Processo de importação de larvas triplóides de ostras se assemelha a uma ópera bufa

A tentativa de importação de larvas triplóides da ostra Crassostrea gigas, para atender os maricultores catarinenses, já se arrasta desde novembro de 2004 e o seu enredo já foi comparado ao de uma ópera bufa, cujo final o Ministério da Agricultura se recusa a escrever.

O resumo da ópera é o seguinte: no primeiro ato, representantes da Gerência de Aqüicultura da Secretaria de Agricultura e Pesca de Santa Catarina, participaram de uma reunião onde também estiveram presentes representantes da Frente Parlamentar de Pesca, da Secretaria de Assuntos Internacionais de Brasília, da ACAq (Associação Catarinense de Aqüicultura), Seap/PR e do Ministério da Agricultura, quando então ficou acertado que larvas olhadas 3n (triplóides) poderiam ser importadas, desde que passando por uma quarentena. Mas o problema surgiu quando o MAPA informou que não dispunha das normas para que a querentena pudesse ser feita, e tampouco seus técnicos sabiam como solucionar esse problema. Ao mesmo tempo o MAPA não aceitou os certificados de sanidade dos laboratórios norte-americanos.

No ato seguinte, em dezembro de 2004, foi enviado por meio do Secretário de Agricultura de Santa Catarina, um ofício (No. 1651/2004) onde foram solicitadas as exigências para a construção de um quarentenário, não havendo resposta até agosto de 2005. O interesse e a pressão dos maricultores resultaram no envio de outro ofício (No 1245/2005), ao então novo Secretário de Defesa Agropecuária, Gabriel Alves Maciel, sem que tenham também recebido qualquer resposta por escrito.

O último ato, mas ainda longe de um grand finale, foi o envio de um ofício do Gabinete do Deputado Edson Andrino, para que o MAPA se manifestasse sobre o quarentenário, uma vez que usando deste expediente, os técnicos do MAPA teriam 30 dias para responder.
Até o momento nenhuma resposta foi dada. Passado mais de um ano o grand finale desta situação, chamada apropriadamente de ópera bufa por um especialista catarinense, parece que ainda está longe de acontecer.