Pensar grande é o que propõe o International Fish Congress

Como Ex Ministro da Pesca e Aquicultura, estar contribuindo com o setor de forma concreta é uma grande honra e uma enorme alegria. A realização do International Fish Congress & Fish Expo Brasil – IFC, queacontecerá de 17 a 19 de setembro, em Foz do Iguaçu, Paraná, representa muito bem o esforço no sentido de ver a cadeia produtiva do pescado em um patamar superior.

O evento foi cuidadosamente desenhado para que pudesse constituir-se em um espaço de interação entre todos os agentes da cadeia produtiva e de discussão dos grandes desafios do setor. “Das Águas à Mesa do Consumidor: como tornar a cadeia competitiva e sustentável”, é a ideia força que deve orientar todas as discussões durante e após o evento. O evento pretende ser provocativo, despertar novas ideias, romper com o status quo, nos desafiar.

Precisamos pensar grande, porque somos um país gigante. Somos gigantes na produção de outras proteínas como o frango, suínos e bovinos. E porque não sermos no pescado? Nós temos uma massa crítica de profissionais no setor produtivo e nas instituições públicas que nos permite ousar e alcançar um objetivo grandioso e nobre como é o de produzir um alimento saudável para todos os brasileiros e para o mundo. Nossa grande vocação é produzir alimentos.

Mas precisamos pensar grande. Enfrentamos um contexto de uma economia globalizada, um consumidor cada vez mais exigente e uma revolução informacional e tecnológica sem precedentes. A disputa de mercado é acirrada e não guarda espaço para amadores. As margens de lucro são cada vez mais estreitas e cada detalhe é determinante para o sucesso ou fracasso dos negócios. Nossos concorrentes no mercado internacional (Noruega, Chile, China e Sudeste Asiático, Vietnã, Equador, América Central, etc) tem tradição e estão em vantagem. Mas estes mesmos países temem o Brasil, e muitas empresas querem associar-se a esta marca. Temem porque somos grandes em outras proteínas e temos atributos que outros não tem (condições naturais excepcionais, produção de grãos para ração, espécies nobres), portanto, se decidirmos ser grandes no pescado, não há dúvida que seremos. E já demos passos importantes nesta direção. O “gigante começa despertar”, vide o caso da tilápia, do tambaqui, do camarão e de algumas pescarias.

Pensar grande, requer estruturar um plano estratégico de desenvolvimento, que ataque os grandes entraves à consolidação de uma cadeia competitiva e sustentável. Um plano onde o setor público e privado estejam alinhados, que garanta segurança jurídica, que monte uma engenharia tributária incentivadora da cadeia, que invista em pesquisa e desenvolvimento tecnológico e em linhas de crédito adequadas para o setor, e que consolide uma indústria forte, locomotiva do processo de desenvolvimento. Um plano centrado na inovação e sustentabilidade, que possibilite sermos grandes e competitivos e, ao mesmo tempo, geremos milhares de postos de trabalho, emprego, renda e divisas para o país.

O evento promete ser rico em reflexões, conhecimento e aprendizado para todos os que fazem a cadeia do pescado girar. Desfilarão pelos auditórios do evento 54 conferencistas nacionais e internacionais das mais diferentes formações e experiências para nos brindar com muita informação e conhecimento. Uma feira com as empresas mais representativas do setor estará apresentando ao público suas tecnologias e novos lançamentos. O espaço Aqua 4.0 abrigará startups com inovações ligadas à internet das coisas. E 116 trabalhos científicos já selecionados serão apresentados.

E um tapete vermelho será estendido para receber a todos com muito carinho e cordialidade. Que o International Fish Congress & Fish Expo Brasil possa dar uma grande contribuição ao nobre mundo do pescado. PENSAR GRANDE É O NOSSO LEMA.

Altemir Gregolin
Presidente do IFC, Ex Ministro e Professor da FGV
Fonte: http://www.internationalfishcongress.com.br/