Notícias & Negócios_edição 47

CANCELAMENTO – A greve que paralisou as Universidades Federais por quase três meses criou contratempos que culminaram por impedir que a organização do I Congresso Integrado de Aqüicultura, programado para acontecer junto ao TECNOPESCA 98 em Curitiba – PR, conseguisse cumprir no prazo, as exigências legais para a obtenção do patrocínio solicitado, e concedido, pelo Ministério da Agricultura. Os organizadores, que se colocam à disposição para devolver todas as inscrições já efetuadas, optaram por cancelar o Congresso, já que sem o patrocínio seria impossível realiza-lo nos moldes planejados. Fica, entretanto, confirmada a realização da TECNO PESCA ‘98, que se realizará entre 29 de julho e 2 de agosto no Pavilhão de Evento do SEBRAE em Curitiba. Informações: tels: (041) 350-5634 e 332-4601.

ESPÍRITO SANTO – A AQÜES – Associação dos Aqüicultores do Espírito Santo, que reúne produtores rurais capixabas que exercem ou pretendem exercer a aqüicultura no estado, acaba de eleger sua primeira diretoria, tendo a presidência sido ocupada pelo aqüicultor Alins José Sgrancio. Para mais informações sobre associação e o grande potencial que o estado oferece, a Aqües atende no fone/fax: (027) 329-1766.

GOLPE – Recebemos surpresos o telefonema de um produtor do sul de Minas Gerais informando que alguns pesque-pagues da região estão atraindo clientes com a falsa promessa de um dia de pescaria. Os lagos dos falsos pesqueiros possuem pouquíssimos peixes e deixam com cara de bobo quem imagina conseguir pescar algum. No lugar dos peixes, que deveriam ser a principal atração do local, estão sendo empurradas picanhas e shows de música sertaneja. Se ao menos fosse peixada e música…né não?

SEGURO – Nos últimos três anos as operações de seguro agrícola cresceram 74,5%. Os produtores rurais, que estão agora mais precavidos, fizeram ao todo 11.218 contratos, de acordo com cálculos da Cia de Seguros do Estado de São Paulo. O seguro de animais, cuja indenização só é feita em caso de morte do animal, ainda não cobre as perdas com peixes e só vale para bois, búfalos, cavalos, ovelhas, cabras e jumentos. Mais uma luta para os aqüicultores.

XPOENTES – O Aqüicultura Brasil ’98, evento que será realizado em Recife de 2 a 6 de novembro próximo, já tem o mérito de atrair para o Brasil os principais líderes da aqüicultura mundial. Na ocasião estarão juntos em Pernambuco Joe Tomasso, presidente da WAS – World Aquaculture Association; Patrick Lavens, Presidente da EAS – Sociedade Européia de Aqüicultura e George Chamberlain presidente da GAA – Global Aquaculture Alliance. O evento acontecerá no Centro de Convenções de Pernambuco, um dos maiores da América Latina, com capacidade para 4.600 pessoas. Já está esgotado o prazo para envio de trabalhos a serem publicados nos anais. Maiores informações pelo tel: (081) 465-8594, fax: 325-5015.

GRAN CANARIAS – O VIII Simpósio Internacional de Nutrição e Alimentação de Peixes realizado em Las Palmas, Gran Canarias, Espanha, reuniu 261 participantes de 32 países, dos quais seis brasileiros. O enfoque do simpósio foi a nutrição com especial atenção para as áreas de fisiologia e metabolismo. Segundo Silvio Romero da Mogiana Alimentos S.A., as palestras introdutórias das diferentes seções em que se dividiram as apresentações foram excelentes ao cobrir os aspectos gerais sobre energia, metabolismo, requerimentos de reprodutores e larvas, disponibilidade de matérias primas e fontes de nutrientes. O destaque do encontro foram as discussões sobre as conseqüências do uso das rações com alto nível energético. Atualmente, nos cultivos de salmonídeos e dos peixes marinhos mediterrâneos, estão sendo utilizadas rações com 45 a 48% de proteínas e 12 a 22% de gorduras.

BRONCA GERAL – É cada vez maior o número de produtores inconformados com o tratamento que os aqüicultores recebem do IBAMA. Alegam que os bovinocultores, suinocultores, avicultores, agricultores e outros produtores em geral, não são obrigados a se cadastrarem no IBAMA nem tampouco têm que pagar qualquer tipo de taxa ao órgão. Quem paga taxas ao IBAMA são os extratores de castanha, madeireiras, empresas de pesca, etc., ou seja aqueles que vivem da extração pura e simples. Fica no ar a pergunta: porque a aqüicultura e os aqüicultores estão no rol daqueles que exercem atividades extrativistas?

XPOENTES – O Aqüicultura Brasil ’98, evento que será realizado em Recife de 2 a 6 de novembro próximo, já tem o mérito de atrair para o Brasil os principais líderes da aqüicultura mundial. Na ocasião estarão juntos em Pernambuco Joe Tomasso, presidente da WAS – World Aquaculture Association; Patrick Lavens, Presidente da EAS – Sociedade Européia de Aqüicultura e George Chamberlain presidente da GAA – Global Aquaculture Alliance. O evento acontecerá no Centro de Convenções de Pernambuco, um dos maiores da América Latina, com capacidade para 4.600 pessoas. Já está esgotado o prazo para envio de trabalhos a serem publicados nos anais. Maiores informações pelo tel: (081) 465-8594, fax: 325-5015.

GRAN CANARIAS – O VIII Simpósio Internacional de Nutrição e Alimentação de Peixes realizado em Las Palmas, Gran Canarias, Espanha, reuniu 261 participantes de 32 países, dos quais seis brasileiros. O enfoque do simpósio foi a nutrição com especial atenção para as áreas de fisiologia e metabolismo. Segundo Silvio Romero da Mogiana Alimentos S.A., as palestras introdutórias das diferentes seções em que se dividiram as apresentações foram excelentes ao cobrir os aspectos gerais sobre energia, metabolismo, requerimentos de reprodutores e larvas, disponibilidade de matérias primas e fontes de nutrientes. O destaque do encontro foram as discussões sobre as conseqüências do uso das rações com alto nível energético. Atualmente, nos cultivos de salmonídeos e dos peixes marinhos mediterrâneos, estão sendo utilizadas rações com 45 a 48% de proteínas e 12 a 22% de gorduras.

BRONCA GERAL – É cada vez maior o número de produtores inconformados com o tratamento que os aqüicultores recebem do IBAMA. Alegam que os bovinocultores, suinocultores, avicultores, agricultores e outros produtores em geral, não são obrigados a se cadastrarem no IBAMA nem tampouco têm que pagar qualquer tipo de taxa ao órgão. Quem paga taxas ao IBAMA são os extratores de castanha, madeireiras, empresas de pesca, etc., ou seja aqueles que vivem da extração pura e simples. Fica no ar a pergunta: porque a aqüicultura e os aqüicultores estão no rol daqueles que exercem atividades extrativistas?