Rio Grande do Sul:

Especialistas se reúnem em torno dos bons resultados da pesquisas


O 5º ERTA – Encontro Rio Grandense de Técnicos em Aqüicultura, realizado em Pelotas de 26 a 28 de maio último reuniu mais de 100 pessoas entre técnicos e produtores, que compareceram ao Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça, da Universidade Federal de Pelotas.

É inegável a grande importância dos ERTAs para o desenvolvimento da aqüicultura na Região Sul do Brasil, fato que pode ser facilmente comprovado através da qualidade e da quantidade dos trabalhos apresentados e publicados em seus Anais. Este ano, no Encontro de Pelotas, foram apresentados 23 trabalhos, e desses, 13% foram dedicados a carcinicultura de água doce, 26% a carcinicultura marinha, 30% a piscicultura de água doce, 3% a piscicultura marinha, além de trabalhos dedicados a patologia e processamento de peixes.

Dietas práticas para o cultivo de camarões em fase de berçário, indução a maturação, ovulação e desova em traíra, práticas de desinfecção, transporte de Macrobrachium rosenbergii sem aeração em diferentes densidades e o consumo de oxigênio do linguado aclimatado a diferentes condições de salinidade e temperatura, foram alguns dos temas apresentados ainda no primeiro dia. O Encontro contou também com um curso sobre tecnologia e processamento em pescado cultivado de água doce, ministrado por Edson Santos de Palotina – PR, que enriqueceu a confraternização dos participantes preparando deliciosas refeições com tilápias cultivadas em gaiolas.

As atividades de produção da COTRIJUÍ, Cooperativa responsável por grandes extensões de espelho d’água dedicados a aqüicultura no Estado, abriram o fórum do segundo dia, e as experiências relatadas fizeram mais uma vez ver que a filosofia cooperativista é uma fórmula eficaz para tentar superar os entraves técnicos e facilitar os repasses tecnológicos apropriados aos cultivos.

ASSOCIAÇÃO

Do encontro surgiu a iniciativa de se formar uma entidade representativa de técnicos e profissionais ligados a aqüicultura no Estado. Com essa entidade, uma possível Associação ou Sociedade de Aqüicultura do Rio Grande do Sul, espera-se congregar todas as pessoas ligadas a atividade, técnicos e produtores, para que juntos possam superar as dificuldades, além de contar com uma maior representatividade junto as esferas governamentais que decidem sobre política de incentivo e legislação. Além disso, a iniciativa de formação desta entidade, se justifica por coroar os esforços já despendidos até o momento no sentido de catalisar as várias vertentes que contribuem para o sucesso da aqüicultura na Região Sul do Brasil.

A seriedade com que os gaúchos encaram a produção de peixes e camarões não é de hoje, e está estampada na preocupação em formar um time eficiente de técnicos especializados. Assim, constata-se por exemplo que a disciplina Aqüicultura já faz parte do currículo de todas as quatro Universidades Federais do Estado, além de algumas particulares. A par disso, é de fundamental importância o apoio da FAPERGS, órgão de apoio e financiamento a pesquisa, que não tem medido até o momento, esforços para apoiar um programa amplo voltado para pesquisas sobre a aqüicultura subtropical.