Técnicas simples viabilizam a carcinicultura no Peru

O cultivo de camarão Macrobrachium rosenbergii no Peru é uma atividade em desenvolvimento, principalmente nos cultivos localizados na Região de San Martin, nas províncias (municípios) de Tarapato, Moyobamba e BeIJa Vista. A Region San Martin, já possui 24 criadores, totalizando uma área de 29 ha de viveiros que produzem em média de 4.983 kg!mês, com peso médio de 32 gr (peso exigido pelo mercado peruano). A produtividade média dessa região é de 2.100 kg!ha/ano.

Com a proibição do governo peruano ao cultivo da tilápia, os piscicultores se viram obrigados a procurar outra espécie de animal para povoamento dos viveiros e o camarão passou a ser a alternativa mais viável. Só em San Ma rti n, além dos 29 ha em produção, existem mais 50 ha de viveiros prontos para serem incorporados a carcinicultura. Também, entre o litoral Norte do país e a selva ao Sul, muitas fazendas já se dedicamao cultivo doM. rosenbergiie toda a produção, 8.500 kg!mês, é colocada no mercado interno, satisfazendo o tradicional hábito peruano de comer camarões.

O camarão mais consumido no Peru, Criphoips caementarius, é nativo dos rios próximos ao litoral sul e seu fornecimento no mercado, no período de reprodução, é proveniente de pesca ilegal por tratar-se de uma espécie em extinção e seu preço, cotado em US$ 12,00 o quilo, é mais caro que o do M. rosenbergii, que custa US$ 9,00!kg, oferecido resfriado ou congelado.

Após uma introdução difícil, atualmente, graças a uma grande campanha publicitária e folhetos explicativos, a aceitação do M. rosenbergii no mercado peruano é muito boa.

CONSULTORES

Os biólogos José Carlos Gastelu e Jaqueline M. de Oliveira, ele peruano e ela brasileira, retorna ram recentemente de uma viagem de três meses ao Peru, atendendo a um convite da Associaciónde Exportadores dei Peru (ADEX), Associación de Acuacultores de San Martin (ACUASAM) e a Associação Interamericana de Desenvolvimento (USAID), para uma consultoria que teve como objetivo, melhorar a tecnologia de cultivo e incrementar a produtividade dos carcinicultores da Região San Martin.

José Carlos, estabelecido há vários anos no Brasil, trabalhando com M. rosenbergii e atualmente fazendo seu mestrado em fisiologia de crustáceos na USP, e Jaqueline, também especialista no cultivo de crustáceos e atualmente trabalhando comlarviculturas, não só levaramsuas experiências aos criadores peruanos, como também trouxeram algumas técnicas de manejo simples, capazes de serem também incorporadas pelos criadores brasileiros, entre elas, a que utiliza tanques-rede para a engorda de pós-larvas. Através desse manejo, será possível aos criadores de camarões ou mesmo para aqueles que ainda não criam mas possuem viveiros, como os piscicultores, engordarem camarões da Malásia com as vantagens do sistema multifásico.