Santa Catarina tem produção recorde de mexilhões em 2005

Ciclone prejudicou safra de ostras


A produção de ostras e mexilhões do Estado de Santa Catarina, no ano de 2005, totalizou 14.175,7 toneladas produzidas em 13 municípios costeiros.

Nesse período, a ostreicultura catarinense teve a sua primeira queda de produção, após registrar um significativo crescimento desde o ano de 1991. Já a mitilicultura confirmou, em 2005, a tendência de crescimento de sua produção, retomada a partir de 2004 após ter experimentado um aumento de produção entre 1990 e 2000 e expressivas quedas de volume entre 2001 e 2003. As vieiras totalizaram 1,97 toneladas, produzidas apenas nos municípios de Porto Belo e Penha, tendo esse último município se destacado como o principal produtor de vieiras do Estado, com uma produção de 1,8 toneladas.

A carcinicultura marinha no Estado de Santa Catarina, que também vinha num crescente de produção desde o ano 2000, após bater o recorde de volume produzido em 2004 com 4.189,51 toneladas, amargou uma queda de produção expressiva causada, principalmente, pela enfermidade do vírus da mancha branca, alcançando em 2005, apenas 2.726,25 toneladas de camarões. As figuras 1, 2 e 3 ilustram a dinâmica do desenvolvimento da maricultura catarinense.

 

Figura 1 - Evolução da produção de ostras em Santa Catarina
Figura 1 – Evolução da produção de ostras em Santa Catarina

 

Figura 2 - Evolução da produção de mexilhões em Santa Catarina
Figura 2 – Evolução da produção de mexilhões em Santa Catarina

 

Figura 3 - Evolução da produção de camarões em Santa Catarina
Figura 3 – Evolução da produção de camarões em Santa Catarina

Ostras

Em 2005, a produção de ostras no Estado de Santa Catarina sofreu uma queda de quase 23%, passando das 2.512,7 toneladas registradas em 2004, para 1.941,6 toneladas na última safra. Segundo Francisco “Chico” Manoel de Oliveira Neto, responsável pelo sub-projeto de desenvolvimento da cadeia produtiva da malacocultura da Epagri, os ostreicultores foram bastante castigados no início de agosto pela grande ressaca provocada por um ciclone extratropical, além de ter sido um ano atípico com altas temperaturas nas águas na região.

Em 2005 a ostreicultura catarinense contabilizou 171 ostreicultores, distribuídos em 10 municípios da faixa litorânea compreendida entre Palhoça e São Francisco do Sul. Considerando os volumes de produção total de ostras, merece destaque o município de Florianópolis que liderou com uma produção de 1.056,38 t (54,4% da produção estadual), seguido de Palhoça, com 700 t (36,1%). Apenas esse dois municípios juntos, foram responsáveis por 90,5% (1.756,38 t) da produção estadual de ostras no ano de 2005.

A figura 4 mostra a representação gráfica da produção de mexilhões no Estado de Santa Catarina, no ano de 2005, de acordo com os municípios produtores.
Os municípios que mais contribuíram para o declínio da produção de ostras no Estado, em relação ao ano anterior foram: Florianópolis com um volume menor que o do ano anterior de 486,04 t, seguido por Governador Celso Ramos e Penha com redução nos volumes de produção da ordem de 41,85 t e 20 t, respectivamente.

Figura 4 - Produção de ostras em Santa Catarina em 2005
Figura 4 – Produção de ostras em Santa Catarina em 2005
Figura 5 - Produção de mexilhões em Santa Catarina em 2005
Figura 5 – Produção de mexilhões em Santa Catarina em 2005
Mexilhões

No Estado de Santa Catarina, 723 mitilicultores, distribuídos em 12 municípios na região entre Garopaba e São Francisco do Sul, foram responsáveis pela produção recorde de 12.234,1 toneladas de mexilhões registrada no ano de 2005, um crescimento de aproximadamente 25% em relação ao ano de 2004.

Os municípios que mais se destacaram foram: Palhoça, com uma produção de 4.290 toneladas (35,06% da produção estadual), seguido de Penha, com 2.160 toneladas (17,65%), Governador Celso Ramos, com 1.489,54 toneladas (12,17%) e Florianópolis, com 1.118,1 toneladas (9,14%). Esses quatro municípios juntos foram responsáveis por 74% da produção estadual (9.057,64 toneladas) no ano de 2005 (Figura 5).

Os municípios que mais contribuíram para o crescimento da produção em 2005 com relação ao ano de 2004, em valores absolutos, foram: Palhoça, com um aumento de 1.090 toneladas; Florianópolis, 630,3 toneladas; São José, 338 toneladas; e São Francisco do Sul, com aumento de 248 toneladas. Em valores relativos, com um incremento de 129%, Florianópolis foi o destaque entre os doze municípios produtores no volume de mexilhões, em relação à safra anterior.

Em termos de volume total de produção de moluscos por município, Palhoça se destaca com cerca de 35% da produção estadual de ostras e mexilhões (4.990 toneladas), seguido de Florianópolis com aproximadamente 18% (2.174,48 toneladas). Somente estes dois municípios juntos, representaram mais da metade da produção total de moluscos do Estado de Santa Catarina em 2005, com quase 60% (7.164,48 toneladas de ostras e mexilhões).