprodutores de camarão para fins de melhoramento genético, quando efetuadas diretamente por produtores.

BIJUPIRÁ EM ANGRA DOS REIS – O projeto de criação do bijupirá em cativeiro, que vem sendo coordenado pela Secretaria de Pesca e Aquicultura da Prefeitura de Angra dos Reis (RJ), está sendo ampliado. No início de setembro chegaram as estruturas de 10 novos tanques-redes de PEAD, com 12 metros de diâmetro, para serem instalados na Ilha Grande, entre Matariz e Bananal, local onde funciona a área da unidade demonstrativa do projeto. O projeto de criação do bijupirá em cativeiro é uma parceria entre a Secretaria de Pesca e Aquicultura e o Ministério da Pesca.

O convênio para a viabilização do projeto foi assinado quando o deputado federal Luiz Sérgio era ministro da pasta. Ao todo, estão sendo aplicados R$ 850 mil para a execução do projeto de criação do bijupirá. Parte desses recursos vem do Ministério da Pesca e outra parte é da prefeitura. Outros equipamentos, como a balsa para o manejo dos peixes e as redes para os tanques-rede, já foram adquiridos.

Segundo Marcelo Lacerda, gerente de maricultura da secretaria, com os tanques-rede será possível capacitar uma quantidade significativa de pescadores para a criação do bijupirá, o que sem dúvida vai representar, em um período muito próximo, um aumento na produção, que é o objetivo principal do projeto.

CURSO DE SANIDADE EM PISCICULTURA – A Trouw Nutrition Brasil, com seu Programa de Nutrição para Aquicultura Fri-Aqua esteve presente no 8º Curso de Sanidade em Piscicultura realizado em julho, em Jaboticabal (SP), a partir do tema “Problemas ambientais e sanitários desafiando a piscicultura brasileira.

Como superá-los?”. “O curso realizado anualmente conta com a parceria da Trouw Nutrition Brasil. Sempre apoiamos a iniciativa e é sempre muito positivo, pois é uma oportunidade de troca de conhecimento e experiências”, afirma Daniela Nomura, técnica em piscicultura da Trouw Nutrition Brasil, que coordenou o curso junto a Fabiana Pilarski, bióloga e pesquisadora do Centro de Aquicultura da Unesp, na área de Sanidade de Organismos Aquáticos.

A programação do curso, cujo foco principal foi a importância de se prevenir doenças, contou com importantes palestras de especialistas do setor, tais como José Galizia Tundisi (Instituto Internacional de Ecologia); Francisco Chagas Medeiros (Peixe BR – Associação Brasileira da Piscicultura); Jesper Heldbo (AquaCircle/Dinamarca); Alberto Jorge Pinto Nunes (Labomar/Universidade Federal do Ceará); Viviane Angeli Yokoyama Turini (MCassab Foods); Luciane Sperandio Floriano (Instituto Federal Goiano); Diogo Teruo Hashimoto (CAUNESP); José Luiz Pedreira Mouriño (Universidade Federal de Santa Catarina); Rodrigo Zanolo (MSD Saúde Animal); Frederico Tomiita (Suiaves); Guilherme Rocha Vianna (Belgo Bekaert Arames); Fabiana Garcia Scaloppi (Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios – APTA); Ricardo M. Takemoto (Universidade Estadual de Maringá).

“Além das palestras, os participantes puderam também fazer aulas práticas demonstrativas de produtos e equipamentos, e aprenderam a identificar os principais sinais clínicos de enfermidades parasitárias e bacterianas nos peixes e como visualizar esses patógenos no microscópio”, diz Fabiana.

Os participantes puderam ainda se informar sobre o que acontece em países como Chile e Noruega, que trabalham exclusivamente com a prevenção de enfermidades, utilizando medidas de biosseguridade, reduzindo o uso de antibióticos e produtos químicos e para produzir um peixe sustentável que realmente contribua com a saúde do consumidor. Com foco em ciência e tecnologia, a Trouw Nutrition possui 10 centros de pesquisa localizados em países como Holanda, Noruega, Espanha, Canadá, China, entre outros.