Notícias & Negócios Online – edição 54

De: Álvaro Graeff
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Estatísticas da FAO

Recebi a Circular de Pesca n. 815, revisão 11, Roma, FAO. 1999. 203p. e vejam o que consta no segmento de carpa comum: por ordem de produção, os países maiores produtores são: 1. China 1.761.283 ton (*); 2. Indonésia 203.150 ton (*); 3. Rússia 30.029 ton (**); 4. Egito 22.287 ton (**); 5. Brasil 20.720 ton (*) 6. Polônia 19.700 ton (***) 7. Ucrânia 18.000 ton (**). Se confirmadas estas tendências o Brasil, dentro de no máximo dois anos, será o 3o maior produtor de carpa comum do mundo. Parabéns para todos que ajudaram. (*) tendência de aumentar nos próximos anos, (**) tendência de diminuir nos próximos anos, (***) tendência de estabilização nos próximos anos.

De: Andrea Costa
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Salmão mutante

A todos da Panorama, repasso informação obtida no JC-On Line da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência que é interessante para o conhecimento de todos, cujo título é: salmão mutante escocês cresce mais depressa. Os britânicos ficaram chocados ontem com a notícia de que o governo financiou testes secretos de um salmão transgênico, que cresce quatro vezes mais rápido do que o normal. Os testes foram realizados numa fazenda de criação de peixes na Escócia e o salmão poderá chegar ao mercado em um ano. Segundo os produtores os resultados da experiência mostraram que é possível fazer os peixes alcançarem o tamanho ideal para a venda num prazo de um ano a 18 meses, em vez de três anos. A divulgação da experiência acirrou o debate sobre os produtos modificados geneticamente (transgênicos) na Grã-Bretanha. O ministro britânico para a Escócia, John Reid, garantiu que todos os peixes foram destruídos no final do estudo. Segundo ele, um gene de um hormônio de crescimento foi implantado em dez mil ovas de salmão. Reid disse também que o salmão transgênico é seguro e não oferece riscos à saúde humana e ao meio ambiente. Ambientalistas e grupos de defesa do consumidor, porém, estão protestando. “Os peixes cresceram durante um ano num espaço fechado. Metade numa velocidade quatro vezes maior do que a normal, sem sinais de anormalidades”, disse Reid. A deputada trabalhista Joan Ruddock disse que o estudo tem como único objetivo reduzir os custos de produção, aumentando os lucros das empresas. (O Globo, 30/7)”

De: André Brugger Departamento_Aqüicultura/PNFC%[email protected]
Para: Lista Panorama-L
Assunto: diversos

Prezados amigos da lista, boas novas e más novas, mas, igualmente, novas. 1. O PRONAF saiu do Ministério da Agricultura e foi para o INCRA (Ministério extraordinário de reforma agrária cujo Ministro é o Dr. Raul Jungman) 2. Perdemos a briga do ICMS, a saída agora são os estados darem insenção ou alíquotas reduzidas para o pescado, o CONFAZ não renovou o convênio em nível federal. 3. Após reunião na semana passada creio que a aqüicultura poderá, dentro em breve, se inserir no sistema EMBRAPA de pesquisa agropecuária. 4. Na listagem dos apêndices do CITES (Conselho que trata do comércio internacional de plantas e animais vivos – home page www.wcmc.org.uk/cites) os peixes que estão na mira da fiscalização e regulamentação internacional são o esturjão e o pirarucu, nenhum crustáceo, anfíbio, molusco ou alga de cultivo fazem parte da lista.

De: werner jost
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Re: Camarões do Equador

Prezados amigos da lista, causa estranheza um convite do consulado geral do Equador, no Rio de Janeiro, que está convidando os compradores de camarão para uma reunião de encontro de negócios na Sede da Associação Comercial do Rio para o dia 10 de agosto. O objetivo é aumentar as exportações de camarão tanto fresco como congelado do Equador para o Brasil. Nada contra a competição do camarão equatoriano com o produto produzido no Brasil, mas, perante a ameaça da introdução da doença do “white spot” para o nosso país é peculiar exatamente neste momento tentar aumentar a importação de camarão de um país como o Equador cuja produção de camarão está sendo devastada pela doença. O consulado equatoriano não tem conhecimento da proibição de importação de qualquer crustáceo para o Brasil?

 

De: “Alberto J.P. Nunes”
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Re: Camarões do Equador

Sua preocupação é muito bem fundamentada. Já foi demonstrado que o WhiteSpot, a Taura e o Yellow Head são infecciosos mesmo em camarões congelados importados para o consumo. Esses vírus podem atingir as operações de cultivo através da descarga de dejetos (sólidos ou líquidos) em regiões costeiras, por plantas processadoras do produto ou ainda transportados para viveiros por aves que possam eventualmente se alimentar de restos de camarões contaminados em aterros sanitários. Vamos torcer para que as novas restrições de importação de crustáceos no Brasil sejam realmente postas em prática!

De: André Brugger Departamento_Aqüicultura/PNFC%[email protected]
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Re: Camarões do Equador

Prezado Werner, certamente o pessoal do consulado do Equador não sabe ainda sobre o fechamento da fronteira para entrada de crustáceos, o que eu acho perfeitamente normal já que este tipo de procedimento não é anunciado aos consulados. O que irá acontecer é que quando forem tentar emitir as guias e licenças de importação (obrigatória) junto ao Ministério da Agricultura e do Abastecimento é que eles terão a notícia. Este camarão só poderá entrar no Brasil clandestinamente e terá que ser comercializado da mesma forma, o que não interessa a ninguém, nem mesmo a eles, não é mesmo?

De: “Carlos Henrique”
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Piauçu em tanque rede

Caro Sr. Francisco de Medeiros, sou produtor aqui em Minas Gerais e lendo uma mensagen sua me veio uma curiosidade. O Sr. disse estar criando o piauçu em tanque-rede e com sucesso. Eu gostaria de saber qual o material de seus tanque-redes porque, segundo me informaram, o piauçu morde o pano, tela plástica etc., faz um buraco e foge. Até as gaiolas de arame galvanizado com revestimento de pvc não funcionam porque ele rói o pvc e o arame com o tempo enferruja e você perde a gaiola. Eu nunca criei piauçu na gaiola e não sei se isso realmente acontece. Apenas fui orientado para não fazer por este problema. O Sr. tem enfrentado este problema aí? Quanto ao resultado, o senhor poderia informar sobre densidade, conversão, peso final, etc.? É que tenho algumas gaiolas e gostaria de criar o piauçu pois, até agora, só os crio em viveiros de terra.

De: Francisco de Medeiros Cuiabá mg
Para: Lista Panorama-L
Assunto: Re: Piauçu em tanque rede

Carlos, usei uma gaiola com plástico rígido, com malha de 0,5 cm, por um período de 7 meses. No final, quando eles estavam com aproximadamente 350g, a densidade da gaiola por m3 era de 147 kg. O Silvio Romero da Guabi me falou desse problema, mas não tive. Não tenho as informações da conversão alimentar.