Ultra Violeta remove 17-a metil testosterona da água

De acordo com artigo publicado na edição de março/2005 do jornal Fish Farming International, Wilfrido Contreras-Sanchez ([email protected]) e Carl Schreck, pesquisadores do Laboratório de Aqüicultura da Universidade Juárez Autônoma de Tabasco, no México, verificaram que o esteróide anabólico 17-a metil testosterona pode ser eficientemente removido da água após exposição aos raios ultra violetas.

O hormônio 17-a metil testosterona é comumente utilizado no Brasil na produção de populações 100% macho de tilápias, porém, são poucas as informações disponíveis para os larvicultores e produtores com relação aos riscos, tanto para os humanos como para o meio ambiente, quando da utilização desse hormônio. O 17-a metil testosterona é um esteróide sensível à luz, e sujeito à fotodegradação. O tipo de irradiação do sol responsável pela fotodegradação desse composto é o UV-B (com comprimento de onda entre 280 a 315 nm).

O objetivo da pesquisa realizada em Tabasco, foi determinar se o hormônio pode ser eliminado, por intermédio da contínua circulação da água através de esterilizadores de UV, que emitem raios a 254 nm, e comparar a eficiência desses esterelizadores com a fotodegradação do hormônio pela simples irradiação solar. No experimento realizado, 50 mg/ml de 17-a metil testosterona foram adicionados à água de quatro aquários de 150 litros cada, dos quais dois foram expostos à luz solar e outros dois onde a água passava através de um esterilizador de UV com lâmpadas de 8 watt a um fluxo de 1 litro/minuto.

De acordo com os pesquisadores, o 17-a metil testosterona foi totalmente removido da água dos aquários após a exposição aos raios do esterilizador UV. Após 4 horas nesse tratamento, a concentração do esteróide foi reduzida à 50%. Após 24 horas, a concentração atingiu menos de 5mg/ml e não foi detectado na água ao final do experimento, 48 horas depois. A simples exposição à luz solar eliminou 64% do 17-a metil testosterona originalmente presente nesse tratamento.