Notícias & Negócios – edição 67

ARAQUARI – Dia 20 de setembro último aconteceu a aula inaugural do curso para formação de Técnico em Aqüicultura do Colégio Agrícola Senador Carlos Gomes de Oliveira, pertencente a UFSC, localizado no município de Araquari, a 186 km ao norte de Florianópolis, SC. Até o final de novembro a escola estará recebendo as inscrições dos interessados na segunda turma, que prestarão o exame de seleção em 1o de dezembro. O Curso Técnico em Aqüicultura é um curso seqüencial para alunos que tenham o segundo grau completo. O Colégio Agrícola tem entorno de 240 alunos, e cerca de 60% destes moram no internato da escola, recebendo alimentação, alojamento, serviço de lavanderia e uma infra estrutura para lazer e estudo. Os alunos vêm dos mais diversos estados brasileiros, principalmente: Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (47) 447-1140 ou pelo site www.cascgo.ufsc.br

EPAGRI VII – A Epagri-SC acaba de adquirir da empresa francesa Mulot, a primeira embarcação ostrícola que irá operar em águas brasileiras. Essas embarcações, próprias para o operar em parque de cultivo de moluscos, são responsáveis pela escala industrial que esta atividade alcança em diversos países. Segundo Domingos Sávio Zancanaro, Secretário Municipal de Agricultura de Florianópolis, a embarcação mede 10 x 3,1 metros e opera com um motor de popa de 150 CV. Operado por quatro homens, o Epagri VII, como foi batizado, possui um braço hidráulico para operar as long lines e duas máquinas que debulham e fazem a limpeza e seleção dos moluscos ainda a bordo. A embarcação foi adquirida a um custo de R$ 290 mil , aí incluídos os custos com frete e taxas de importação. O Epagri VII, através de um convênio da Epagri com o Município de Florianópolis, irá passar por uma fase de testes junto às associações de produtores e faz parte de um plano para dar início aos cultivos em águas mais profundas. No ano passado Santa Catarina colheu 990,3 mil dúzias de ostras e 9,5 toneladas de mexilhões e, deste total, somente a região produtora da grande Florianópolis foi responsável pela produção de 682,3 mil dúzias de ostras e 5,8 milhões de toneladas de mexilhões.

BACTERIOSES – Além dos exames parasitológicos, a empresa Acqua & Imagem agora também oferece um serviço para o diagnóstico de bacterioses em peixes, aumentando assim o seu leque de serviços de suporte às pisciculturas, pesque-pagues, indústrias de rações e empresas de assistência técnica, para a prevenção, diagnóstico e controle de doenças em peixes. A responsável pela equipe é a médica veterinária Ludmilla Kubitza, com capacitação em microbiologia clínica junto a Universidade de São Paulo e treinamento no diagnóstico de doenças bacterianas em peixes junto aos laboratórios de ictiopatologia do USDA, da Universidade de Auburn e do Fish Farming Center, em Greensboro no Alabama, EUA. Os serviços incluem a avaliação dos sinais clínicos, o isolamento e a identificação das bactérias patogênicas e a realização de antibiogramas para identificar os antibióticos eficazes no controle das bactérias. Informações (11) 4587-2496.

FONES NOVOS – As companhias telefônicas continuam mudando os números de telefone de várias empresas em todo o Brasil. Anote as últimas mudanças: a Indústria e Comércio Chavantes, que comercializa máquinas peletizadoras para rações, farelos e pós finos, com e sem vapor, está atendendo agora pelo fone (14) 3342-1911 e fax (14) 3342-1913. A Equabrás Aqüicultura e Tecnologia Ltda, que oferece consultoria para cultivos de camarão, bem como produz e vende náuplios e pós-larvas de Litopenaeus vannamei pode ser agora contatada pelo telefone (84) 207-6000 e fax (84) 217-6500. Também a Aquilim – Aqüicultura Limoeiro Ltda, que comercializa alevinos de tilápias para todo o Brasil, agora atende nos fone/fax (81) 3322-0880 e fax (81) 3326-0237.

JICA – Numa parceria com o governo da Paraíba e o Ibama, a JICA – Agência da Cooperação Técnica do Japão, um órgão do governo japonês criado para auxiliar na melhoria de qualidade de vida de comunidades de países em desenvolvimento, vai investir num projeto de cultivo de camarão na praia do Jacaré, em Cabedelo. A opção pelo local se deu a partir de pesquisas que o identificaram como propício para desenvolver o projeto de cooperação e também pelo interesse da comunidade em participar do projeto, que prevê intercâmbio e cooperação técnica para a instalação de uma estação experimental da qual participarão a Prefeitura de Cabedelo, a Secretaria de Agricultura do Estado, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Superintendência de Administração do Meio Ambiente (Sudema) e Universidade Federal da Paraíba. A construção dos viveiros está a cargo da Prefeitura de Cabedelo e caberá a agência japonesa fornecer os equipamentos necessários à estação experimental e treinar a mão-de-obra, que será recrutada na própria comunidade. Ao que tudo indica o início das obras só depende de um parecer do Ibama, liberando uma área de aproximadamente 25 hectares pertencentes ao patrimônio da União.

ASSOCIAÇÕES – A ABRAq – Associação Brasileira de Aqüicultura está empenhada em cadastrar todas as associações de aqüicultores do Brasil. Para isso, solicita aos dirigentes ou mesmo associados dessas entidades, que entrem em contato o mais breve possível através do e-mail: [email protected] ou pelos telefones (62) 209-1329 aos cuidados de Nazareth Brandão.

CRBio2 – Em comemoração do Dia Nacional do Biólogo, o CRBio-2 – Conselho Regional de Biologia inaugurou em 3 de setembro a sua nova sede no centro da cidade do Rio de Janeiro. Segundo a Presidente do CRBio2, Fátima Cristina Inácio de Araújo, foi realizado um antigo sonho e dado um grande passo para o crescimento e reconhecimento da profissão. Agora que os espaços para as assessorias já estão definidos, o Conselho vai dar seguimento à última etapa das obras, que prevê a instalação de um auditório, que depois de reformado proporcionará aos biólogos um lugar mais adequado às suas reuniões. A nova sede do CRBio-2 está localizada na Rua Álvaro Alvim, 21 – 12o andar, 20031-000 – Centro – Rio de Janeiro – RJ, fone: (21) 2220-2655 email: [email protected]

FALHA NOSSA – O artigo “O cultivo da vieira Nodipecten nodosus no Brasil: subsídios para o desenvolvimento sustentável”, publicado na última edição, número 66 da Panorama da Aqüicultura foi, por nossa falha, diagramado sem os créditos do autor. O artigo foi escrito por Guilherme Rupp, biólogo, mestre em aqüicultura pela UFSC, doutorando pela Memorial University of Newfoundland, St. John’s, NF, Canadá e pesquisador da FAPEU/LCMM-UFSC. Seus e-mails: [email protected] ou [email protected]

CARREFOUR – Desde o ano passado, a rede Carrefour vem exportando para a sua matriz na França, toneladas de manga, melão e mamão papaia. Recentemente, a empresa francesa incluiu na sua pauta de exportação os camarões Litopenaeus vannamei criados no Brasil. Até o final do ano serão despachadas cotas semanais de 80 toneladas do produto e, para o próximo ano serão mais 1.800 toneladas, que ocuparão além das prateleiras francesas, as lojas da rede na Espanha e na Itália. Nos planos da empresa estão ainda algumas lojas de Portugal e da Grécia. Todos os produtos exportados pelo Carrefour possuem o Selo de Garantia de Origem, uma certificação que além de exigir do produto final uma boa aparência e sabor autênticos, prevê a adequação da produção a diversas normas. O produtor para receber o selo de garantia, não pode incluir no cultivo ingredientes como antibióticos, agrotóxicos ou transgênicos. Além disso, a produção deve ser ecologicamente correta.

FUNDO DA RAÇÃO – O que já está bom, sempre poderá ser melhorado. Os produtores de camarão brasileiros ao adquirirem rações estavam pagando na hora da compra R$ 0,01 a mais por cada quilo, contribuindo para um fundo gerenciado pela ABCC – Associação Brasileira de Criadores de Camarão. Como resultado, a associação, além de ter dado um salto qualitativo, também passou a financiar inúmeros projetos que já estão trazendo benefícios a todos os carcinicultores. E esses benefícios são tão evidentes, que os carcinicultores decidiram recentemente, aparentemente sem choro, aumentar esta contribuição para R$ 0,025. Outros setores da aqüicultura namoram esta idéia e já acenaram suas intenções para o COAq/ANFAL, Comitê de Organismos Aquáticos da Associação dos Fabricantes de Alimentos para Animais.

COAq/ANFAL – Depois de quatro anos trabalhando a frente do Comitê de Organismos Aquáticos da Associação dos Fabricantes de Alimentos para Animais, Silvio Romero Coelho, Gerente de Aqüicultura da Mogiana Alimentos, deve deixar o cargo, segundo o seu desejo manifestado ao Comitê. O nome do seu substituto será revelado, possivelmente, após a próxima reunião do COAq que se realizará nos primeiros dias de janeiro de 2002.

ÔMEGA-3 – Pesquisadores da Guelph’s Human Nutraceutical Researh Unit, da Universidade de Guelph no Canadá, informam que comer peixes pode ajudar a prevenir o mal de Alzeheimer e a demência. O estudo realizado mostrou uma estreita ligação entre o consumo de pescados e a saúde neurológica. Segundo Julie Conquer, diretora da unidade e líder da pesquisa, aumentar o consumo de pescados e outras fontes de ômega 3 na dieta de pessoas de idade avançada é bastante prudente. Amostras de sangue de 70 idosos moradores de Toronto foram investigadas e os resultados mostraram que os que mantinham suas funções cognitivas normais possuem taxas mais altas de ácidos docosahexaenóico – DHA do que o segundo grupo de idosos, que sofrem com o mal de Alzheimer. A ligação entre os níveis de ômega 3 nos idosos e problemas ligados a depressão e a dificuldade de concentração já havia sido detectada anteriormente. Ainda sobre o ômega 3, Ricardo Tsukamoto, da empresa Bioconsult, chamou a atenção dos participantes da lista Panorama-L para uma notícia da WorldCatch News Network, relatando os resultados de uma pesquisa realizada pela University of Connecticut que ampliou os efeitos benéficos conhecidos dos ácidos graxos ômega-3 de peixe – os ácidos docosahexaenóico (DHA) e eicosapentaenóico (EPA). Dessa vez, descobriu-se que os bebês humanos não produzem a quantidade desejável de DHA. Portanto, o ideal seria a mãe ingerir peixes com alto teor de DHA, para que esse nutriente fosse transportado ao bebê pelo leite materno. O efeito esperado seria um aumento na inteligência do bebê. Alguns alimentos industrializados à venda no comércio, são propagandeados como tendo “ômega 3 adicionado”. Na maioria dos casos, porém, o componente “ômega 3” adicionado é o ácido linolênico, que não apresenta os efeitos benéficos do DHA, nem para o coração de quem o consome, nem para os bebês. Só vale mesmo, se tiver DHA e EPA. É bom conferir o rótulo, diz Tsukamoto. Já na aqüicultura, o teor desses dois ácidos graxos é o principal fator que define a qualidade nutricional do alimento vivo (artêmia, rotífero, etc.) para as larvas marinhas cultivadas de peixes e camarões. E a artemia brasileira, do Rio Grande do Norte, é considerada uma das melhores do mundo por ter alto teor desses ácidos graxos. Pena que a produção lá seja ainda tão pequena, diz Tsukamoto.

ARTEMIA DO RN – A Fazenda Experimental de produção de cistos e de biomassa de artemia em regime semi-intensivo, um projeto da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e da ABCC – Associação Brasileira de Criadores de Camarão, iniciado em abril deste ano já está no seu terceiro ciclo e os resultados dos dois ciclos anteriores são bastante satisfatórios. Cada ciclo varia de 30 a 45 dias e, segundo o biólogo Marcos Rogério Câmara, se considerarmos um semana (7-8 dias) de intervalo entre cada ciclo, teremos entre 7 e 10 ciclos anuais de produção.

VALOR DA PELE – A empresa “SKW Gelatin-Specialties France SAS”, segunda produtora mundial de gelatina utilizada com fins de alimentação, uso farmacêutico e outras utilizações técnicas, com várias fábricas espalhadas ao redor do mundo, mostrou-se interessada na indústria brasileira do cultivo de tilápias, pretendendo adquirir algo em torno de 150 toneladas semanais de peles. A empresa desenvolveu e patenteou um processo que permite a obtenção de uma gelatina de excelentes características utilizando a pele de peixes, principalmente os de águas tropicais como a tilápia. As peles, para serem utilizadas para esse fim, têm que estar cruas, frescas, limpas, sem carne nem espinhas e com o mínimo de escama (sem nenhuma seria o ideal). Uma lavagem com água levemente clorada é desejável, seguido por um congelamento imediato. A empresa tem interesse em adquirir centenas de toneladas por ano de peles e a princípio considerou poder adquiri-las na China, na Tailândia e no Brasil. Dependendo da qualidade e da quantidade disponível, a empresa francesa pagará pelo quilo da pele de US$ 0,50 e US$ 1,00, incluindo o transporte até a França. Os contatos da SKW Gelatin-Specialties France SAS no Brasil foram feitos através de Lionel Dabbadie, especialista francês em aqüicultura, ora trabalhando no convênio feito entre a agência francesa CIRAD (Centre de Coopération Internationale em Recherche Agronomique pour lê Développement) com a Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento do Tocantins. Segundo Dabbadie, os contatos feitos até o momento mostram que os volumes possíveis de serem adquiridos no Brasil parecem ser menores do que a empresa francesa esperava obter, apesar de acreditar que em breve será possível a concretização de algumas transações comerciais. Mais informações podem ser obtidas com Dabbadie pelo telefone (63) 9978-5621 ou e-mail: [email protected]