Pelas alamedas da Ifa

Demonstrando imaturidade em relação ao mercado da aqüicultura, as fábricas de ração causaram estranhamento ao se manifestarem muito timidamente através da Anfar – Associação dos Fabricantes de Ração. Os organizadores e todos os participantes foram unânimes ao clamar uma presença mais atuante do segmento de nutrição e espera-se um quadro diferente na próxima IFA em 98.A exceção ficou por conta da Alisul que saiu na frente, colocando à mostra a Aqualine, sua linha de rações para diferentes espécies de peixes.

Um simpático momento de confraternização entre os presentes à IFA’97 foi o coquetel de degustação de sushis, camarões fritos e croquetes de peixe preparados por um cozinheiro japonês.Entre goles de saquê e o sabor exótico da raiz forte, foram degustadas tilápias vindas da Frigopeixe, camarões de água doce da Capiatã e camarões marinhos fornecidos pelos carcinicultores da ABCC.

Circularam interessados pelos corredores a família Neukirchner, lê-se Piscicultura Araucária/Belmonte. Percorreram todos os estandes sempre atentos em estreitar contatos com àqueles que estão, de fato, atuantes na atividade.A Belmonte já se manifestou positivamente para participar com estande próprio em 1998.

A IFA’97 serviu também de espaço para lançamentos.A Basf, uma das maiores indústrias do mundo e, que produz cerca de 8 mil produtos diferentes em 170 países, apresentou o seu mais novo produto para aqüicultura. Rosângela e Fernando Campoi, representando a Basf no evento, foram incansáveis nas explicações sobre a Lutavit C Aquastab, uma formulação de vitamina C desenvolvida para o enriquecimento de rações extrusadas e peletizadas.

Aproveitando para matar as saudades do Brasil, Luiz Antônio Gomes manteve sempre cheio o estande da Aquaculture & Fisheries de Miami.

Um bom termômetro para verificar o aquecimento da aqüicultura, foi o fato dos estandes de rede estarem sempre repletos.Tanques-rede, puçás, tarrafas, picarés e as panagens, produtos de primeira necessidade na aqüicultura, fizeram a festa dos interessados na escolha de malhas e fios com finalidades específicas.

A musicalidade do sotaque nordestino marcou presença através da Aquilim, uma fazenda produtora de 60 milhões de alevinos anuais.A empresa pernambucana tinha, ornamentando o seu estande, sempre com muitos visitantes, um belo aquário que atraia os interessados em negociar seus alevinos de tilápias vermelhas e nilóticas.

Ricardo Macari e Sarita da Frutos D’água, agora também representantes da Acuagranja Inc no Brasil, se revezavam nas vendas de equipamentos, químicos e peças de vestuário confeccionadas com couro de peixe. As peças que tanto despertam a curiosidade de todos é mais um aproveitamento da tilápia, cuja pele é macia e aceita tingimento em várias cores.

Todos os palestrantes do seminário foram agraciados com um bonito troféu.A Panorama da AQÜICULTURA também recebeu um pela divulgação que fez durante o ano do evento. Os troféus foram oferecidos pelos organizadores junto a muitas palavras de carinho e agradecimentos, que deixaram a todos lisonjeados e emocionados ao término da feira.