Notícias & Negócios Online – edição 64

De: Pref. Mun. de Guamiranga
Para: [email protected]
Assunto: Informações

Gostaria de receber mais informações sobre “Piscicultura” mais propriamente “Filetagem” de tilápia, bem como se curte a pele das mesmas. Aguardo resposta. Augusto.

De: José Eurico P. Cyrino
Para: [email protected]
Assunto: Re: Informações

Informações sobre filetagem de tilápias podem ser obtidas na Esalq com a Profa. Marília Oetterer, [email protected] ou, no Caunesp, com a Profa. Elisabete Viégas [email protected]. Informações sobre curtimento de peles de tilápias (ou quaisquer outros peixes) podem ser obtidas no IPT-Franca, que pode ser acessado através da página do IPT . Zico.

De: Tuma
Para: [email protected]
Assunto: Anestésico

Alguém pode me informar sobre a dosagem ideal de benzocaína para transporte de peixes adultos? Um abraço,Tuma.

De: Walter Boeger
Para: Lista Panorama – L
Assunto: Re: Problemas com alevinos

Caro Jackson. Parece ser bactéria! Existem algumas espécies que fazem isso. Se puderes, implemente a qualidade de água e de ração imediatamente. Um banho de sal pode ser uma boa pedida para ajudar na recuperação. No meio tempo, procure mandar material para diagnose. A Andréa Costa ([email protected]) é a única que eu conheço que faz este tipo de diagnóstico no Brasil.

De: Sergio Tamassia
Para: [email protected]
Assunto: Re: Anestésico

Caro Tuma, encontrei referência de uso da benzocaína como anestésico para manuseio (pesagens, desovas, etc.) de 50 a 70mg/l. Acredito que para transporte, onde o peixe deva ficar muito mais tempo em contato com o produto a concentração deva ser bem menor, pois talvez o objetivo seja apenas de tranqüilizar o peixe. Para alguns produtos, fui informado que a concentração para transporte (como tranqüilizante e não anestesiante) é de aproximadamente 20% da dose necessária para a anestesia (mas não sei se isto vale para a benzocaína). Mas, Carlos, o uso do produto benzocaína para peixes que serão utilizados como alimentos não é recomendado.

De: José Ricardo
Para: [email protected]
Assunto: Moluscos

Em viveiros de criação de tilápias temos encontrado cada vez mais um grande número de moluscos chamados aqui de “caracol”, “lesma”, “aruá” entre outros nomes. Alguém conhece alguma forma para se controlar esta “invasão” ?

De: [email protected]
Para: [email protected]
Assunto: Cultivo de tilápia com camarão de água doce

Estou procurando alguém que tenha experiência e possa me dar informações sobre o cultivo de camarão de água doce junto com tilápias, no mesmo viveiro. Existe algum sistema rentável?

De: Oswaldo Ribeiro
Para: [email protected]
Assunto: Re:Moluscos

Tambaquis adoram! Não deixam um. Mas você tem que ver o tamanho das tilápias versus tambaquis. Tambaquis também comem tilápias.

De: NSTF
Para: [email protected]
Assunto: Problemas com engorda da tilápia

Tenho em minha piscicultura seis tanques de engorda de tilápia tailandesa e, há cerca de uns 20 dias. No começo morriam 5, 8, 10, ás vezes nenhuma. Só que a partir de segunda feira (19.03) a mortandande aumentou para 50, 30 e 20 e hoje 210. Comecei então a aplicar oxitetraciclina misturada com a ração, mas até agora não houve melhoras. Aparentemente não vejo nada diferente com os peixes, que estão comendo muito bem. O oxigênio no início da noite: 6 ppm; transparência da água: 50 cm; o peso do peixe: 400 gramas. Oxigênio de manhã: 2 ppm; quantidade de peixe no tanque: 4.000; o tamanho do tanque: 40 x 50 x 1.40. O tanque tem renovação de água efetuado por bomba. A alimentação: 30 Kg/dia. O que mais eu poderia fazer para reverter este quadro? A piscicultura se localiza em Bauru, interior de SP.

De: Nilton Machado
Para: [email protected]
Assunto: Re: Problemas com tilápia

Também estamos enfrentado este problema. Já tivemos grande perda de peixes e depois de muito pesquisar todas as variáveis possíveis, algumas coisas conseguimos detectar, tais como: tínhamos problemas com amônia, e pH alto. Corrigimos o problema e a mortandade continuou. Mandamos água para análise em laboratório e conseguimos identificar um teor muito alto de cloro na água, o que está provocando a mortandade dos peixes. Sugerimos que você faça um boa análise da água, que com certeza ajudará a identificar o problema.

De: Marcos Lopes
Para: [email protected]
Assunto: Re: Problemas com tilápia

Verificamos seis casos como este no noroeste paulista e estamos junto com alguns técnicos tentando elaborar relatórios de cada caso para chegar a um diagnóstico. Além de análises da água e dos peixes, gostaria de conhecer o histórico no caso de vocês. Aqui a ocorrência maior é em Tailandesas, com peso acima de 300g, 250 tilápias/m3 em tanque rede de 8 a 13 m3. Começa com peixes com olhos saltados, aumento do volume do abdômen, movimentos erráticos e quando os peixes demoram nesse estágio, começa uma infestação por parasitas de brânquias e fungos chegando até morte. Estamos esperando algumas análises bacteriológicas, as outras feitas não detectaram nada que pudesse causar essa mortalidade. Esperamos que outras pessoas tenham mais informações.

De: Jomar Carvalho Filho
Para: [email protected]
Assunto: Re: Problemas com tilápia

Prezado Marcos, vocês da ANPAT – Associação do Noroeste Paulista de Tilapicultores, já cogitaram sobre a possibilidade de estarem com problemas relacionados a presença de Streptococcus? Você, ou alguém mais da lista, teria algo a acrescentar sobre essa possibilidade? Alguém saberia informar se a ABRAPOA – Associação dos Patologistas de Organismos Aquáticos, já foi informada sobre essas ocorrências?

De: Nilton Machado
Para: [email protected]
Assunto: Re: Problemas com tilápia

Aqui em Santa Catarina também têm ocorrido vários casos, principalmente com a tilápia, além dos fatos já narrados, outra causa que influenciou bastante foi a temperatura muito alta da água, que chegou aos 40 graus centígrados em determinados períodos, taxas muito altas de amônia na água, pH alto acima de 8,5 , o que por si só já é mais que suficiente para a mortandade dos peixes. Encaminhamos também peixes mortos e vivos para 2 laboratórios e não foram detectados problemas de parasitoses ou de doenças.