Ranicultura é destaque no Escândalo da SUDAM

A máxima “falem mal, mas falem de mim” pode ser invocada neste momento pelos ranicultores de todo o país. Até que ponto poderá ser bom para o comércio de carne de rã cultivada o fato da mídia estar falando em ranicultura a todo o momento, mesmo que associada ao desvio de recursos públicos?

Da noite para o dia, a ranicultura virou assunto corriqueiro nos jornais brasileiros, depois que se tornou público que a mulher do presidente do Senado Jader Barbalho, Márcia Cristina Zaluth Centeno era proprietária do Ranário Touro Gigante, que recebeu segundo investigações, nada mais nada menos que R$ 1,6 milhão da SUDAM – Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia.

O Jornal “O Globo” enviou jornalistas ao ranário e a reportagem publicada em 22 de abril (dia em que deveríamos estar comemorando o Descobrimento do Brasil) revela que o criatório tem aparência de abandonado. (sic) “O mato alto mal revela a sua infra-estrutura composta de oito galpões de alvenaria, de cerca de 150 metros de comprimento por 20 metros de largura e no portão de entrada há uma placa que diz ser o ranário um projeto agropecuário com incentivos da Sudam, adulterada por uma tinta que apaga o valor do financiamento”. Já no Jornal do Brasil, foi publicado que o ranário, localizado no Estado do Pará, é o maior do país e que seu projeto foi aprovado em apenas três meses.

Márcia Centeno deverá depor no processo do Ministério Público Federal em Tocantins, pode vir a ter quebra de sigilo bancário e terá que explicar porque apenas 40% dos R$ 1,6 milhões recebidos, teriam sido aplicados.
A empresa de Márcia porém, nega a acusação e afirma que só (só?) recebeu R$ 400 mil.

Escândalos com financiamentos no Brasil não são novidade alguma, mas, na aqüicultura, ainda não haviam sido detectados pelo poder público e divulgados pela mídia. Na década de 70 houve uma farra muito grande com recursos para implantação de fazendas de camarão no nordeste e, à boca pequena, fala-se muito dos desvios desses recursos na ocasião. Pelo que se tem noticiado, outros empreendimentos aqüícolas estão sendo vasculhados. Coisa de peixe grande.

Quanto ao efeito da presença da ranicultura na mídia sobre o comércio de carne de rã cultivada, só o tempo irá nos dizer. O frango está aí como campeão de vendas e nunca vamos saber se o escândalo do frango na prefeitura paulista estimulou, ou não, a dona de casa a consumir mais frangos.