Projetos de desenvolvimento

Ministério da Ciência e Tecnologia estimula com premiação e verbas


Com uma produção anual de até 15 milhões de alevinos, o Projeto Pacu foi o vencedor na etapa Centro-Oeste, do prêmio Inovações Tecnológicas 2001, promovido pela Finep – Financiadora de Estudos e Projetos do MCT- Ministério da Ciência e Tecnologia. Os alevinos do Projeto Pacu são vendidos para diversas regiões do Brasil bem como para outros países, como Estados Unidos e Japão. Em novembro, os vencedores da etapa regional vão disputar em Brasília, o prêmio nacional. Nesta nova etapa, a região Centro-Oeste terá três representantes: a empresa Prata 1000 Indústria e Comércio, premiada na primeira fase pelo desenvolvimento de equipamento de pré-limpeza e beneficiamento de sementes forrageiras; a Estância Tatiana, vencedora na categoria “Processo” por suas técnicas de criação e manejo de jacaré do Pantanal e, o Projeto Pacu ganhador da categoria pequena empresa.

Com as premiações o MCT pretende valorizar e incentivar os esforços inovadores das empresas no campo tecnológico, notadamente dos projetos que gerem resultados de impacto para a sociedade brasileira. Para isso, vai também ampliar sua verba anual destinada para pesquisa no Amazonas, além de implantar plataformas e projetos que promovam o desenvolvimento de algumas atividades que proporcionem a geração de emprego e renda às famílias da região. As atividades que serão desenvolvidas, entre elas a piscicultura, foram priorizadas através de necessidades identificadas pelo Governo do Estado. A verba do MCT, denominada fundo “Verde Amarelo”, administrada pela Finep, beneficiará também as regiões Norte e Nordeste, que se encarregarão de direcionar às suas respectivas potencialidades econômicas.

Entre os setores contemplados pelo governo federal por meio deste fundo estão os recursos hídricos, universidade e empresas. O fundo “Verde Amarelo” é resultado de arrecadações de empresas que compram tecnologia estrangeira e, deverá ser o mais requisitado com projetos para a plataforma tecnológica por conta da sua aplicação não estar restrita a um setor específico.  Depois de definidas as plataformas em cada estado, o Ministério da Ciência e Tecnologia, estimulará a criação de grupos de trabalhos formados por representantes do setor produtivo, órgãos governamentais e instituições de ensino e pesquisas.