Novas perspectivas na salmonicultura

O Instituto de Pesca da Secretaria de Agricultura de São Paulo, com o apoio da ABRAT – Associação Brasileira dos Truticultores, promoveu o IV Encontro de Salmonicultores, em Campos do Jordão em São Paulo, nos dias 25 e 26 de maio, ocasião em que houve expressivos ganhos com o intercâmbio de conhecimentos e surgiram novas perspectivas para o setor, estas resultantes das experiências acumuladas pelos participantes que buscam retorno nos seus investimentos em truticultura.

Com uma programação muito intensa, o Encontro proporcionou oportunidades de debates e palestras sobre alguns problemas comuns, além de informações sobre novas tecnologias e equipamentos que podem contribuir para o aumento da produtividade dos cultivos.

Foram abordadas com destaque as questões de comercialização e aspectos mercadológicos, através do trabalho conjunto dos truticultores Oscar Kastrup Filho e João Luis Sauer, respectivamente atual e ex-presidente da ABRAT, que propõe a compatibilização da produção com a comercialização via a formação de cooperativas regionais de produtores.

A questão das possíveis interferências da piscicultura no meio ambiente foi abordada pelo Prof. Philip Scott, da Universidade Santa Úrsula – RJ, que proferiu a palestra “Efluentes de Piscicultura: impactos no meio ambiente aquático”, quando destacou a importância do manejo e a instalação de tanques de decantação para a redução e mesmo minimização de impactos.

Outras apresentações que despertaram grande interesse foram referentes ao aumento de oxigenação da água, apresentada por técnicos da Engenheiros Associados Ferri, de Porto Alegre, e ao projeto para aclimatação da truta arco-íris em águas do mar, proferida pelo truticultor João Luis Sauer. Na primeira, os engenheiros convidados apresentaram um equipamento que retira o oxigênio da atmosfera para injetá-lo nos tanques de cultivo – o mesmo equipamento já vem sendo largamente utilizado em unidades hospitalares do Brasil. Na segunda, Sauer abordou a possibilidade do aumento da produção da truta nas águas marinhas de Angra dos Reis – RJ a partir da aclimatação, conforme estudos que vêm desenvolvendo em conjunto com a Universidade Federal do Rio de Janeiro.

O encerramento do Encontro ocorreu com a visita dos participantes às novas instalações da Estação Experimental de Salmonicultura de Campos do Jordão, no Horto Florestal da cidade, que é a principal unidade de pesquisa da truticultura nacional.