Plano de Monitoramento Ambiental na fazenda Yakult/UFSC mostra o lado sustentável da carcinicultura

Diante dos interesses econômicos e ambientais relacionados à atividade da carcinicultura, é imprescindível que se elabore e que se aplique políticas para um manejo racional nos cultivos. Implantado na fazenda experimental Yakult/UFSC em agosto de 2003, o Plano de Monitoramento Ambiental (PMA) vem efetuando análises físico-químicas das águas dos viveiros, dos efluentes e do entorno, no caso o estuário da Lagoa da Cruz, no litoral norte de Santa Catarina. O objetivo é o de avaliar as tecnologias empregadas e seu enquadramento legal no que tange aos efluentes de cultivo.

Quinzenalmente, durante os últimos 10 meses, foram coletadas amostras de água de 19 viveiros, em dois pontos na saída dos efluentes e um ponto no estuário onde é efetuada a captação de água. Os parâmetros analisados foram: amônia-N, nitrito-N, nitrato-N, ortofosfato-P, silicato-Si, alcalinidade, salinidade, pH, transparência, oxigênio dissolvido (OD) e temperatura. Até o momento, as análises demonstraram que nos períodos de intensa pluviosidade, a água do estuário, onde é captada a água da fazenda, apresenta níveis de amônia, nitrito, nitrato e fosfato mais elevados do que a água dos viveiros, visto que sofrem o impacto dos efluentes dos mais de 2.000 hectares da Mata Atlântica circundante. Em vista disso, os pesquisadores da UFSC têm sido obrigados a ativar o sistema de recirculação de água e, no último verão, a Yakult/UFSC permaneceu 60 dias corridos sem fazer captação e sem liberar seus efluentes para o ambiente. Neste período, a recirculação da água permitiu a completa reciclagem e reutilização dos nutrientes presentes na água.

Através do PMA, os pesquisadores da UFSC constataram que, exceto para o parâmetro oxigênio dissolvido, os demais parâmetros físico-químicos dos efluentes dos viveiros de cultivo se mantiveram dentro dos níveis aceitáveis da legislação brasileira – CONAMA 020/86. No entanto, se forem considerados os parâmetros internacionais de certificação ambiental da GAA (Global Aquaculture Alliance) é possível dizer que a fazenda tem operado 100% dentro dos limites aceitáveis (Tabela 1).

Tabela 1: Média dos parâmetros Físico-Químicos do efluente dos viveiros,  da Mata Atlântica e do estuário, comparados com os padrões da legislação nacional e certificação ambiental da GAA. *Dados coletados durante o período de recirculação na fazenda,  sem liberação de efluente.
Tabela 1: Média dos parâmetros Físico-Químicos do efluente dos viveiros,  da Mata Atlântica e do estuário, comparados com os padrões da legislação nacional e certificação ambiental da GAA. *Dados coletados durante o período de recirculação na fazenda,  sem liberação de efluente.