Notícias & Negócios On Line_edição 55

De: Anderson O. Latini
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Estatística de Pesca

Prezados amigos, estou precisando de dados de desembarque pesqueiro de água doce dos últimos anos. Alguém pode me ajudar? Procurei no site do IBGE e não encontrei. Procurei no site da FAO e encontrei desembarque para América Latina, porém sem discriminação para o Brasil. Se alguém puder me ajudar, agradeço muito.

De: Alberto J.P. Nunes
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Re: Estatística de Pesca

Anderson, Sugiro que e uma olhada melhor no site da FAO (Departamento de Pesca). Faça o download do programa FISHSTAT PLUS version 2.21 (Universal software for fishery statistical time series) seguindo a URL: http://www.fao.org/fi/statist/fisoft/fisoftoc.asp. Depois você poderá fazer o download dos seguintes dados na URL http://www.fao.org/fi/statist/FISOFT/FISHPLUS.asp: – Capture production 1984-1997: Download Ftp.fao.org/fi/stat/windows/fishplus/capdet.zip (0.9 Mb) Data included in the dataset refer to: FAO Yearbook of Fishery Statistics, Vol.84 “Capture Production” Global production 1950-1997: Download Ftp.fao.org/fi/stat/windows/fishplus/fstat.zip (1.3 Mb) Data up to 1995 included in the: Former FAO Yearbook of Fishery Statistics “Catches and Landings”, Vol.80 Tenho certeza que você encontrará os dados que necessita. Você só terá que quebrar sua cabeça um pouco para aprender a usar o software acima.

De: Alberto J.P. Nunes
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Nova nomenclatura Penaeidae

Segue a nova nomenclatura da família Penaeidae. Existe uma discussão no meio acadêmico sobre a adoção do uso dos novos gêneros propostos recentemente por Pérez-Farfante & Kensley (1997). Nesta publicação, seis sub-gêneros da família Penaeidae foram elevados para gênero (Farfantepenaeus, Fenneropenaeus, Litopenaeus, Marsupenaeus, Melicertus). Nestes estão contidos a maioria das espécies de peneídeos cultivados. Foram também diagnosticados dois novos gêneros e ressuscitado um. No total, a família com pouco mais de 40 espécies, passou de 17 gêneros para 26. Com esta nova nomenclatura, alguns gêneros possuem menos de 2 espécies. O Penaeus vannamei passou a ser chamado deLitopenaeus vannamei, enquanto o P. subtilis de Farfantepenaeus subtilisP. japonicusMarsupenaeus japonicusP. merguiensisFenneropenaeus merguiensis, etc. Confusão ou ordenação???

De: Jacson Skiavine
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Tanque de terra

Há alguns meses atrás assisti uma fita sobre construção de tanques para piscicultura. Nela falava-se em colocar no fundo e nas paredes do tanque, sacos contendo mistura de cimento e terra. Estou enfrentando um problema com os tanques que possuo. No fundo há formação de grande quantidade de barro, o que dificulta em muito a despesca, uma vez que quando se entra no tanque é quase impossível se locomover. Estou pensando em colocar alguns desses sacos para tornar o fundo mais rígido. Contudo não possuo a fita e não me lembro da porcentagem de terra e cimento. Gostaria da ajuda dos companheiro no sentido de me ajudar com opiniões e talvez alguém saiba a porcentagem e possa me passar.

De: Rodolfo Sirol
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Re: Tanque de terra

A relação solo cimento é geralmente de 10:1, podendo variar conforme sua função. Contudo, recomendaria esvaziamento do tanque, retirada da lama, após o solo estar seco, depositar uma camada de aproximadamente 25cm de latosolo vermelho (solo de barranco) e compactação do fundo com rolo compressor. Essa solução já foi utilizada por mim na construção de tanques e deu muito certo, inclusive impermeabilizando o fundo. Apesar disso, seu problema com o fundo dos tanques deve ter outra fonte, que não a condição imprópria do fundo do tanque. O que dá lama no fundo, é assoreamento por enxurradas que eventualmente passam por dentro dos tanques, ou o que é muito comum também, adubação orgânica. Em ambos casos, a renovação de água pelo fundo deve aliviar o problema , mas como solução consistente, procure desviar a água de enxurradas e a adição de estercos.

De: Luis Vinatea
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Re: Tanque de terra

Caros amigos da lista, o projeto CYTED II-A/2 “Localización y evaluación del potencial extractivo de Artemia en Ibero-América con destino a la acuicultura”, acaba de lançar no México, a obra “Manual de Producción de Artemia (quistes y biomasa) en módulos de cultivo”, de 80 páginas. Do México trouxe alguns exemplares e tenho instruções de reparti-los gratuitamente em instituições de ensino (técnico e superior), para fazerem parte do acervo da suas bibliotecas. As instituições que estiverem interessadas, favor enviar uma carta oficial (pelo correio ordinário) solicitando um exemplar no seguinte endereço: Prof. Luis Vinatea, Dpto. de Aqüicultura, CCA, UFSC, Trindade, Florianópolis, SC, CEP 88.040.900.

De: [email protected]
Para: Tilapia List < [email protected] >
Assunto: Pacu na Colômbia

Atualmente o pacu é uma espécie muito importante na aqüicultura colombiana, onde produzimos 15.000 ton. por ano do pacu (Piaractus brachypomum) (sic), aproximadamente 80% da nossa produção de tilápia. Tudo para o mercado local. Cachama (pacu) (sic) tem de 3-5% a menos vísceras que a tilápia, cresce na metade do tempo, coloração uniforme, fácil de capturar, tamanho uniforme no viveiro (sic) e 41% de filé. Tem dois problemas: mercado 9não existe muita gente que conheça fora da América do Sul) e espinhas. Temos trabalhado muito nesse processo porque atualmente vendemos o peixe inteiro fresco e congelado, e não filés. Aqui na Colômbia cultivamos no sistema semi-intensivo, com 1,5 a 2,5 kg/m2 de viveiro.

NE: A mensagem acima, mesmo referindo-se ao pacu, foi enviada para a lista de discussão Tilapia List, dedicada ao cultivo de tilápia. Para assinar vá ao endereço www.onelist.com e siga as instruções.