Oferta de camarão para o mercado interno deve aumentar este ano

Como reflexo da taxa antidumping de 7,04%, imposta pelos EUA, a oferta de camarão para o mercado interno deve crescer em 2006. A exportação de camarões em 2005 ficou em 6% do volume total negociado em 2004, quando os EUA eram responsáveis por 17% dos embarques de camarão para o exterior.

A Camanor e a Netuno, grandes exportadoras, devem escoar grande parte da produção no Brasil. Além do mercado interno, os carcinicultores buscam também, conquistar o mercado europeu.

A Netuno espera crescer até 20% em 2006, pois acredita que o novo ano será bom para o País, devido à baixa do dólar, à possível queda nos juros e à perspectiva de crescimento da economia brasileira. A Netuno, que destinava 60% da sua produção para o exterior, deve manter essa meta, negociando com a Europa.

Já a Camanor, recuará em seus investimentos. Por conta dos poucos embarques em 2005, a empresa cancelou planos de ampliar sua área de cultivo e destinou no último ano, 5% da produção ao mercado interno.

As dificuldades do setor fizeram com que a ABCC implantasse medidas para auxiliar o carcinicultor a ocupar o mercado interno, conseguindo uma redução de ICMS no Ceará, Pernambuco e Rio Grande do Norte. Para a ABCC, os EUA serviam de contraponto em negociações com a Europa, e agora esse contraponto será o mercado interno.