Notícias & Negócios on-line_edição 47

De: ENGEPESCA
Para: Revista Panorama da Aqüicultura
Assunto: Página na Internet

Caros amigos, é com prazer que informo o endereço da Engepesca na internet, anotem aí www.engepesca.com.br. Nosso novo e-mail é [email protected]

De: “Cristininha”
Para: Todos da Lista Panorama-l
Assunto: Home Page 
Visitem a Home Page do Centro de Aqüicultura da UNESP http://www.funep.com.br/caunesp.htm

De: Rene Carvalho de Castro
Para: [email protected]
Assunto: Doença?

Há poucos dias comecei a sentir, novamente, os problemas do inverno…Depois de uns 4 dias de chuva forte,com a temperatura da água em torno dos 18 graus, alguns peixes (tilápias vermelhas) nadavam de forma lenta e estranha, até morrer. Pude perceber uma espécie de “lodinho” neles, mas nada que lembrasse um ataque de fungos que já vivi (pelo menos não em sua forma mais acentuada). Gostaria de uma ajuda. Já pensei em usar desde sal até verde malaquita. Será o correto? Desde já agradeço. Obs.: Os peixes em questão tinham em torno de 20 cm e 180 gramas

De: José Eurico Possebon Cyrino
Para: [email protected]
Assunto: Re: Doença?

Sim, pode ser doença. Em alguns casos, o aspecto de “flocos de algodão” causado pela infecção de fungos do gênero Saprolegnia, ao qual você deve estar familiarizado, pode ser substituído pelo aspecto do “lodo” superficial quando os peixes são atacados por alguns outros fungos. Do mesmo modo, uma infecção externa de bactérias da espécie Flexibacter columnaris pode dar este aspecto “lodoso” aos peixes. Sem ver, raspar, fazer lâmina e examinar, duvido que alguém possa dar um diagnóstico correto para você. Todos vão estar chutando o diagnóstico, como eu estou fazendo agora. Leve alguns peixes para um especialista ver, e cuidado no tratamento. Você quer solucionar, e não causar mais problemas, certo? Pelamordequalquercoisa deixe o verde de 
malaquita de lado. Antes de pensar nos seus peixes, pense na saúde de quem vai comê-los.

De: “Walter Boeger”
Para: [email protected]
Assunto: Re: Doença? 

Mais uma vez, um criador corre em busca de informações e diagnose de possíveis doenças de peixes cultivados e não sabe a quem recorrer. Infelizmente, este é um fato bastante comum no Brasil e que deve ser encarado de frente, e rapidamente, pelas autoridades estaduais e federais antes que seja tarde demais… Eu, pessoalmente, cansei de ficar falando às paredes! Ja fiz n reuniões com possíveis interessados (nos mais diversos níveis de governo e mesmo com particulares) sem sucesso. O objetivo destas reuniões era estabelecer um Centro de Diagnose e Estudos de Doenças do Pescado, que pudesse atuar na diagnose, desenvolvimento de técnicas de diagnose, prevenção e controle, e treinamento de pessoal na área. Apesar de continuar batendo com a cabeça na parede, continuo insistindo no tema. Ou isto, ou o problema vai atingir níveis insuportáveis e o país vai ser impedido de exportar sua produção, quando isto se tornar viável. Daqui a pouco será tarde demais. Sobre teu problema: fica difícil saber o que pode estar acontecendo. Com a entrada do inverno, a alteração climática, a temperatura da água, e as chuvas frias são agentes estressantes que acabam por reduzir drasticamente a resistência dos peixes às enfermidades. Muitos agentes patogênicos, que podem estar presentes no ambiente (ou no peixe) sem efetivamente causar nenhum problema, podem se tornar altamente prejudiciais, causando uma epidemia. Parece que você deva ter um problema com ectoparasitos e o sal é sempre uma medida boa e segura (e portanto, deve ser tentado antes de outra opção mais problemática). Evite usar verde malaquita, que é cancerígeno e teratogênico. Meu laboratório está se preparando para efetuar alguns tipos de diagnósticos no futuro breve, mas se você me disser em que região do país você está, eu talvez possa indicar um laboratório que possa fazer uma diagnose, mesmo que incompleta, do teu problema.Tenha cuidado com tratamentos, pois existem metodologias e cuidados específicos para a realização de um tratamento. Não é só jogar o sal na água de qualquer jeito. É sempre bom conversar com alguma pessoa que entenda um pouco mais sobre o assunto. Cuidado com os picaretas! Fui informado que algum “especialista” andava por São Paulo oferecendo curas milagrosas para doenças em pisciculturas por R$ 4.000,00/tratamento.

De: “João L. Campos”
Para: [email protected]
Assunto: Re: Doença?

Caro Renê e demais assinantes, estes problemas de começo de inverno realmente são sérios e medidas preventivas devem ser feitas antes das temperaturas abaixarem. Entre as medidas estão o correto manejo alimentar, controle da qualidade de água, etc. Infelizmente, não posso te ajudar na questão dos seus peixes, pois como já disse anteriormente, não sou especialista em doenças. Provavelmente alguns dos especialistas que acompanham as discussões da lista possam te ajudar. No entanto, como você falou em verde de malaquita, eu resolvi te dar um alerta. O verde de malaquita é um produto perigoso, comprovadamente cancerígeno (ele atua inibindo divisões celulares) e que permanece nos tecidos de peixes tratados por longo tempo (não sei quanto). Vários países (Taiwan, Tailândia) já sofreram restrições pesadas por parte dos EUA por tentarem vender peixes contaminados com verde de malaquita, pois é muito fácil descobrir a contaminação. Estou escrevendo tudo isso porque já tive o infortúnio de ouvir empresários do setor de pesca comentando sobre o uso de verde de malaquita em piscicultra, desqualificando na prática todo o peixe cultivado no Brasil, para uma platéia cheia de empresários do setor de pescado brasileiros e estrangeiros. Atitudes como esta, embora com uma boa carga de má fé e preconceito da parte do pessoal da pesca, prejudicam muito a nossa incipiente atividade. Nós produtores precisamos nos unir para preservar a qualidade do nosso produto, pois só assim vamos vender mais e melhor. Como produtor, eu sei que não existe nada mais duro que ficar observando peixes morrerem sem nada fazer, mas eu firmemente acredito que verde de malaquita aplicado em tanques de engorda ou pesque-pague, embora bastante eficiente em algumas situações, não seja a solução. Também acho que todos os técnicos envolvidos deveriam estar conscientes do que fazem quando recomendam qualquer produto.

De: Caroline Cherry
Para: Todos da AQUA-L
Assunto: verde malaquita
Gostaria de informações claras sobre a regulamentação do uso do verde malaquita. Sei que o uso não é aprovado em peixes mas não está banida a venda. Como a substância afeta a comercialização de peixes?

De: James A Mackie
Para: Todos da AQUA-L
Assunto: Re:verde malaquita 

A regulamentação varia de país para país e se o peixe é para alimentação ou não. Lembre-se ovos não são peixes até eclodirem, de onde se conclui que não estão sujeitos a legislação.

De: Rob Armstrong
Para: Todos da AQUA-L
Assunto: RE: verde malaquita 

Nos EUA e Canadá, o verde malaquita não está aprovado para o uso em peixes, qualquer que seja seu estágio de vida, incluindo ovos. Qualquer resíduo em peixes processados levará o produto a ser desclassificado e considerado como adulterado. O USFDA está permitindo um experimento com o uso do verde malaquita para tratamento de reprodutores de algumas espécies de salmonídeos para controle de fungos externos.